quarta-feira, 30 de novembro de 2011

         «Um homem que sabe do seu ofício é apreciado sempre e em toda a parte.»


Ernst Jünger. Eumeswil. Tradução de Sara Seruka com a colaboração de João Barrento para a Tradução dos Poemas. Editora Ulisseia., p. 31

''Poesia sem perdão ou esquecimento.''




Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 130

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Velho ditado

«Se não queres ser roubado sem clemência,
Esconde o teu ouro, a tua fé, a tua ausência.»


Ernst Jünger. Eumeswil. Tradução de Sara Seruka com a colaboração de João Barrento para a Tradução dos Poemas. Editora Ulisseia., p. 24
«As nuvens cinzentas acumulavam-se sobre o alto mar, todo ele feito de uma eternidade de lágrimas amargas.»



Arthur Rimbaud. O Rapaz Raro. Iluminações e poemas. Tradução de Maria Gabriela Llansol. Relógio D' água, Lisboa, 1998., p. 35

calvário

(...) « Águas e tristezas, cresçam, e alteai os Dilúvios.»


Arthur Rimbaud. O Rapaz Raro. Iluminações e poemas. Tradução de Maria Gabriela Llansol. Redógio D' água, Lisboa, 1998., p.

céus de brasas

meandros

«Eu olho, e a mulher é a palavra.»


Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 109

«A mulher senta-se no tempo e a minha melancolia
pensa-a, »

Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 108

                  «Amanhã vou morrer. Tenho
vinte e nove bocas urdindo
a falsa doçura da confusão.»


Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 97

''A colher de súbito cai no silêncio da língua.''

Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 86

subtil

«Porque as ervas têm pálpebras abertas
sobre estas imagens tremendamente puras.»


Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 85

segunda-feira, 28 de novembro de 2011


«Mãe, pouco resta de ti na exaltação deste mundo. Às
            vezes
misturas-te um pouco nos terrores da noite ou olhas-me,
vertiginosa e triste,
através das palavras impuras da minha vida
de poeta.»



Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 74
« - Trazem liras nas mãos, trazem nas mãos brutais
pequenos cravos de ouro ou peixes delicados
de música fria.»




Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 59

''pessoas invasoras e quentes''


«o peixe que vai nadando até se consumar em lento
lírio.»


Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 50

«FEDIA - Não temo ninguém porque sou um cadáver.»


Leão Tolstoi. O Cadáver vivo. Círculo de Leitores, Lisboa, 1980., p. 233
LIZA (Sorrindo.) - (...)  Mas não me impeça...não me impeças de dizer o que sinto. O que mais me atormentava era sentir que gostava de dois homens. Porque isto significava que sou uma mulher sem moral.»



Leão Tolstoi. O Cadáver vivo. Círculo de Leitores, Lisboa, 1980., p. 205

«Suicidar-te-ás para que eles, esses dois entes, tenham piedade de ti. E eu ... matar-me-ei para que o mundo compreenda o que perdeu.»



Leão Tolstoi. O poder das trevas seguido de O Cadáver vivo. Círculo de Leitores, Lisboa, 1980., p. 200
«Mas para nós, cujos cabelos já vão embranquecendo, é-nos difícil compreender a juventude.»


Leão Tolstoi. O poder das trevas seguido de O Cadáver vivo. Círculo de Leitores, Lisboa, 1980., p. 183

domingo, 27 de novembro de 2011

«É para mim demasiado doloroso olhá-la nos olhos. E para ela também...Acredita no que te digo.»


Leão Tolstoi. O poder das trevas seguido de O Cadáver vivo. Círculo de Leitores, Lisboa, 1980., p. 174
« - E o poema faz-se contra o tempo e a carne.»


Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 41

          (...)                      « e eu caminho pelas ruas frias com
o místico desejo do teu corpo.»

Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 39

flor de giesta

''traz da montanha um pássaro de resina''

                             «O meu desejo traz
o perfume da tua noite.»


Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 37

salina castidade


« e a tua boca penetra a minha voz como a espada
se perde no arco.»



Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 31
«Beberei sua boca, para depois cantar a morte
e a alegria da morte.»




Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 30

O AMOR EM VISITA


Dai-me uma jovem mulher com sua harpa de sombra
e seu arbusto de sangue. Com ela
encantarei a noite.
Dai-me uma folha viva de erva, uma mulher.
Seus ombros beijarei, a pedra pequena
do sorriso de um momento.
Mulher quase incriada, mas com a gravidade
de dois seios, com o peso lúbrico e triste
da boca. Seus ombros beijarei.

Cantar? Longamente cantar.
Uma mulher com quem beber e morrer.
Quando fora se abrir o instinto da noite e uma ave
o atravessar trespassada por um grito marítimo
e o pão for invadido pelas ondas,
seu corpo arderá mansamente sob os meus olhos palpi-
                tantes,
ele - imagem inacessível e casta de um certo pensa-
               mento
de alegria e de impudor.
Seu corpo arderá para mim
sobre um lençol mordido por flores com água.

