terça-feira, 31 de julho de 2012

domingo, 29 de julho de 2012

Balthus, o cavaleiro polaco


SWITZERLAND. Rossinière. French painter BALTHUS at home. 1999

 
Entre 1930 e 1932 serviu o exército francês em Marrocos, onde cuidava de um cavalo chamado Arbia. Pouco tempo depois de regressar a Paris alguém lhe disse: «desde que te foste embora, o cavalo recusa-se a comer», e por fim «deixou-se morrer à fome...»


O próprio Balthus (diz-se) tentou o suicídio, em 1934, quando pintou "La Leçon de Guitare". Consta que foi salvo pelo louco Artaud



Pouco antes de morrer no fatídico acidente de automóvel em 1960, Albert Camus fez uma curiosa dedicatória a Balthazar Michel Klossowski de Rola, que vivia já com algum fausto no castelo de Chassy, perto de Montreuillon: «a ti que fazes Primaveras, entrego-te o meu Inverno».




Balthus orgulhava-se da nobreza de conduta dos seus  antepassados («não te esqueças que és um cavaleiro polaco» — dizia-lhe o pai) e mantinha-se estoicamente fiel a um estranho estilo figurativo que em Montparnasse fora condenado ao desprezo (Picasso era, para ele, o carrasco da pintura moderna). Celebrava o seu aniversário apenas de quatro em quatro anos (nasceu a 29 de Fevereiro de 1908 e só em 2004 festejaria pela vigésima quarta vez), e pintava gatos — muito gatos, cúmplices autodidactas —, anjos — «jeunes filles en fleur», eternas adolescentes — e espelhos — os anjos iluminados ou, na simbologia esotérica, virgens que recebem a luz de Deus: nem crianças impúberes que arrastam para a cadeia, nem mulheres fatais que levam à perdição (Balthus passou por grande sofrimento quando soube que a sua mãe, a pintora Baladine, era amante do admirável Rainer Maria Rilke).


Teve muitos amigos famosos: Paul Valéry, Man Ray, Miró, Camus, Éluard, Giacometti, Dalí, os quatro Andrés: Gide, Breton, Derain e Malraux... Alguns deles admiravam-no e tinham-no como uma espécie de «peregrino de Deus.» Só o dramático Artaud, nos períodos de maior demência, fazia dele um demónio: considerava-o seu «duplo», enviava-lhe «cartas terríveis» e acusava-o de ser «o causador de todas as suas desgraças.»





Vexilla Regis Prodeunt Inferni




Beware-with the dark I ride as one. When my legacy I reclaim.
As a fallen god, with the lunar legions by my side
On dragon wings I fly. Behold-the etheral shades of night

Pletoric formations of dark dancing past the aeons of the eleusinian vast
Within a dream, my honour to last, to sprout throughout my blood
to strengthen my heart.
The heaven torns apart as twillight shreds and thunder.
With a vampire breath I whirl the frost, to storm within my kingdom to come
Dead winter enthrones.

Vexilla regis produent inferni
As a phantom of night I ride, by thy side

The Archangels revocation of the dead
The apocalyptic revelation
The arrival of plague and death.
The Armageddon revolution-to come

Astral sparks of fire, descending to ablaze
The landscapes drained by sulphur rain
from the canopy licked by flames
Shadows walks the earth, to ravish life and glee
To walk the fields of reverie, sowing dark in dreams to be

Beware-with the dark I ride as one. When my legacy I reclaim.
As a fallen god, with the lunar legions by my side
On dragon wings I fly. Behold-the etheral shades of night

Clamant-the silence-as blood to my ears
The battlescreams echoes has vanished, faded into the past

The black sun is falling into the abyss
with the lakes of dark blood to merge
The sky is aflame, when I ride through the night
as a phantom through fire I fly
Armageddon...The final redemption of wrath

Dies Irae...
Canto Trigésimo terceiro
 
História do conde Ugolino. O recinto de Ptolomeu
                     (Ptolomea)
 
 «Levantou a cabeça do seu horrível alimento este pecador limpando-a aos cabelos da cabeça que estava a roer e começou: «Queres que eu reavive a desesperada dor que me aperta o coração só de pensar antes mesmo de falar. Mas se as minhas palavras pudessem produzir o fruto da infâmia do traidor que eu mastigo, ver-me-ás ao mesmo tempo falar e chorar.» (...)
 
 
 
Dante. A Divina Comédia (Tomo I). Tradução Rui Viana Pereira. Ediclube., p. 113

«se não secar esta língua com que te falo.» ...

Dante. A Divina Comédia (Tomo I). Tradução Rui Viana Pereira. Ediclube., p. 112
« Vê por onde passas: e tenta não calcar com os pés a cabeça dos teus míseros e cansados irmãos.»
 
