domingo, 29 de abril de 2012


«Eu não reflectia, nada procurava, não tinha qualquer dúvida. Vivia na certeza.»



Nikos Kazantzaki. O Bom Demónio. Tradução de Fernando Soares. Editora Ulisseia, Lisboa,p. 53

    No fim dos meus dias
    Porque te encontrei...



Nikos Kazantzaki. O Bom Demónio. Tradução de Fernando Soares. Editora Ulisseia, Lisboa,p. 50
« Jovem ou decrépita, bela ou feia, isso eram os pormenores sem importância, variantes. Por detrás de cada mulher levanta-se, austera, cheia de mistério, a face de Afrodite.
     Ora, este rosto que Zorba via era a ele que falava e desejava; dona Hortênsia não passava de uma máscara efémera e transparente que Zorba rasgava para beijar a boca eterna.
     - Levanta o teu pescoço de neve, meu tesouro - continuou em tom de súplica anelante -, levanta o teu pescoço de neve, e deita cá para fora a tua canção!»


Nikos Kazantzaki. O Bom Demónio. Tradução de Fernando Soares. Editora Ulisseia, Lisboa,p. 50

«Eu, meu filho, ajo como se nunca devesse morrer». Eu respondo-lhe: «Eu ajo como se devesse morrer a cada instante.»


Nikos Kazantzaki. O Bom Demónio. Tradução de Fernando Soares. Editora Ulisseia, Lisboa,p. 42
«Parei um instante no areal e olhei. A santa solidão estendia-se na minha frente, triste e fascinante como o deserto. O poema búdico elevou-se do solo e insinuou-se até ao fundo do meu ser. « Quando é que, enfim, me hei-de retirar na solidão, só, sem companheiros, sem alegria e sem tristeza, só com a certeza de que tudo não passa de um sonho? Quando é que, com os meus farrapos - e sem desejos - me hei-de retirar cheio de alegria para a montanha? Quando é que, vendo que o meu corpo não passa de doença e crime, velhice e morte - livre, sem medo, cheio de alegria - me hei-de retirar na floresta? Quando? Quando? Quando?»



Nikos Kazantzaki. O Bom Demónio. Tradução de Fernando Soares. Editora Ulisseia, Lisboa,p. 31

« - Que podes tu dizer? - disse, medindo-me com o olhar ... - Se bem percebo, a tua senhoria nunca teve fome, nunca matou, nunca roubou, nunca se deitou com a mulher do próximo. Que podes tu saber, pois, do mundo? Espírito puro, carne que não conhece o sol... - murmurou com evidente desprezo.»



Nikos Kazantzaki. O Bom Demónio. Tradução de Fernando Soares. Editora Ulisseia, Lisboa,p. 28

O homem é um animal feroz quando novo; sim, patrão, um homem feroz que come homens!

«Mas, naquela época, estás a ver que me fervia o sangue, Não me ficava a esmiuçar a questão. Para pensar bem e honestamente é preciso ter calma, idade e falta de dentes. Quando já não se tem dentes é fácil de dizer: «É uma vergonha, rapazes, não mordam mais!» Mas quando temos os trinta e dois dentes...O homem é um animal feroz quando novo; sim, patrão, um homem feroz que come homens!»


Nikos Kazantzaki. O Bom Demónio. Tradução de Fernando Soares. Editora Ulisseia, Lisboa,p. 27
« - Aborrece-te falar, Zorba?
  - Não é que me aborreça, patrão - respondeu -, mas custa-me fazê-lo.
  -Custa-te? Porquê?
  Não respondeu imediatamente. Passeou lentamente, mais uma vez o olhar ao longo da margem. Tinha dormido na ponte e os cabelos grisalhos e ondulados pingavam do orvalho. Todas as rugas profundas do rosto, do queixo e do pescoço eram iluminadas até ao fundo pelo Sol nascente. Por fim os lábios grossos e pendentes, como os de um bode, mexeram.
   - De manhã custa-me a abrir a boca. Custa-me muito, desculpa.»




Nikos Kazantzaki. O Bom Demónio. Tradução de Fernando Soares. Editora Ulisseia, Lisboa,p. 25/6
« - Luas velhas! - murmurava com desprezo. - Não têm vergonha!
   - Que quer isso dizer: luas velhas, Zorba?
   - Mas tudo isso: reis, democracias, deputados! Que mascarada!»



Nikos Kazantzaki. O Bom Demónio. Tradução de Fernando Soares. Editora Ulisseia, Lisboa,p. 22

diatribe


nome feminino
escrito ou discurso violento que critica ou acusa alguém; crítica severa; catilinária; injúria
(Do grego diatribé, «discussão», pelo francês diatribe, «crítica violenta»)

«(...) .Diz-se com razão que o homem só encontra o seu verdadeiro caminho quando põe de lado as quimeras da juventude e assenta firmemente os pés em terreno sólido.»