(...)


Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 29
«Se a busco? Esfaimadamente a busco,
tacteando com a memória a forma com que era
nas noites de amor.»



Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 24

«Humildemente teço minhas palavras gratas
sobre a bela ferocidade
da vossa carne, ergo minha taça,
oiço o rumorejar oculto da fonte.
Humildemente dissipo a solidão, aceito o vosso apelo de
          esperma,
mereço a poesia.

Humildemente repudio a morte.»



Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 19

«Transforma-se o amador na coisa amada»

«Transforma-se o amador na coisa amada» com seu
feroz sorriso, os dentes,
as mãos que relampejam no escuro. Traz ruído
e silêncio. Traz o barulho das ondas frias
e das ardentes pedras que tem dentro de si.
E cobre esse ruído rudimentar com o assombrado
silêncio da sua última vida.
O amador transforma-se de instante para instante,
e sente-se o espírito imortal do amor
criando a carne em extremas atmosferas, acima
de todas as coisas mortas.

Transforma-se o amador. Corre pelas formas dentro.
E a coisa amada é uma baía estanque.
É o espaço de um castiçal,
a coluna vertebral e o espírito
das mulheres sentadas.
Transforma-se em noite extintora.
Porque o amador é tudo, e a coisa amada
é uma cortina
onde o vento do amador bate no alto da janela
aberta. O amador entra
por todas as janelas abertas. Ele bate, bate, bate.
O amador é um martela que esmaga.
Que transforma a coisa amada.

Ele entra pelos ouvidos, e depois a mulher
que escuta
fica com aquele grito para sempre na cabeça
a arder com o primeiro dia do verão. Ela ouve
e vai-se transformando, enquanto dorme, naquele grito
do amador.
Depois acorda, e vai, e dá-se ao amador,
dá-lhe o grito dele.
E amador e a coisa amada são um único grito
anterior do amor.

E gritam e batem. Ele bate-lhe com o seu espírito
de amador. E ela é batida, e bate-lhe
com o seu espírito de amada.
Então o mundo transforma-se neste ruído áspero
do amor. Enquanto em cima
o silêncio do amador e da amada alimentam
o imprevisto silêncio do mundo
                                                 e do amor.




Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 16/7
«Falemos de casas como quem fala da sua alma,
entre o incêndio,
junto ao modelo das searas,
na aprendizagem da paciência de vê-las erguer
e morrer com um pouco, um pouco
                                                         de beleza.



Herberto Helder. A colher na boca. Edições Ática., p. 15

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

O ouro encarnava o sol

Cortejar as boas graças

«Cortejar as boas graças»: também isto é uma arte. A expressão deve ter sido inventada por alguém que teve a mesma sorte da raposa com as uvas. É verdade que, uma vez o cortejador com assento no gabinete, as coisas modificam-se. A massa é como a amante, que se entrega de bom grado ao senhor, mal se lhe abre a porta da sua alcova.»




Ernst Jünger. Eumeswil. Tradução de Sara Seruka com a colaboração de João Barrento para a Tradução dos Poemas. Editora Ulisseia., p. 14
«Os caçadores têm especial prazer em matar o belo.»


Ernst Jünger. Eumeswil. Tradução de Sara Seruka com a colaboração de João Barrento para a Tradução dos Poemas. Editora Ulisseia., p. 13
«Se ficas a saber tudo, em pouco tempo pões-te velha.»



Leão Tolstoi. O poder das trevas seguido de O Cadáver vivo. Círculo de Leitores, Lisboa, 1980., p. 108

20 de Janeiro ou 30 anos

A tua idade enche-me de medo
defende-te e acusa-me.
ignoras o vento da tormenta
com o seu fardo, mas paira sobre ti
o favor de uma musa que volto a encontrar
no rosto. Ao acaso iremos traduzir
amanhã alguns versos de Emily
em conjunto. E virás
com o teu casacão azul-cobalto.
Alma viva, sabes dar-me vida
a mim que ignoro e ando às cegas
num tempo que voa
com os teus trinta anos.





Eugenio Montale. Poesia. Selecção, tradução, prefácio e notas de José Manuel de Vasconcelos. Assírio&Alvim, Lisboa, 2004., p. 325

Count Lev Nikolaevich / LeoTolstoy and Sofia Andreevna Tolstaya in Tolstoy's study in 1907 at Yasnaya Polyana, 200 kilometres south of Moscow

Ser em cada culpa a inocência de tudo

terça-feira, 22 de novembro de 2011

lábios devotos

Cedo ou Tarde

Desde criança acreditei que não é o homem
que se move mas o cenário, a paisagem.
Foi quando, imóvel, vi desenrolar-se
o lago de Lugano, no vaudeville
de um tal Dall ' Argine que provavelmente
em homenagem a si mesmo, nomen omen,
não deixou nunca a margem. Depois dei-me conta
do meu pueril engano e agora sei
que volante ou pedestre, estase ou movimento
em nada diferem. Há quem goste de
beber a vida gota a gota ou a jorros;
mas a garrafa é a mesma, não se pode
enchê-la quando se esvazia.



