domingo, 21 de janeiro de 2018


memória comunitária

País progressivo

«(...) só o será se a grande massa da população possuir uma cultura eficiente, estiver apetrechada para compreender e usar os meios próprios da transformação da sociedade.»


VÉRTICE. Revista de Cultura e Arte, Fevereiro de 1946, Fascículo 5., p. 2

''instinto político das massas''

GITANJALI

(FRAGMENTO)


Lá onde o espírito nada teme e se vive de cabeça erguida;
Lá onde o conhecimento é livre;
Lá onde o mundo não foi dividido por estreitas paredes
                                                                       intermédias;
Lá onde as palavras emanam da profunda sinceridade;
Lá onde o esforço infatigável estende os braços para a
                                                                             perfeição;
Lá onde a clara corrente da razão não morre no árido
                                         e morno deserto do costume;
Lá onde o espírito por ti guiado avança no alarga-
          mento contínuo do pensamento e da acção;
Nesse paraíso de liberdade, meu pai, permite que a minha
                                                                   pátria se levante.


Rabindranath Tagore

Twenty Four Trees, Abashiri, Hokkaido, Japan


''Não há nada que faça mais sucesso do que o próprio sucesso.''

Cientista político Jan-Werner Müller
Até que ponto o discurso de Trump é mais nativista do que nacionalista? Quais as consequências disso?

nativismo

na.ti.vis.mo
nɐtiˈviʒmu
nome masculino
1.
FILOSOFIA teoria que afirma a existência nos seres humanos de noções ouestruturas mentais congénitas, anteriores à experiênciainatismo
2.
valorização excessiva do que é nacional, acompanhada de aversão ao queé estrangeiro
3.
proteção e valorização de uma cultura nativa como forma de resistência àaculturação

Donald Trump: a trágica eleição na história moderna da democracia!


contratos superfacturados
O cientista político Jan-Werner Müller. "Populista é alguém que se proclama como legítimo representante do povo e é contra o pluralismo"

“homens proeminentes do estado ostensivo”

“homens proeminentes do estado ostensivo”


intransigentemente

entidades desnacionalizadas

“pessoas do abismo”

Estados ostensíveis

Antecipations Wells

Anticipations of the Reaction of Mechanical and Scientific Progress upon Human Life and Thought, 1901

Herbert George Wells (1866-1946)


«Revisitar e refletir sobre o que outros escreveram acerca do futuro que é hoje o nosso presente permite-nos avaliar a capacidade humana de prever e revela os contornos mais profundos da condição humana.»

FILIPE DUARTE SANTOS no Jornal Público
“As prioridades dos que vivem em palácios sempre foram diferentes das dos que vivem em barracas e isso dificilmente irá mudar no século XXI.” 


(Yuval Noah Harari, In Homo Deus)

sábado, 20 de janeiro de 2018

«Há coisas que, definitivamente, passaram de moda. Mas também é verdade que ainda não temos o hábito de discutir ideias sem agredir os respectivos autores ou expositores; de vencermos as nossas pequeninas vaidades onde elas não contam e, em vez delas, cultivarmos o amor da objectividade na busca da verdade. Coisas difíceis, todas elas, a quem torna públicos os seus ataques de fígado em vez de, pelo contrário, com muito mais senso, procurar discretamente o conselho de um bom médico. Que essas coisas de vómitos andam, muitas vezes, ao que oiço dizer, ligadas a perturbações do órgão hepático. Mas não desejando meter foice em seara alheia,
      Creia, Sr. Director, na consideração do
                                                                                                  Joel Serrão

''abusos de confiança''

aborto e infanticídio

«Não há crime de homem isolado. O crime pressupõe relações sociais.»


A criminalidade feminina por Luís de Carvalho e Oliveira

«O mais ingrato estudo em sociologia é o crime.»