Nikolai Gógol. Almas Mortas. Círculo de Leitores, 1ª Edição, 1977, p. 156

''diligentes abelhas''

BAGAÇO EM SETEMBRO

As manhãs passam claras e desertas
nas margens do rio que de madrugada se enevoa
e escurece o seu verde enquanto espera o sol.
O tabaco que vendem na última casa
ainda húmida, na orla dos prados, tem uma cor
quase negra e um sabor sumarento: o fumo é azulado.
Também têm bagaço, da cor da água.
 
Chegou o momento em que tudo pára
e amadurece. As árvores ao longe estão quietas:
tornaram-se mais escuras. Escondem frutos
que ao mínimo abanão cairiam. As nuvens esparsas
têm uma polpa madura. Ao longe, nas avenidas,
todas as casas amadurecem à calidez do céu.
 
A esta hora só se vêem mulheres. As mulheres não fumam
e não bebem, sabem simplesmente estar ao sol
e recebê-lo tépido, como se fossem frutos.
O ar, cru por causa da névoa, bebe-se aos golos
como bagaço, todas as coisas exalam um sabor a bagaço.
Até a água do rio bebeu as margens
e macera-as no fundo, sob o céu. As ruas
são como as mulheres, amadurecem paradas.
 
A esta hora todos devíamos parar
na rua e ver como tudo amadurece.
Há até uma brisa que não altera as nuvens,
mas que basta para dirigir o fumo azulado
sem o romper: é um novo sabor que passa.
E o tabaco impregnou-se de bagaço. E assim as mulheres
não serão as únicas a gozar a manhã.
 
 
Cesare Pavese. Trabalhar Cansa. Tradução e introdução de Carlos Leite. Edições Cotovia, Lisboa, 1997., p. 163-165
                                        «O rio corre tranquilo,
mas os pássaros fazem-no espumar.»
 
 
 
 
Cesare Pavese. Trabalhar Cansa. Tradução e introdução de Carlos Leite. Edições Cotovia, Lisboa, 1997., p. 139

Verrà la morte e avrà i tuoi occhi

Verrà la morte e avrà i tuoi occhi -
questa morte che ci accompagna
dal mattino alla sera, insonne,
sorda, come un vecchio rimorso
o un vizio assurdo. I tuoi occhi
saranno una vana parola,
un grido taciuto, un silenzio.
Così li vedi ogni mattina
quando su te sola ti pieghi
nello specchio. O cara speranza,
quel giorno sapremo anche noi
che sei la vita e sei il nulla
Per tutti la morte ha uno sguardo.
Verrà la morte e avrà i tuoi occhi.
Sarà come smettere un vizio,
come vedere nello specchio
riemergere un viso morto,
come ascoltare un labbro chiuso.
Scenderemo nel gorgo muti.
«Nada mais há a fazer do que olhar para aquela brancura maligna
por baixo da negra canícula e esperar que chova.»
 
 
 
Cesare Pavese. Trabalhar Cansa. Tradução e introdução de Carlos Leite. Edições Cotovia, Lisboa, 1997., p. 131

Blurred View of Bare Trees in Field

 
«Podemos encontrarmo-nos, querendo.»
 
 
Cesare Pavese. Trabalhar Cansa. Tradução e introdução de Carlos Leite. Edições Cotovia, Lisboa, 1997., p. 115

''a chuva cicia''

«Jazíamos cansados na humidade
dos dois corpos, adormecidos um sobre o outro.»
 
 
Cesare Pavese. Trabalhar Cansa. Tradução e introdução de Carlos Leite. Edições Cotovia, Lisboa, 1997., p. 113
«Chove sem ruído no prado do mar.»
 
 
Cesare Pavese. Trabalhar Cansa. Tradução e introdução de Carlos Leite. Edições Cotovia, Lisboa, 1997., p. 97

quarta-feira, 25 de abril de 2012


NOCTURNO

A colina é nocturna, no céu claro.
Nela se enquadra a tua cabeça, que mal se move
e acompanha o céu. És como uma nuvem
entrevista pelos ramos. Ri-se-te nos olhos
a estranheza dum céu que não é o teu.
 
A colina de terra e folhas encerra
com a sua negra massa o teu olhar vivo,
a tua boca tem a prega duma doce cavidade
no meio das encostas distantes. Pareces brincar
à grande colina e à claridade do céu:
para me dares prazer, repetes a paisagem antiga
e torna-la mais pura.
 
                                    Mas vives noutro lugar.
O teu terno sangue fez-se noutro lugar.
As palavras que dizes não têm comparação
com a tristeza áspera deste céu.
És apenas uma nuvem dulcíssima, branca,
que uma noite ficou presa nos ramos antigos.
 