 
Dante. A Divina Comédia (Tomo I). Tradução Rui Viana Pereira. Ediclube., p. 110
 
«A mesma língua que primeiro me repreendeu e me fez corar as faces depois me aplicou o remédio. Assim, ´foi-me dito que acontecia ser a lança de Aquiles e de seu pai, primeiro, de tristezas e, depois, de boa recompensa.»
 
(...)
 
«Mal eu tinha voltado a cabeça quando me pareceu avistar umas muito altas torres; e perguntei:«Mestre, diz-me que terra é esta.» E ele: «Como olhas através da escuridão para demasiado longe, acontece que a imaginação te confunde. Verás melhor, se lá chegares, como os sentidos te enganam com a lonjura; mas convém estugar o passo.»
 
 
 
 
Dante. A Divina Comédia (Tomo I). Tradução Rui Viana Pereira. Ediclube., p. 106/7

riba

« E o hidrópico: «Tu nisto falas verdade mas não foste testemunha tão verdadeira quando a verdade te foi pedida em Tróia.»
 
(...)
 
«Assim se abre tanto a tua boca para falar mal como de costume: porque se eu tenho sede e os humores me dilatam, tu ardes e dói-te a cabeça e para lamber o espelho de Narciso não precisas de dizer muitas palavras.»
 
 
 
Dante. A Divina Comédia (Tomo I). Tradução Rui Viana Pereira. Ediclube., p. 105

malfadados

sábado, 28 de julho de 2012

Rilke with Clara Westhoff (1906)

QUADRA SEM PARDAIS
BOA NOVA OU ESPERANÇA

                                        provérbio irlandês


O meu mundo foi derrubado, e o vento espalha
As cinzas de Alexandre e de todos os que mataram por nós.
Tróia foi-se. E a mágoa rebelde do Ulster,
Também ela, como Tróia, como os Ingleses, também ela passará.



Thomas McCarthy. O jardim da dor e outros poemas. Tradução colectiva (Mateus, Setembro de 1991) revista, completada e apresentada por Laureano Silveira. Quetzal Editores, 1993., p.51

déjà-vu

« a tua mais profunda morte »

Thomas McCarthy. O jardim da dor e outros poemas. Tradução colectiva (Mateus, Setembro de 1991) revista, completada e apresentada por Laureano Silveira. Quetzal Editores, 1993., p.28

sábado, 21 de julho de 2012

A documentary film investigating sex trafficking by Mimi Chakarova

The Price of Sex is a feature-length documentary about young Eastern European women who’ve been drawn into a netherworld of sex trafficking and abuse. Intimate, harrowing and revealing, it is a story told by the young women who were supposed to be silenced by shame, fear and violence. Photojournalist Mimi Chakarova, who grew up in Bulgaria, takes us on a personal investigative journey, exposing the shadowy world of sex trafficking from Eastern Europe to the Middle East and Western Europe. Filming undercover and gaining extraordinary access, Chakarova illuminates how even though some women escape to tell their stories, sex trafficking thrives

Rilke with Baladine Klossowska (Muzot 1923)

«As ondas são generosas, ritmadas, maternais,
como molde feito especialmente para seios nus.»


Thomas McCarthy. O jardim da dor e outros poemas. Tradução colectiva (Mateus, Setembro de 1991) revista, completada e apresentada por Laureano Silveira. Quetzal Editores, 1993., p.25

«Como uma armadilha, a melancolia apoderou-se do seu belo coração.»

Thomas McCarthy. O jardim da dor e outros poemas. Tradução colectiva (Mateus, Setembro de 1991) revista, completada e apresentada por Laureano Silveira. Quetzal Editores, 1993., p.22

«Como se a água pudesse explicar o meu pranto,»

Thomas McCarthy. O jardim da dor e outros poemas. Tradução colectiva (Mateus, Setembro de 1991) revista, completada e apresentada por Laureano Silveira. Quetzal Editores, 1993., p.17

II


PEQUENAS AVES, VOZES


Estes são os sons bem entrelaçados da morte,
Aquelas pequenas aves castanhas a cantar, pequenas aves
De inverno pousadas num ramo pendente.
Nunca em vida lhe conhecera esse olhar fixo
Tão ferido de silêncio por um breve instante.

Estas aves lembram as vozes dessa vida:
Uma nota grave e fria é a voz atormentada
da pobreza da infância e as notas breves
E suaves são os sons de Amor e Casamento.

''É o princípio dos problemas da tua vida'',
Disse um vizinho junto à campa. Arranjei
A coroa de flores já murchas no seu sono fingido.
Alguma coisa me disse, a sua voz talvez, mesmo naquele instante
Quanto de Amor, de Dor, de Amor há numa vida.