A criminalidade feminina por Luís de Carvalho e Oliveira

Hebreus, Fenícios, Púnicos, Etruscos, Persas, Helenos, Romanos Bizantinos, Muslines

«Este é o grito da sirene dos carros da polícia. Deu-se um crime em Sunset Boulevard eram 4 horas da madrugada. O ruído de uma descarga de tiros, despertou a multidão. Este é o meu corpo boiando à tona de água. Estou morto. São agora 9 horas da manhã. A imprensa vai especular, contar histórias diferentes. Por isso, vou eu narrar os factos, tal como ocorreram.»

Billy Wilder

dictógrafo

«(...) a ambição do dinheiro como mola impulsionadora do drama;»


Billy Wilder, sua obra e sua importância no cinema ''Negro'' por Mário Bonito

«escritor de filmes»

''campanhas de moralização''

Definição de «filme negro»

« diremos que, de modo geral, se caracteriza por: realismo de ambiência; personagens tentados ao suicídio e ao isolamento, em resultado da impotência ou da indiferença; e exposição da narrativa em termos mais ou menos pessimistas e violentos.»

Billy Wilder, sua obra e sua importância no cinema ''Negro'' por Mário Bonito

'' chumbei-lhe uma perna e uma asa.''

A Morte do Gaio. Contarelos De um livro para jovens, longamente à espera de Editor, por Irene Lisboa
«O meu nome é de quem o queira usar
no serviço do progresso e da verdade.»

Victor Hugo

diatribe

di.a.tri.be
djɐˈtrib(ə)
nome feminino
escrito ou discurso violento que critica ou acusa alguémcrítica severacatilináriainjúria

''selfie-com-gente-ao-colo''

croissants brioche

''poeta – logo, não-escritor ''


“É fácil falar de Literatura porque me estou borrifando para a opinião dos críticos encartados e dos escritores encartados”

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

«Esqueço-me de viver se te recordo,»

Manuel Altolaguirre. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 290

«Era minha dor tão alta
que avistava o outro mundo
olhando sobre o poente.»



Manuel Altolaguirre. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 287

Olive Edis, “Commandant Johnson and two other women of the General Service Voluntary Aid Detachment (VAD) Motor Convoy outside Nissen Huts, Abbeville, France” (1919)


«Se altas são as torres, alta é a coragem.»


Rafael Alberti. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 281

''Há sangue caído''


Rafael Alberti. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 280

BALADA DA NOSTALGIA INSEPARÁVEL




Sempre esta nostalgia, esta inseparável
nostalgia que tudo afasta e modifica.
Diz-mo tu, árvore.

Olho-te. Olhas-me. E já não és a mesma.
Nem é o mesmo vento que te está a açoitar.
Diz-me tu, água.

Bebo-te. Bebes-me. E já não és a mesma.
Nem é a mesma terra a da tua garganta.
Diz-me tu, terra.

Tenho-te. Tens-me. E já não és a mesma.
Nem é o mesmo o sonho de amor que te possui.
Diz-mo tu, sonho.

Tomo-te. Tomas-me. E já não és o mesmo.
Nem é a mesma estrela que está a adormecer-te
Diz-mo tu, estrela.

Chamo-te. Chamas-me. E já não és a mesma.
Nem és a mesma noite clara quem te queima.
Diz-mo tu, noite.



Rafael Alberti. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 279/80



«posso viver de novo, se tu mandas,
morrer, morrer também, se assim o queres.»


Rafael Alberti. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 278

«Não quero separar-me de meus olhos,
do meu coração, mãe, nem um momento,»


Rafael Alberti. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 278

Florence Farmborough, “Dead Russian soldier, photographed on the road to Monasterzhiska (Ukraine)” (1916



«Vê-se a neve em teus altos cabelos
de Granada, tingidos para sempre
daquele sangue puro que embalaste»

Rafael Alberti. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 277

«(...)        Aprendizagem
em toda a extensão do sofrimento.»


Rafael Alberti. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 276

''cadáveres de vozes conhecidas''


Rafael Alberti. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 276

stop thinking

''névoa caporal de tabaco''


Rafael Alberti. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 275

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018


flores em espiga


(...)

«Mas quando já nos anos que se têm
correm por nosso sangue mais mortos do que anos,
o melhor é ser álamo,
Álamo que assistiu a uma batalha
e vai contando noites com nomes de soldados.»