 
 
 
Cesare Pavese. Trabalhar Cansa. Tradução e introdução de Carlos Leite. Edições Cotovia, Lisboa, 1997., p. 81

''Cada árvore tem o seu próprio suor frio no escuro''

Cesare Pavese. Trabalhar Cansa. Tradução e introdução de Carlos Leite. Edições Cotovia, Lisboa, 1997., p. 63
«Como uma espécie de remorso, há a lembrança de um quarto nu, longe, num país estrangeiro. Lá onde esteve quase a morrer de fome. De solidão. Uma vez acordou de madrugada a gritar. Imaginou, num lampejo terrível, que acabava de enlouquecer. Durante o sono, a solidão passada e presente acumulara-se nele e gerara loucura.»



Herberto Helder. Os Passos Em Volta. Assírio & Alvim, Lisboa, 2006., p. 193

"Voyage au bout de la nuit"

Assim se perde uma vida

«O homem comprou o seu bilhete e ei-lo a percorrer países como se trouxesse dentro de si, acesa, uma lâmpada - e para ela todo se inclinasse enquanto as cidades, os povos, as línguas, são atravessados, abandonados - eximidos às atenções e tentações da ternura. Assim se perde uma vida, ou serviu ela apenas para este ganho obscuro: a pureza adquirida na desordem, e depois a fusão dos dias múltiplos numa única noite originária. Redil. Volta ao redil, e diz: - tresmalhado - com tal sentimento de extravio redimido que o júbilo mortificado pulsa nele como pura vitalidade, celebração comovida - a grande salvação.»



Herberto Helder. Os Passos Em Volta. Assírio & Alvim, Lisboa, 2006., p. 191
«Porque somos como as árvores, presos a um lugar, respirando através de uma lei calma e perene.»


Herberto Helder. Os Passos Em Volta. Assírio & Alvim, Lisboa, 2006., p. 190
«Que angustiosa, esta voracidade, esta fusão analfabeta com a instável matéria do mundo!»

..........


«Existo, existe o universo.»


Herberto Helder. Os Passos Em Volta. Assírio & Alvim, Lisboa, 2006., p. 182
«Tive infância, só isso. Ou seja: falta de jeito, indecisão, uma grande ignorância. Olhava para as coisas: eram fundas, enigmáticas, desorientadoras. Tudo estava cheio, porque o meu coração ávido tudo recebia: era um espaço palpitamente vazio.»



Herberto Helder. Os Passos Em Volta. Assírio & Alvim, Lisboa, 2006., p. 181/2
«Obscuros somos sempre, mesmo sem pedi-lo.»




Herberto Helder. Os Passos Em Volta. Assírio & Alvim, Lisboa, 2006., p. 170

obscuridade

abstruso


adjetivo
1. desordenado
2. impenetrável; obscuro
(Do latim abstrūsu-, «idem», particípio passado de abstrudĕre, «ocultar»)

''sensibilidade desordenada''

Mas este homem perturba-me.

«Poderia amá-lo, erguê-lo da sua dolorosa confusão, colocá-lo numa dignidade de que, é evidente, perdeu o sentido. Agita-se de um lado para o outro com as grandes mãos bantendo contra as pernas, magro e cheio de uma fome terrível.»


Herberto Helder. Os Passos Em Volta. Assírio & Alvim, Lisboa, 2006., p. 162
"Llevo una profunda tristeza en el corazón que de vez en cuando debe estallar en sonido."


domingo, 22 de abril de 2012

tartufo


nome masculino
indivíduo hipócrita; velhaco; devoto fingido
(Do italiano Tartufo, antropónimo, personagem da comédia italiana, aproveitada por Molière, pelo francês Tartufe, «idem»)
A nossa vida é a viagem
Pelo Inverno e na Noite.
E procuramos passagem
No Céu onde nada luz.

Canção dos Sentinelas Suíças, 1793





Louis-Ferdinand Céline.Viagem ao fim da noite. Trad., apresentação e notas de Aníbal Fernandes. Ulisseia, 2010.
«Hoje, nada sei de quem me amou ou me ama.»



Herberto Helder. Os Passos Em Volta. Assírio & Alvim, Lisboa, 2006., p. 151

Aleksander Zelekson, Nizhny Novgorod, Russia, 6 May 2007

A vida solitária forneceu copioso alimento à sua avareza

«A vida solitária forneceu copioso alimento à sua avareza. Esta paixão, como se sabe, possui um apetite de lobo: quanto mais devora menos se sacia. Os sentimentos humanos, que nele nunca tinham sido muito profundos, foram-se desvanecendo a pouco e pouco. Essa ruína ambulante degradava-se de dia para dia.»




Nikolai Gógol. Almas Mortas. Círculo de Leitores, 1ª Edição, 1977, p. 126

''reino de morte''

«No maciço de verde folhagem, inundado de sol, abriam-se às vezes abismos de sombra.»