Eugenio Montale. Poesia. Selecção, tradução, prefácio e notas de José Manuel de Vasconcelos. Assírio&Alvim, Lisboa, 2004., p. 291

A forma do mundo

Se o mundo tem a estrutura da linguagem
e a linguagem tem a forma da mente
a mente com os seus cheios e os seus vazios
é nada ou quase nada e não nos tranquiliza.

Assim falou Papirio. Estava já escuro
e chovia. Vamos para um sítio seguro
disse e apressou o passo sem se aperceber
que falava a linguagem do delírio.





Eugenio Montale. Poesia. Selecção, tradução, prefácio e notas de José Manuel de Vasconcelos. Assírio&Alvim, Lisboa, 2004., p. 281

sobre a felicidade


«Tem um preço demasiado alto, não é para nós e quem a tem
não sabe o que fazer com ela.»


Eugenio Montale. Poesia. Selecção, tradução, prefácio e notas de José Manuel de Vasconcelos. Assírio&Alvim, Lisboa, 2004., p. 255
«Chove
de um céu que não tem
nuvens.»




Eugenio Montale. Poesia. Selecção, tradução, prefácio e notas de José Manuel de Vasconcelos. Assírio&Alvim, Lisboa, 2004., p. 247

domingo, 20 de novembro de 2011

«ANISIA - É bem verdade o que dizem do pudor das raparigas: não passa da soleira da porta. Uma vez atravessada a porta, tudo se esquece! Que grande descarada!»




Leão Tolstoi. O poder das trevas seguido de O Cadáver vivo. Círculo de Leitores, Lisboa, 1980., p. 64
8

«E o paraíso? Existe um paraíso?».
«Creio que sim, minha senhora, mas os vinhos doces
já ninguém os quer».





Eugenio Montale. Poesia. Selecção, tradução, prefácio e notas de José Manuel de Vasconcelos. Assírio&Alvim, Lisboa, 2004., p. 233
5

«Desci, dando-te o braço, pelo menos um milhão de escadas
e agora que já cá não estás é o vazio em cada degrau.
Mesmo assim a nossa longa viagem foi breve.
A minha ainda dura, mas já não me acontecem
as coincidências, as reservas,
as ciladas, os dissabores de quem crê
que a realidade é aquilo que se vê.

Desci milhões de escadas dando-te o braço
e não porque com quatro olhos talvez se veja mais.
Contigo desci-as porque sabia que nós os dois
as únicas verdadeiras pupilas, ainda que ofuscadas,
eram as tuas.»



Eugenio Montale. Poesia. Selecção, tradução, prefácio e notas de José Manuel de Vasconcelos. Assírio&Alvim, Lisboa, 2004., p. 233

«Dizem que a poesia no seu cume
glorifica o Todo em fuga,»


Eugenio Montale. Poesia. Selecção, tradução, prefácio e notas de José Manuel de Vasconcelos. Assírio&Alvim, Lisboa, 2004., p. 229

ustório


adjectivo
1. que queima
2. que inflama

(Do latim ustu-, «queimado» +-ório)
«Não sei como extenuada tu resistes
neste lago
de indiferença que é o teu coração; talvez
te salve um amuleto que guardas
junto ao bâton dos lábios,
à borla do pó-de-arroz, à lima das unhas: um ratinho branco,
de marfins; e é assim que existes!»



Eugenio Montale. Poesia. Selecção, tradução, prefácio e notas de José Manuel de Vasconcelos. Assírio&Alvim, Lisboa, 2004., p. 161

extenuar

verbo transitivo
causar grande cansaço a; enfraquecer
verbo pronominal
1. debilitar-se
2. gastar-se
(Do latim extenuāre, «enfraquecer; tornar ténue»)
«A tua agitação faz-me pensar
nas aves de arribação que vão contra os faróis
nas noites de tempestade:
também a tua doçura é uma tempestade,
rodopia e não aparece,
e as suas pausas são também mais raras.»




Eugenio Montale. Poesia. Selecção, tradução, prefácio e notas de José Manuel de Vasconcelos. Assírio&Alvim, Lisboa, 2004., p. 159
«regressa ao caminho onde contigo me entristeço,
àquele que apontou um chumbo seco
às minhas, às tuas noites:
volta às primaveras que não florescem.»