Rafael Alberti. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 275

«Faz falta ser cego,
ter como metidas nos olhos raspaduras de vidros,

(...)»


Rafael Alberti. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 273

nardo seco

«(...) no ombro de uma ave não havia flor que apoiasse a cabeça.»


Rafael Alberti. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 271

Segunda lembrança


Também antes,
muito antes da rebelião das sombras,
de que ao mundo caíssem penas incendiadas
e um pássaro pudesse ser morto por um lírio.
Antes, antes que me perguntasses
o número e o sítio do meu corpo.
Muito antes do corpo.
Na época da alma.
Quando abriste na fronte sem coroa do céu,
a primeira dinastia do sonho.
Quando, ao olhar-me no nada,
inventaste a primeira palavra.

Então, o nosso encontro.



Rafael Alberti. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 271

Photographed by Bruce Weber, Vogue, November 2006



«Passeava com um ar de açucena que pensa,
quase de pássaro que sabe há-de nascer.»


Rafael Alberti. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 270

«Eu dei o meu sangue aos mares.»


Rafael Alberti. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 270

(...)

«Espremei todo meu sangue.
Ponde a secar minha vida
sobre as enxárcias do cais.

Seco, arremessai-me às águas
com uma pedra ao pescoço
p'ra que nunca mais flutue.»




Rafael Alberti. Antologia da Poesia Espanhola Contemporânea. Selecção e Tradução de José Bento. Assírio&Alvim, Lisboa, 1985., p. 269

domingo, 14 de janeiro de 2018

Todas as minhas fontes vêm de ti
As nascentes
E amo-te com a constância do moribundo que respira
Já sem saber de que lado o visita a morte
Procuro a ligação entre ti a luz muito miudinha depois dos temporais
Entre a luz e os estilhaços nas ruas bombardeadas
Desconheço o colar onde unes tudo
Procuro entender como é que moldas
Os meus pés ao equilíbrio que os desloca no chão
Sei que és tu que me levantas
Que remendas o meu corpo a cada dia
Em ti encontro a pulsação
Que rebente - uma artéria como nunca
Tinha jorrado. Cratera onde durmo
Recluso, árvore à chuva
Em dificuldade extrema
De respiração
Ponho a cabeça entre os ramos, lanço os braços para fora
Como um pássaro entre um bando
De disparos
Tu moves as agulhas, tu unes de novo
As minhas asas à curva do céu
Daniel Faria

Günther Anders já não confia nos meios pacíficos, já não acredita na democracia dos partidos. “Depois da grande vitória dos meios de comunicação de massas, deixou de existir democracia. O substancial da democracia é poder ter uma opinião própria e, ao mesmo tempo, poder expressá-la. Por exemplo, vivi catorze anos nos Estados Unidos e nunca pude expressar a minha opinião. Desde que existem meios de comunicação de massas, e desde que a população mundial se encontra como que exorcizada diante do televisor, ela é alimentada, às colheres, com opiniões. A expressão ´ter uma opinião própria` já não tem sentido de realidade. Os alimentados deixaram de possuir, forçadamente, qualquer hipótese de ter uma opinião própria. Não, já nem sequer consomem opiniões alheias. São engordados com o sistema. E os gansos engordados a sistema não ´consomem`. A televisão engorda com sistema. Se a democracia é aquilo que permite expressar uma opinião própria, então a democracia converteu-se em algo impossível através dos meios de comunicação de massas, porque quando não se tem algo próprio, também não se consegue expressá-lo.”

a destruição diária prossegue

gás lacrimogénio

''bosques secos e cheios de lixo''

“A violência não só está permitida como também está legitimada moralmente quando é usada pelo poder reconhecido. O poder baseia-se permanentemente na possibilidade do exercício da violência.''

Uma coisa é aparentar, outra coisa é ser.

Adolf Fassbender, White Night, 1936


anódino

a.nó.di.no
ɐˈnɔdinu
adjetivo
1.
que acalma as dores
2.
figurado inofensivo
3.
figurado sem importância
nome masculino
remédio calmante