Nikolai Gógol. Almas Mortas. Círculo de Leitores, 1ª Edição, 1977, p. 120

O tempo move-se, some-se.

«O tempo move-se, some-se. À janela do quarto, o homem vê esse movimento do tempo a sumir-se. Olha para os arrozais verdes do verão que passam de uns dias para os outros, mudando, amadurecendo; as laranjas que se tornam amarelas quando a terra arrefece devagar, por dentro; os sobreiros de repente em carne viva.»



Herberto Helder. Os Passos Em Volta. Assírio & Alvim, Lisboa, 2006., p. 101

as crianças cresceram todas

«Mas uma delas começou a beber, e depois o coração estoirou, e ficou apenas para os outros como uma memória incómoda. Parece que sim, que tinha demasiada imaginação, e levaram-na ao médico e ele disse: aguente-se, e ela não se aguentou. Era uma criança. Não, não, nessa altura já tinha crescido, bebia pelo menos um litro de brandy por dia. Nada mau, para uma antiga criança. A verdade é que era uma criança, e não se aguentou quando o médico disse: aguente-se. E as ruas  são tão tristes. Precisam de mais luz. Mas nesta, por exemplo, já puseram mais luz, e mesmo assim é triste. É até mais triste que as outras. Estou tão triste. Vamos para férias, para o pequeno paraíso. Contaram-me que ele tinha uma alegria tão grande que não podia agarrar num copo: quebrava-o com a força dos dedos, com a grande força da sua alegria.»




Herberto Helder. Os Passos Em Volta. Assírio & Alvim, Lisboa, 2006., p. 56/7

Lugar Lugares

    « Era uma vez um lugar com um pequeno inferno e um pequeno paraíso, e as pessoas andavam de um lado para o outro, e encontravamo-nos, a eles, ao inferno e ao paraíso, e tomavam-nos como seus, e eles eram seus de verdade. As pessoas eram pequenas, mas faziam muito ruído. E diziam: este é o meu inferno, é o meu paraíso. E não devemos malquerer às mitologias assim, porque são das pessoas, e neste assunto de pessoas, amá-las é que é bom. E então a gente ama as mitologias delas. À parte isso o lugar era execrável. As pessoas chiavam como ratos, e pegavam nas coisas e largavam-nas, e pegavam umas nas outras e largavam-se. Diziam: boa tarde, boa noite. E agarravam-se,  e iam para a cama umas com as outras, e acordavam. Às vezes acordavam no meio da noite e agarravam-se freneticamente. Tenho medo - diziam. E depois amavam-se depressa e lavavam-se, e diziam: boa noite, boa noite. Isto era uma parte da vida delas, e era uma das regiões (comovedoras da sua humanidade, e o que é humano é terrível e possui uma espécie de palpitante e ambígua beleza.»



Herberto Helder. Os Passos Em Volta. Assírio & Alvim, Lisboa, 2006., p. 53/4
«Talvez isso seja a inocência. Talvez só no mar nos seja concedido morrer verdadeiramente, morrer como nenhum homem pode.»


Herberto Helder. Os Passos Em Volta. Assírio & Alvim, Lisboa, 2006., p. 48/9

Annemarie

     «Annemarie sentou-se à minha mesa. Vi logo o tamanho da sua solidão: tinha o tamanho do mundo. Ela era a criatura mais só do mundo. E a sua história apareceu - simples, tenebrosa - entre as nossas duas cervejas. Todas as histórias pessoais são simples e tenebrosas. Não me comovi. Comovido já eu estava: com as coisas, comigo, com a chuva sobre a cidade. Talvez houvesse uma irónica alegoria em nós os dois ali sentados diante dos belos copos frios, compreendendo ambos tão facilmente o que nos acontecia e iria acontecer que não tínhamos pressa. Poderíamos morrer ali mesmo. Esperávamos.»



Herberto Helder. Os Passos Em Volta. Assírio & Alvim, Lisboa, 2006., p. 29

''Calma solidão sem dor.''

«O sangue é negro desde a raiz. Porque ninguém sabe onde a corrupção completa a inocência.»


Herberto Helder. Os Passos Em Volta. Assírio & Alvim, Lisboa, 2006., p. 17
«Uma vez fui ao médico.
- Doutor, estou louco - disse. - Devo estar louco.
- Tem loucos na família? - perguntou o médico. - Alcoólicos, sifilíticos?
- Sim, senhor. O pior. Loucos, alcoólicos, sifilíticos, místicos, prostitutas, homossexuais. Estarei louco?
O médico tinha sentido de humor, e receitou-me barbitúricos.
- Não preciso de remédios - disse eu. - Sei histórias tenebrosas da vida. De que me servem os barbitúricos?»