Eugenio Montale. Poesia. Selecção, tradução, prefácio e notas de José Manuel de Vasconcelos. Assírio&Alvim, Lisboa, 2004., p. 155

                                        «Hoje volto
até junto de vós mais forte, ou estarei enganado, se bem que o coração
pareça abrir-se em recordações ledas e atrozes.»



Eugenio Montale. Poesia. Selecção, tradução, prefácio e notas de José Manuel de Vasconcelos. Assírio&Alvim, Lisboa, 2004., p. 139

''duas camélias pálidas''

pélago


nome masculino
1. mar alto
2. profundidade do mar
3. figurado abismo; voragem
4. figurado imensidade
(Do grego pélagos, «idem», pelo latim pelăgu-, «idem»)

sábado, 19 de novembro de 2011

samovar

nome masculino
utensílio de cobre ou de latão, de origem russa, com que se aquece a água para preparar o chá e que é munido de uma pequena fornalha de carvão vegetal

(Do russo samowar, «que ferve por si próprio», pelo francês samovar, «idem»)
«Tens passado a vida a sofrer por causa desse carunchoso, e quando enviuvares terás de ir pedir esmola.»


Leão Tolstoi. O poder das trevas seguido de O Cadáver vivo. Círculo de Leitores, Lisboa, 1980., p. 41/2
«Se encontrares uma mulher melhor do que eu, esquecer-me-ás, mas se for pior, recordar-te-ás.»


Leão Tolstoi. O poder das trevas seguido de O Cadáver vivo. Círculo de Leitores, Lisboa, 1980., p. 36

domingo, 13 de novembro de 2011

« o Poeta escancarava as chagas do seu peito
como lírios da noite abertos ao luar,»




António Feijó. Á Janella do Occidente. Poemeto. Magalhães & Moniz Editores, Porto, 1884., p
                                           ...To die, to sleep;
             To sleep! perchance to dream; ay there is the rub.

                      (Shakespeare, Hamlet, act. 3º.sc.I.ª)
«Decerto - disse consigo mesmo - o tempo não tem nenhuma realidade. É uma pura ilusão do nosso espírito. Ora, se ele não existe, como poderei trazer a minha morte?...Será que viverei eternamente? Não, mas daí concluo que a minha morte é e foi sempre a mesma  que será para sempre. Eu não a sinto ainda, e todavia ela é, e não a devo temer, porque seria uma loucura temer a vida de uma cousa que já veio. Ela existe como a derradeira página de um livro que eu leio e ainda não acabei.»


Anatole France. Thaïs. Tradução de Sodre Viana. Irmãos Pongetti Editores, Rio de Janeiro, 2ª ed., p. 149

Estou farta de tudo o conheço e quero buscar o desconhecido.

« - É verdade, Nicias - respondeu Thaïs - estou fatigada de viver com homens como tu, risonhos, perfumados, benévolos, egoístas. Estou farta de tudo o conheço e quero buscar o desconhecido. Senti que a alegria não é a alegria, e este homem ensina-me que a dor é a verdadeira alegria. Acredito nele, porque possui a verdade.»



Anatole France. Thaïs. Tradução de Sodre Viana. Irmãos Pongetti Editores, Rio de Janeiro, 2ª ed., p. 146
«Enquanto falava, as suas pupilas despediam chamas; parecia que dos seus lábios saíam brasas e, sem querer, os que o rodeavam o ouviam.»



Anatole France. Thaïs. Tradução de Sodre Viana. Irmãos Pongetti Editores, Rio de Janeiro, 2ª ed., p. 144
« - Vai ser triste viver, quando a sua porta estiver fechada.»



Anatole France. Thaïs. Tradução de Sodre Viana. Irmãos Pongetti Editores, Rio de Janeiro, 2ª ed., p. 141
«Thaïs, tudo aquilo que tocaste deve ser devorado pelo fogo até ao âmago.»



Anatole France. Thaïs. Tradução de Sodre Viana. Irmãos Pongetti Editores, Rio de Janeiro, 2ª ed., p. 137
« - É preciso - respondeu Paphnucio - seguir aquele que te veio procurar. Ele te arrancará ao mundo como o vidimador extirpa o cacho que apodreceria na árvore, e o leva à prensa para transformá-lo em vinho perfumado.»



Anatole France. Thaïs. Tradução de Sodre Viana. Irmãos Pongetti Editores, Rio de Janeiro, 2ª ed., p. 131/2
«Thaïs
Mas não tens medo de sujar a tua alma nos braços de uma mulher?

ZENOTHEMIS
O corpo pode ceder ao desejo, sem que a alma tenha nada com isso.

Thaïs
Vai-te! Gosto que me amem com o corpo e com a alma. Todos esses filósofos são uns bodes!

Uma a uma as lâmpadas extinguiam-se. Um dia pálido, que penetrava pelas frestas das cortinas, golpeava as fisionomias lívidas e os olhos congestos dos convivas.»



Anatole France. Thaïs. Tradução de Sodre Viana. Irmãos Pongetti Editores, Rio de Janeiro, 2ª ed., p. 126/7

«Por minha culpa os meus filhos estão afogados na vida amarga.»


Anatole France. Thaïs. Tradução de Sodre Viana. Irmãos Pongetti Editores, Rio de Janeiro, 2ª ed., p. 121
«(...) o chão dos caminhos bebeu o sangue inocente.»


Anatole France. Thaïs. Tradução de Sodre Viana. Irmãos Pongetti Editores, Rio de Janeiro, 2ª ed., p. 121

tição

nome masculino
1. pedaço de lenha aceso ou meio queimado
2. brasa
3. carvão
4. figurado, popular pessoa muito suja ou enfarruscada
5. figurado, popular pessoa muito morena ou muito escura
(Do latim titiōne-, «idem»)
«Não tenho sentidos; nem sentimento. Não tenho limite.»


Eugenio Montale. Poesia. Selecção, tradução, prefácio e notas de José Manuel de Vasconcelos. Assírio&Alvim, Lisboa, 2004., p. 111

«ANTIGO, fico embriagado pela voz
que sai das tuas bocas quando se abrem
como verdes sinos e voltam
para trás desaparecendo.
A casa dos meus longínquos estios
ficava a teu lado, como sabes,
naquela terra onde o sol abrasa
e os mosquitos soltam nuvens pelos ares.
Agora como então emudeço na tua presença,
mar, e não me acho digno já
do solene ensinamento
da tua respiração. Foste o primeiro a dizer-me
que o ínfimo fermento
do meu coração era apenas um momento
do teu; que eu tinha bem fundo
a tua audaciosa lei: ser vasto e diferente
e ao mesmo tempo constante:
e esvaziar-me assim de toda a sujidade
como tu fazes quando lanças nas areias
entre cortiças algas e estrelas do mar
os inúteis despojos do teu abismo.»



Eugenio Montale. Poesia. Selecção, tradução, prefácio e notas de José Manuel de Vasconcelos. Assírio&Alvim, Lisboa, 2004., p. 101

«Na idade de ouro florida nas margens felizes
também um nome, uma veste, eram um vício.»



Eugenio Montale. Poesia. Selecção, tradução, prefácio e notas de José Manuel de Vasconcelos. Assírio&Alvim, Lisboa, 2004., p. 91

efígie


nome feminino
1. representação ou imagem de uma pessoa
  2. figura de personagem importante representada em moeda ou medalha
3. retrato


  (Do latim effigĭe-, «idem»)

fulmíneo


adjectivo
1. relativo a raio
2. figurado brilhante ou destruidor como o raio

(Do latim fulminĕu-, «idem»)

«ébria sede»

      (...)

«                                     Ardes
também tu entre as lages do estio,
coração que desfaleces! E de maneira incauta
ensaias novas notas na tua flauta.»




Eugenio Montale. Poesia. Selecção, tradução, prefácio e notas de José Manuel de Vasconcelos. Assírio&Alvim, Lisboa, 2004., p. 57

sábado, 12 de novembro de 2011

vergastadas

enraíza

«A morte é outra espera.»



Miguel de Unamuno. Creio no futuro. Textos, traduzidos e dispostos ritmicamente por Manuel Simões. Editorial A. O., Braga, p. 106

«É muita a água deste mar,
Tenho fogo no coração.»


Miguel de Unamuno. Creio no futuro. Textos, traduzidos e dispostos ritmicamente por Manuel Simões. Editorial A. O., Braga, p. 97

TUDO PASSA

«LEMBRO-ME que te lembrava
E já teu nome me tortura.

Assim o que amamos decorre,
Assim passa assim acaba
E surge a nova ventura.

Assim se esquece,
Assim se morre.»




Miguel de Unamuno. Creio no futuro. Textos, traduzidos e dispostos ritmicamente por Manuel Simões. Editorial A. O., Braga, p. 83
«Não adoeça o coração
De esperar.»

Miguel de Unamuno. Creio no futuro. Textos, traduzidos e dispostos ritmicamente por Manuel Simões. Editorial A. O., Braga, p. 70
«Nascer é outra morte,
Morrer um nascimento,»


Miguel de Unamuno. Creio no futuro. Textos, traduzidos e dispostos ritmicamente por Manuel Simões. Editorial A. O., Braga, p. 64
«No silêncio dos céus arde
           O Verbo criador,»




Miguel de Unamuno. Creio no futuro. Textos, traduzidos e dispostos ritmicamente por Manuel Simões. Editorial A. O., Braga, p. 53
« - Não busques sonhos perdidos.»



Miguel de Unamuno. Creio no futuro. Textos, traduzidos e dispostos ritmicamente por Manuel Simões. Editorial A. O., Braga, p. 44

assalariamento

assinar a rogo assinar por quem não sabe escrever

ADÃO ONDE ESTÁS?