Herberto Helder. Os Passos Em Volta. Assírio & Alvim, Lisboa, 2006., p. 10
« - Se eu quisesse, enlouquecia. Sei uma quantidade de histórias terríveis. Vi muita coisa, contaram-me casos extraordinários, eu próprio...»


Herberto Helder. Os Passos Em Volta. Assírio & Alvim, Lisboa, 2006

Nós, que tanto nos amávamos, nunca tínhamos trocado uma palavra afectuosa

«Nós, que tanto nos amávamos, nunca tínhamos trocado uma palavra afectuosa. Brincávamos e arranhávamo-nos como feras. Ele, fino, irónico, polido. Eu, o bárbaro. Ele, dominando-se, esgotando com à-vontade todas as manifestações da sua alma num sorriso. Eu, brusco, irrompendo num riso deslocado e selvagem.»




Nikos Kazantzaki. O Bom Demónio. Tradução de Fernando Soares. Editora Ulisseia, Lisboa,p.10
« Como é amargo separarmo-nos lentamente daqueles que amamos!»

Nikos Kazantzaki. O Bom Demónio. Tradução de Fernando Soares. Editora Ulisseia, Lisboa,

Bocskay Tér, Budapest, 1914

 
«                (é presico tempo
para que o sol e a chuva sepultem os mortos)»
 
 
 
 
Cesare Pavese. Trabalhar Cansa. Tradução e introdução de Carlos Leite. Edições Cotovia, Lisboa, 1997., p. 59

ventre maduro

engaço

nome masculino
1. instrumento agrícola, dentado, para juntar feno, estrume, mato, etc., ancinho
2. parte que fica do cacho de uvas, depois de esbagoado
(De origem obscura)

bardo

nome masculino
1. tapume formado por silvas ou ramos de outras plantas; barda
2. fila de videiras ligadas a estacas e arames que formam um suporte vertical
3. curral onde pernoita o gado miúdo; redil
(De barda)

desfolhada

lusco-fusco

nome masculino
o anoitecer; crepúsculo vespertino

O DEUS-CABRÃO

O campo é um país de verdes mistérios
para o rapazinho que vem passar o Verão. A cabra, se come
dumas flores, incha-lhe a barriga e não pára de correr.
Quando o homem gozou com uma rapariga
-têm pelos em baixo - o bebé incha-lhe  a barriga.
Enquanto guardam as cabras, armam-se em fortes e troçam uns dos outros,
mas, ao cair da noite, cada um começa a olhar por cima do ombro.
Os rapazes sabem ver se a cobra passou ali
pelo rastro sinuoso que deixa na terra.
Mas se a cobra passou no meio da erva
ninguém a vê. São as cabras que se plantam
na erva por cima da cobra e que gozam deixando-se chupar.
As raparigas também gozam quando se deixam tocar.
 
Quando a lua aparece, as cabras nunca mais param quietas,
é preciso arrebanhá-las e tocá-las para casa,
senão empina-se o cabrão. Dá um salto no meio do prado,
esventra as cabras todas e desaparece. Com os calores, as raparigas
metem-se pelos bosques dentro, sozinhas, de noite,
e o cabrão, se balem deitadas na erva, vem a correr ter com elas.
Mas a lua que desponte: empina-se e esventra-as.
E as cadelas que ladram à lua
é porque sentiram o cabrão aos saltos
no alto dos montes e farejaram o cheiro do sangue.
E os animais agitam-se dentro das cortes.
Somente os mantins mais fortes roem a corda com os dentes
e um deles solta-se e corre atrás do cabrão
que o salpica e embebeda com um sangue mais vermelho que o fogo,
e depois dançam todos, de pé nas patas traseiras e a ulular à lua.
 
Quando de manhã o canzarrão regressa pelado e a rosnar,
os aldeãos chegam-no à cadela à força de pontapés no traseiro.
E à rapariga que vagueia ao lusco-fusco e aos rapazes que regressam
já noite cerrada com uma cabra perdida dão-lhe cachaços.
Emprenham as mulheres os camponeses e derreiam-se sem con-
                                                                                               templações.
Andam sempre fora, dum lado para o outro, de dia e de noite,
                                                                                    e não têm medo
de ir cavar mesmo à luz da lua ou de acender uma fogueira
de gravetos no escuro. Por isso a terra verde
é tão bela e, sachada, tem as cores,
ao romper do dia, dos rostos dourados pelo sol. Vai-se para a vin-
                                                                                                    dima
 
e come-se e canta-se; na desfolhada
dança-se e bebe-se. Ouvem-se raparigas a rir-se
pois alguém falou no cabrão. Lá em cima, nos bosques,
entre as cristas pedregosas, os aldeãos viram-no:
procurava a cabra e dava marradas nos troncos das árvores.
Porque, quando um animal não sabe trabalhar
e só serve para a cobrição, tem prazer em destruir.
 