«TREME a terra das almas; range
A humanidade; agacham-se os povos,
Escurece o céu e nas nuvens
Forja-se o raio das noites claras
De tempestade; a génese do mundo
Alumia outra vez o abismo do nada.

As estrelas já não guiam como outrora
O navegante. Quem espera o sol?

E levanta-se do fundo do abismo
O sussurro de Deus quando chamava:
- («Adão, Adão» e o homem se escondia
Por detrás da mulher angustiada,
Envergonhado, nu e temeroso,
Vendo a sua sombra nas eternas águas.

Nuvens escuras sobem desde a terra
Levam ao alto a negra catarata
Que rebenta nos ares e o dilúvio
Varre cidades, lava o pó caído.

Prossegue o lodo subjugando a luz,
A história foge e o milagre passa.»




Miguel de Unamuno. Creio no futuro. Textos, traduzidos e dispostos ritmicamente por Manuel Simões. Editorial A. O., Braga, p. 37/8

esfinge

nome feminino
 
1. MITOLOGIA monstro fabuloso com rosto de mulher, corpo de leão e asas de ave de rapina, que propunha enigmas, devorando todos aqueles que não os decifrassem
2. representação desse monstro
3. na arte egípcia, estátua de leão deitado com cabeça humana que representa uma divindade
4. figurado pessoa calada ou impenetrável
5. figurado mistério; enigma

(Do grego sphígx, monstro que estrangulava, pelo latim sphinge-, «esfinge»)

APELO

«MAIS perto...mais...
Arranca-me de mim
Que me afundo
No meu nada.

Dá-me a minha alma,
Que sem alma
Para que quero eu o mundo?»



Miguel de Unamuno. Creio no futuro. Textos, traduzidos e dispostos ritmicamente por Manuel Simões. Editorial A. O., Braga, p. 22

REPOUSO CORDIAL

«Já trespassado de golpes,
Coração, a tua polpa
Macerada no martírio
Em doçura amadurece.

Depois te farás terriço
Que adubará no sepulcro
A semente que criaste
Para eterna carnadura.

Benditos golpes; são beijos
Dessa pura e santa boca
De Deus nosso Pai terrível;

Beijos que matam de angústia
De amor que adivinha a morte
E chupa o sangue da alma.

Furioso acometias,
Coração, e a tua fúria
Valeu-te o seres batido.

Repassado de doçura
Descansarás feito terra
Na terra que foi teu berço.

A terra será teu céu
E o céu será teu berço.»



Miguel de Unamuno. Creio no futuro. Textos, traduzidos e dispostos ritmicamente por Manuel Simões. Editorial A. O., Braga, p. 20

A FÉ E A NOITE

«SONHEI  que acabava o sonho
E acordei. Fazia escuro;
Não via estrelas nem lua
Estava sozinho no mundo.

Voltei para trás o olhar
Perdi a fé por não ver;
Ganhei-a ao olhar em frente
Pois só se crê no futuro.



Miguel de Unamuno. Creio no futuro. Textos, traduzidos e dispostos ritmicamente por Manuel Simões. Editorial A. O., Braga, p. 16

COMBATE SEM FIM

OLHA, Josué, não te enganes,
Não pares  sol, a luta;
Mas deixa correr as horas
Pois cada hora é a última.

Também se luta de noite,
E dormindo se duvida;
Também morrendo se vive,
Não há resposta sem pergunta.

«Não podeis ir aonde eu vou» (1)
Dizia Jesus à turba.
E disseram os Judeus:
- Irá ele suicidar-se?

Nem Quem Faz se suicida
Nem se apaga o sol; sepulta
O lume debaixo da terra
E alumia-lhe as entranhas.

Josué deixa que a noite
A paz do berço nos traga;
Amanhã é outro dia,
São o mesmo sempre e nunca.


Miguel de Unamuno. Creio no futuro. Textos, traduzidos e dispostos ritmicamente por Manuel Simões. Editorial A. O., Braga, p. 11

«na fronteira do Céu»

«fome de ser mais, fome de Deus, fome de amor eterno»



Miguel de Unamuno. Creio no futuro. Textos, traduzidos e dispostos ritmicamente por Manuel Simões. Editorial A. O. - Braga

almas de fogo

«É o coração que sente a Deus e não a razão» (Pens. 278) disse arriscadamente Pascal, já que o coração tem razões que a razão não conhece » (Pens, 277).»

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

reabrir a ferida

« Se muitos foram os benefícios que recebemos de uma pessoa, é justo suportar os desprazeres que dela nos vêm.

Terêncio. A Sogra. Textos Clássicos - 26. Introdução, versão do latim e notas de Walter de Medeiros. Instituto Nacional de Investigação Científica., p.129

Refugees gathering their belongings to take aboard the British ship, May 1948.

''saborear o gosto amargo do sacrifício''


«Báquis olha angustiada à sua volta: sente-se desesperadamente sozinha naquele passo doloroso que se obrigou a dar.»

Terêncio. A Sogra. Textos Clássicos - 26. Introdução, versão do latim e notas de Walter de Medeiros. Instituto Nacional de Investigação Científica., p.123

Báquis

«Nos olhos passa uma memória de saudade, reprimida: quanto basta para mitigar a dor de uma afirmação.»



Terêncio. A Sogra. Textos Clássicos - 26. Introdução, versão do latim e notas de Walter de Medeiros. Instituto Nacional de Investigação Científica., p.118
«Cuidas que podes encontrar alguma mulher que esteja isenta de erros?...     Também não fazem asneiras, se calhar, os homens?!... »



Terêncio. A Sogra. Textos Clássicos - 26. Introdução, versão do latim e notas de Walter de Medeiros. Instituto Nacional de Investigação Científica., p.107
«Agora só tenho uma preocupação - e é a maior de todas: que a minha velhice, à medida que avança, não seja um tropeço para ninguém...nem se ponham a esperar a minha morte.»



Terêncio. A Sogra. Textos Clássicos - 26. Introdução, versão do latim e notas de Walter de Medeiros. Instituto Nacional de Investigação Científica., p.99

vagido

nome masculino
1. choro de criança recém-nascida
2. figurado gemido, lamento
(Do latim vagītu-, «idem»)

pirrónico

adjectivo
 
1. relativo a Pírron, filósofo grego (365-275 a. C.), ou à sua escola
2. que duvida ou finge duvidar de tudo
3. figurado teimoso; obstinado

(Do grego Pyrron, antropónimo +-ico)
«Mas eu vos digo que todo aquele que olha uma mulher e a deseja já cometeu adultério com ela no seu coração. Por isso, se o teu olho direito for a causa do teu pecado, arranca-o e lança-o fora, porque é melhor para ti a perda de um membro do que deixares todo o teu corpo ser precipitado no inferno.»

(S. Mateus, cap. V. 28  e 29)

terça-feira, 8 de novembro de 2011

« (...) e o eterno trabalho do tempo que faz desaparecer a própria memória e até a memória da
memória, num contínuo vórtice que vai da solidão ao vazio, ao nada;»


no Prefácio

Eugenio Montale. Poesia. Selecção, tradução, prefácio e notas de José Manuel de Vasconcelos. Assírio&Alvim, Lisboa, 2004., p.26

(«Sobre el vulcán la flor»)

Sóstrata

«Sóstrata é uma pobre alma desolada e só. Uma alma que nunca saberá sequer o porquê da sua solidão e do seu sofrimento.»


na introdução



Terêncio. A Sogra. Textos Clássicos - 26. Introdução, versão do latim e notas de Walter de Medeiros. Instituto Nacional de Investigação Científica., p.17
«As pessoas caminham, parece que se encontram, parece que se falam, mas não se ouvem, não se entendem.»


na introdução



Terêncio. A Sogra. Textos Clássicos - 26. Introdução, versão do latim e notas de Walter de Medeiros. Instituto Nacional de Investigação Científica., p.16

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

«(...), não compreenderam nada, já compreenderam tudo.»


José Saramago. A Noite. Editorial Caminho. Colecção ''O Campo da Palavra''. Lisboa, 1979., p. 113
JOSEFINA
(Insinuante)


«(...) O Torres, imagine-se, com a cara que tem, de quarta-feira de Cinzas, a rir-se.»



José Saramago. A Noite. Editorial Caminho. Colecção ''O Campo da Palavra''. Lisboa, 1979., p. 64

VOZ DO LOCUTOR

Grândola, vila morena / Terra da fraternidade /
O povo é quem mais ordena / Dentro de ti, ó cidade

(Ranger forte das botas na terra. A voz de José Afonso começa a cantar.)


VALADARES

(Que primeiro pareceu aturdido, vem à boca de cena,
         desvairado, tapando os ouvidos)

Desliga-me isso!

(É um grito de quem não sabe, seria o grito de quem soubesse.)

(Corte súbito de som. Escuridão.)



FIM DO PRIMEIRO ACTO



José Saramago. A Noite. Editorial Caminho. Colecção ''O Campo da Palavra''. Lisboa, 1979., p. 58
TORRES
(Interrompendo)

  A primeira coisa que vai já registar ma sua memória, e definitavmente, é que já não preciso da sua pena para nada. E é só porque eu hoje me sinto benevolente, que não lhe faço engolir doutra maneira a palavrinha. Ande lá, e não repita. (Pausa.) A segunda coisa é que não me deu nenhuma novidade quando me disse que sou um homem. Devo dizer-lhe, muito em confidência, que tenho reparado. Sou-o desde que nasci, mas, felizmente, creio que não me contentei com os sinais exteriores: dei um jeito para ser um bocadito mais homem quando comecei a pensar.