 
 
 
Cesare Pavese. Trabalhar Cansa. Tradução e introdução de Carlos Leite. Edições Cotovia, Lisboa, 1997., p. 43-45
«(...) quando o sol
nascia já o dia era velho para eles.»
 
 
 
Cesare Pavese. Trabalhar Cansa. Tradução e introdução de Carlos Leite. Edições Cotovia, Lisboa, 1997., p. 31

Solitude, New York, 1960

''Um perfume de terra e vento envolve-nos na escuridão,''
 
 
Cesare Pavese. Trabalhar Cansa. Tradução e introdução de Carlos Leite. Edições Cotovia, Lisboa, 1997., p. 29

''Os desesperados morrem assim.''

Cesare Pavese. Trabalhar Cansa. Tradução e introdução de Carlos Leite. Edições Cotovia, Lisboa, 1997., p. 29

ensimesmado

adjetivo
1. concentrado em si mesmo
2. recolhido
3. absorto nos próprios pensamentos; pensativo; meditabundo

(Particípio passado de ensimesmar-se)

domingo, 15 de abril de 2012

«Vossas lágrimas são lágrimas dos olhos, nada mais, e as minhas virão, quando eu estiver só, das plantas dos meus pés, de minhas raízes, e serão mais ardentes do que o sangue.»



Frederico Garcia Lorca. Bodas de Sangue. Teatro Moderno. Tradução de Cecília Meireles. AGIR Editora, Rio de Janeiro, 1960., p. 150/1

Elizabeth and I in Café, Montparnasse 1931

LEONARDO

Que vidros cravam minha língua
                                              (presa!)
Porque eu te quis esquecer,
e pus um muro de pedra
entre a tua casa e a minha.
É verdade. - Não te lembras?
E quando te vi de longe,
enchi meus olhos de areia.
Mas, se montava a cavalo,
em tua porta me achava -
Tornou-se-me o sangue negro,
com alfinetes de prata.
E o sonho me foi cobrindo
as carnes da erva daninha.
Pois a culpa não é minha.
A culpa, a culpa é a terra
e do cheiro que desprendem
teus peitos e tuas tranças.




Frederico Garcia Lorca. Bodas de Sangue. Teatro Moderno. Tradução de Cecília Meireles. AGIR Editora, Rio de Janeiro, 1960., p. 137
MÃE

Enquanto se vive, luta-se.

Noivo

Sempre te obedecerei.

MÃE

  Com a tua mulher procura ser carinhoso e, se te parecer preocupada ou arisca, faz-lhe uma carícia que a magoe um pouco: um abraço forte, uma mordida - e logo um beijo suave.Que ela não se aborreça, mas sinta que tu és o macho, o amo, o que manda. Assim aprendi com o teu pai. E como não o tens, sou eu que tenho de te ensinar essas valentias.»




Frederico Garcia Lorca. Bodas de Sangue. Teatro Moderno. Tradução de Cecília Meireles. AGIR Editora, Rio de Janeiro, 1960., p. 112

« Pois sou louca por não ter gritado tanto quanto o meu coração precisa.»


Frederico Garcia Lorca. Bodas de Sangue. Teatro Moderno. Tradução de Cecília Meireles. AGIR Editora, Rio de Janeiro, 1960., p. 92

''Tons sombrios e prateados.''

MULHER

«Porque me olhas assim? Tens um espinho em cada olho.»



Frederico Garcia Lorca. Bodas de Sangue. Teatro Moderno. Tradução de Cecília Meireles. AGIR Editora, Rio de Janeiro, 1960., p. 87
LEONARDO

«Calar e consumir-se, é o maior castigo a que nos podemos condenar. De que me serviu a mim o orgulho, e o não te olhar, e o deixar-te acordada noites e noites? De nada! Serviu para abrasar-me. Porque tu acreditas que o tempo cura e as paredes tapam, e não é verdade, não é verdade! Quando as coisas chegam ao fundo, não há quem as arranque!»




Frederico Garcia Lorca. Bodas de Sangue. Teatro Moderno. Tradução de Cecília Meireles. AGIR Editora, Rio de Janeiro, 1960., p. 73/4

''loureiro em flor''

«Que os rios do mundo
Levem a tua coroa!»



Frederico Garcia Lorca. Bodas de Sangue. Teatro Moderno. Tradução de Cecília Meireles. AGIR Editora, Rio de Janeiro, 1960., p. 66
(...)

CRIADA

«Será que não te queres casar? Fala. Ainda estás em tempo de te arrepender. (Levanta-se)

Noiva

São nuvens. Um mal-estar por dentro.
Quem não o tem?»





Frederico Garcia Lorca. Bodas de Sangue. Teatro Moderno. Tradução de Cecília Meireles. AGIR Editora, Rio de Janeiro, 1960., p. 64/5

anágua

nome feminino
saia branca que algumas mulheres usam sobre a combinação

(Do taino naguas, «idem», pelo castelhano enagua, «idem»)
SOGRA

Dorme, meu rosal,
que o cavalo se põe a chorar.
As patas, feridas,
as crinas, geladas,
e dentro dos olhos
um punhal de prata.
Entravam no rio,
ai, ai, como entravam!
O sangue corria
mais forte do que a água.



Frederico Garcia Lorca. Bodas de Sangue. Teatro Moderno. Tradução de Cecília Meireles. AGIR Editora, Rio de Janeiro, 1960., p. 28
«Meus mortos, cheios de erva, sem fala, reduzidos a pó.»



Frederico Garcia Lorca. Bodas de Sangue. Teatro Moderno. Tradução de Cecília Meireles. AGIR Editora, Rio de Janeiro, 1960

sexta-feira, 13 de abril de 2012

''Virá a Morte e Terá os Teus Olhos''

A obra conseguida

«A obra conseguida só pode ser ««puro ritmo», uma vez que o artista não é aquele que «conhece a natureza humana», mas sim o que «possui blocos de realidade, experiências significativas que lhe ritmam e cadenciam e subtendem o discurso».


Tradução e introdução de Carlos Leite


Cesare Pavese. Trabalhar Cansa. Tradução e introdução de Carlos Leite. Edições Cotovia, Lisboa, 1997., p. 17

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Trabalhar Cansa


«Trabalhar Cansa tem como leitmotiv a solidão, em que se repetem obsessivamente os temas da evasão e da fuga, a vida é um cárcere, repetição inútil, destino inelutável.»

Tradução e introdução de Carlos Leite


Cesare Pavese. Trabalhar Cansa. Tradução e introdução de Carlos Leite. Edições Cotovia, Lisboa, 1997., p. 15

The Remains of the Day

''desmascarar as hipocrisias''

apedrejado

prorromper


verbo intransitivo
1. sair com ímpeto
2. manifestar-se repentinamente
(Do latim prorumpĕre, «idem»)
«E os seus olhos voltavam-se com amargura para as edificações de Herodes, o Grande!»
 
 
 
Eça de Queiroz. Prosas Bárbaras. Com uma introdução por Jaime Batalha Reis. Lello & Irmão Editores, Porto, p. 254

escárnio

sexta-feira, 6 de abril de 2012


«Quem poderá deter
O instante que não pára de morrer?»





Sophia de Mello Breyner Andresen. Mar Novo. Colecção Poesia e Verdade. Guimarães Editores, Lisboa, 1958., p. 71
«A matilha de cães que nos persegue
Ignora o rumo dos oásis verdes.»



Sophia de Mello Breyner Andresen. Mar Novo. Colecção Poesia e Verdade. Guimarães Editores, Lisboa, 1958., p. 70

Marilyn Monroe at the microphone singing "Happy Birthday, Mr. President," at President John F. Kennedy's birthday bash, May 19, 1962.


colares de espuma

«E eu fecho os olhos para não te ver.»



Sophia de Mello Breyner Andresen. Mar Novo. Colecção Poesia e Verdade. Guimarães Editores, Lisboa, 1958., p. 32

«Por maior que seja o desespero
Nenhuma ausência é mais funda que a tua.»


Sophia de Mello Breyner Andresen. Mar Novo. Colecção Poesia e Verdade. Guimarães Editores, Lisboa, 1958., p. 30
«E pela sua mão levou-me o dia.»



Sophia de Mello Breyner Andresen. Mar Novo. Colecção Poesia e Verdade. Guimarães Editores, Lisboa, 1958., p. 21
É o teu rosto ainda que eu procuro
Através do terror e da distância
Para a reconstrução de um mundo puro.


Sophia de Mello Breyner Andresen. Mar Novo. Colecção Poesia e Verdade. Guimarães Editores, Lisboa, 1958

''lenha húmida''

As canas


CANTO DÉCIMO TERCEIRO

De criança sempre gostei de canas
 e roubava-as do rio
 ainda verdes.
 Deixava-as depois estendidas ao sol durante todo o verão
 e recolhia-as, ligeiras,
 como o sussurro dos mosquitos.

Quando no inverno
 os ossos estalavam de frio
 e os gatos tossiam sobre o damasqueiro
 corria até ao sótão
 e metia as mãos no meio das canas quentes
 ainda com todo aquele sol em cima.



[in O Mel, de Tonino Guerra, trad. de Mário Rui de Oliveira, Assírio & Alvim, 2004]

terça-feira, 3 de abril de 2012

"Um Eléctrico Chamado Desejo"

''tudo me dava um tédio obscuro e atormentado''

Eça de Queiroz. Prosas Bárbaras. Com uma introdução por Jaime Batalha Reis. Lello & Irmão Editores, Porto, p. 250/1
«(...) invejava a erva que cresce junto às pedras dos mortos.»
 