VALADARES

O assunto é outro, com menos literatura. Não se ponha a divagar.

TORRES

Tem toda a razão, o assunto é outro. Se sou redactor da província, se escolhi ser redactor da província, se Vocês todos ficaram felicíssimos porque eu decidi ser redactor da província, a razão é não querer eu escrever uma linha só que seja que, directamente ou indirectamente, faça o joguinho do regime, pois é para isso que existe este jornal...

VALADARES
(Ironia fácil)

Que lhe paga...

TORRES

Mais uma vez tem razão. Parabéns. Mas acontece que o único dinheiro que recebo é o que no fim do mês vou buscar lá abaixo, à tesouraria. Nem mais um tostão. Nem tenho cheques de embaixada, nem gratificações especiais e secretas de ministérios, nem sobrescritos misteriosos, nem outras ajudas de custo que não sejam as fixadas no regulamento do jornal, etc., etc., etc. E não desejo outra vida.

VALADARES

Você está a fazer insinuações?

TORRES

Vejo que não me compreendeu. Estou a fazer afirmações.

VALADARES

Se é a mim que pretende atingir...

TORRES

Sentiu-se atingido? Se se sentiu atingido, teme a afirmação como tendo que ver consigo. De qualquer maneira, não faltará  por aí quem enfie esta carapuça e outras que eu não disse. (Mudando de tom.) Ouça, Valadares, esta conversa é estúpida, e eu embirro com conversas estúpidas. Nem eu lhe estou a dar novidades, nem Você a mim. Diga aonde quer chegar, e acabemos com o paleio...




José Saramago. A Noite. Editorial Caminho. Colecção ''O Campo da Palavra''. Lisboa, 1979., p. 48/9

John Glubb and his wife feeding pigeons. Israel. April 1948.

« 22 - Persuade-te que tudo é opinião e a opinião de ti depende. Elimina, quando quiseres, a tua opinião e, tal um navio que dobrou o cabo, encontrarás logo bom tempo, todos os elementos acalmados e uma enseada ao abrigo das vagas.»



Marco Aurélio. Pensamentos. Versão Portuguesa de João Maia. Editorial Verbo, Lisboa, 1971., p. 153

« 17 - Se não é conveniente, não o faças; se não é verdade, não o digas: pertençam-te todas as iniciativas!»


Marco Aurélio. Pensamentos. Versão Portuguesa de João Maia. Editorial Verbo, Lisboa, 1971., p. 152

«E a razão é que andamos sempre cheios das apreensões sobre o que os outros pensam de nós; e não do que nós mesmos pensamos.»

Marco Aurélio. Pensamentos. Versão Portuguesa de João Maia. Editorial Verbo, Lisboa, 1971., p. 150
33 - «Procurar um figo na árvore, no Inverno, é loucura: o mesmo é reclamar o filho que a morte levou.»

Epicteto, Conversações, III, 24, 86-87



34 - «Ao abraçares o teu filho, é bom dizer para contigo: talvez amanhã já não existas. - Que presságio sinistro nestas palavras! - Nada de sinistro há aí, a simples indicação dum facto natural. Será um presságio sinistro dizer que as searas são para se ceifarem?»

Epicteto, Conversações, III, 22, 105.



Marco Aurélio. Pensamentos. Versão Portuguesa de João Maia. Editorial Verbo, Lisboa, 1971., p. 147
30 - «Nasceste escravo, não tens direito à palavra».


Fragmento dum poeta trágico



Marco Aurélio. Pensamentos. Versão Portuguesa de João Maia. Editorial Verbo, Lisboa, 1971., p. 146

' (...) começa a ser um homem enquanto tens tempo'

Marco Aurélio. Pensamentos. Versão Portuguesa de João Maia. Editorial Verbo, Lisboa, 1971., p. 143
« (...); mas o homem é ele que se separa do seu próximo quando lhe vota ódio ou aversão, sem ver a triste consequência de se amputar ao mesmo tempo de todo o corpo social.»


« Em suma, não podemos comparar o raminho que continuou a crescer e a respirar na espessura da árvore com o ramo enxertado após ter sido arrancado, por mais que digam os jardineiros. Crescer sobre o mesmo tronco, mas não professar os mesmos princípios.»


Marco Aurélio. Pensamentos. Versão Portuguesa de João Maia. Editorial Verbo, Lisboa, 1971., p. 138/9
« 1 - Características da alma racional: ver-se a si mesma, analisar-se, moldar-se conforme à ideia de que de si concebe. »

Livro XI

Marco Aurélio. Pensamentos. Versão Portuguesa de João Maia. Editorial Verbo, Lisboa, 1971., p. 136