 
Eça de Queiroz. Prosas Bárbaras. Com uma introdução por Jaime Batalha Reis. Lello & Irmão Editores, Porto, p. 250

''obscuro e inconsolado''

«Eu ia triste: o amanhecer, a aparição espiritual da aurora, enche de melancolia, depois das noites tomadas de vinho, fartas de carne.»
 
 
Eça de Queiroz. Prosas Bárbaras. Com uma introdução por Jaime Batalha Reis. Lello & Irmão Editores, Porto, p. 249
«Vede-a. Estava em acto de adultério.»
 
 
Eça de Queiroz. Prosas Bárbaras. Com uma introdução por Jaime Batalha Reis. Lello & Irmão Editores, Porto, p. 249

«Do tecto caíam folhas de rosas húmidas.»

Eça de Queiroz. Prosas Bárbaras. Com uma introdução por Jaime Batalha Reis. Lello & Irmão Editores, Porto, p. 243
«Eu escutava, encostado a uma árvore, na escuridão, concentrado e triste (...)»
 
 
Eça de Queiroz. Prosas Bárbaras. Com uma introdução por Jaime Batalha Reis. Lello & Irmão Editores, Porto, p. 242

segunda-feira, 2 de abril de 2012

domingo, 1 de abril de 2012

Maria de Magdala

« Maria de Magdala, aí e em Tiberíade, tinha tido uma vida apaixonada e impura: uma exaltação inexplicável era a essência daquele ser; tinha espasmos, contracções, entusiasmos perturbados: julgava acalmar a impetuosidade da sua natureza febril pelo amor dos homens;»
 
 
Eça de Queiroz. Prosas Bárbaras. Com uma introdução por Jaime Batalha Reis. Lello & Irmão Editores, Porto, p. 226

«(...) as mulheres iam presas da luz imortal dos seus olhos.»

Eça de Queiroz. Prosas Bárbaras. Com uma introdução por Jaime Batalha Reis. Lello & Irmão Editores, Porto, p. 224/5

''sede puros''

«Ah! lâminas douradas do Templo, túmulos negros, dos Herodes, com relevos de folhagens, como eu vos dera por um dos pequenos regatos azulados, que dormem e sonham, na espessura amada das searas de Corazin! Porque não conheço melhor alegria, do que andar pelas estradas da Galileia: vêem-se os casais escurecidos pela sombra das figueiras, das vinhas, os pomares das nogueiras, de romãzeiras estreladas de vermelho (...)»
 
 
 
 
Eça de Queiroz. Prosas Bárbaras. Com uma introdução por Jaime Batalha Reis. Lello & Irmão Editores, Porto, p. 223
Salvador Dali, em entrevista ao L’Express, um ano depois da criação de “Daligramme” para a Lancel
Em que é que Gala é tão excepcional?
Fez-me ganhar todo o dinheiro que tenho.

E que mais?
Foi a primeira com quem fiz amor. Não é que eu goste muito de fazer amor, mas tinha 29 anos e achava-me impotente. Gala revelou-me a mim mesmo. Nunca fiz amor com mais ninguém.” (L’Express, 06.04.1971)
''Há aqueles que se rebelam contra a luz; não conhecem
os seus caminhos, nem frequentam as suas veredas. Na escu-
ridão, assaltam as casas que, de dia, haviam determinado
assaltar; eles não conhecem a luz. Porque a manhã é, para
eles, como a sombra da morte: se alguém os reconhece, soço-
bram aos terrores da sombra da morte.''


JOB, 24: 13,16,17
''O calor do candeeiro roía o gelo que se entranhara nos seus dedos e formigava ao longo dos seus braços.''
 
Truman Capote. Contos Completos. Tradução do inglês por José Vieira de Lima. Sextabre Editora, 1ª edição, 2008., p. 127

«, (...) onde o crepúsculo fechara já as suas pálidas cortinas.''

Truman Capote. Contos Completos. Tradução do inglês por José Vieira de Lima. Sextabre Editora, 1ª edição, 2008., p. 112
''Pelas janelas abertas, entrava o canto rendilhado dos insectos, para além das diversas cadências nocturnas, presenças que sempre haviam acompanhado Preacher ao longo da sua vida - tão familiares todas elas...Oh, a sua cabana parecia-lhe agora tão bela; tudo aquilo que, com o tempo, acabara por desprezar, parecia-lhe agora tão maravilhoso...! Os seus olhos, afinal, estavam tão enganados!''


Truman Capote. Contos Completos. Tradução do inglês por José Vieira de Lima. Sextabre Editora, 1ª edição, 2008., p. 109