Thomas McCarthy. O jardim da dor e outros poemas. Tradução colectiva (Mateus, Setembro de 1991) revista, completada e apresentada por Laureano Silveira. Quetzal Editores, 1993., p.15

sexta-feira, 20 de julho de 2012

At Cháteau de Muzot. Rilke with the young violin virtuoso, Alma Moodie and the conductor Werner Reinhardt. Rilke in a letter to Nanny Wunderly-Volkart: [about Moodie]"What a sound, what richness, what determination. That and the Sonnets to Orpheus, those were two strings of the same voice. And she plays mostly Bach! Muzot has received its musical christening...."

Mens sana in corpore sano

quarta-feira, 18 de julho de 2012

agiota

nome de 2 géneros
1. pessoa que empresta dinheiro com juros excessivos; usurário

2. especulador de fundos

penitência

Bdelicleon - (...)  Ajuda-o a modificar a sua natureza severa e amarga, comove o seu coração e remove o seu azedume. Mistura à sua cólera uma pequena gota de mel para o adoçar. Oh, possa ele perder o seu rancor e olhar para os homens com simpatia, de modo que as suas lágrimas caiam pelo acusado e não pelo acusador!»


Aristófanes. As Vespas. Edição da Ediclube., p. 166

''Onde está a minha alma? Tem de estar aqui algures. «Trevas, dêem-me passagem.»''



Aristófanes. As Vespas. Edição da Ediclube., p. 161
«Corações de carvalho somos nós todos, e lutaremos até cair»


Aristófanes. As Vespas. Edição da Ediclube., p. 146
de fio a pavio do princípio ao fim;
gastar pavio perder tempo

«(...) espargir incenso num sacrifício à Lua.»

Aristófanes. As Vespas. Edição da Ediclube., p. 136

arenga

nome feminino
1. alocução pública
2. discurso longo e fastidioso; palavrório
3. altercação, discussão

(Do gótico hring, «círculo», pelo latim medieval harenga-, «discurso»)
« Creonte - Tu que és escravo de uma mulher, não me venhas com palavriado.
   Hemão - Queres então falar e não ter que ouvir ninguém?»


Sófocles. Antígona. Edição da Ediclube., p. 112

Não mantenhas como única opinião a tua, nem julgues que só o que tu dizes é razoável.


«Não mantenhas como única opinião a tua, nem julgues que só o que tu dizes é razoável. Os que acreditam ser únicos a usar da sensatez, a pensar e a falar melhor do que ninguém, revelam, uma vez postos a nu, um grande vazio. Não é vergonha para um homem, ainda que seja sábio, aprender com os erros e não se mostrar demasiado obstinado. Nas margens dos rios engrossados pelas torrentes invernais, vemos que as árvores que cedem à corrente conservam os seus ramos, enquanto que as que oferecem resistência são arrancadas pelas raízes.»




Sófocles. Antígona. Edição da Ediclube., p. 110

«Não há pior mal que a anarquia.»


«Não há pior mal que a anarquia. Ela faz perder os Estados, destrói as casas, rompe as filas e põe em fuga as lanças aliadas. A disciplina, pelo contrário, salva a vida dos que a seguem. Assim, deve-se respeitar as ordens, e de modo algum deixar-nos vencer por mulher. Melhor seria, se preciso fosse, cair pela mão de um homem do que sermos considerados mais fracos que as mulheres.


Sófocles. Antígona. Edição da Ediclube., p. 109

«Não amo aqueles que só amam em palavras.»

Sófocles. Antígona. Edição da Ediclube., p. 106
«Creonte - O inimigo jamais será um amigo, mesmo quando morto.»


Sófocles. Antígona. Edição da Ediclube., p. 105
«Corifeu - Ela mostra a natureza inflexível de um pai inflexível. Não aprendeu a ceder perante a desgraça.

Creonte - Sim, mas fica sabendo que o coração que não sabe ceder é, entre todos, o mais frágil, e o mais duro ferro, temperado e endurecido pelo fogo, é o que mais frequentemente se quebra e se faz em bocados.»



Sófocles. Antígona. Edição da Ediclube., p. 103

Antígona

«(...). E se morrer antes do tempo, tanto melhor para mim, porque quem, como eu, vive no meio de desgraças sem conta, como não hei-de considerar a morte um bem desejado? Por isso o destino que me reservas não me causa dor alguma.»



Sófocles. Antígona. Edição da Ediclube., p. 103
«No interior das chamas estão os espíritos, cada um envolvido no próprio fogo que o queima.»
 
Dante. A Divina Comédia (Tomo I). Tradução Rui Viana Pereira. Ediclube., p. 91

domingo, 15 de julho de 2012


«Mas não tinham as suas visões algo de comparável às falaciosas alucinações que provocam o haxixe, o ópio ou o vinho, e que embrutecem o espírito deformando a alma?»


Fëdor Mixajlovič Dostoevskij. O Idiota. Tradução de Jorge Sampaio. Círculo de Leitores, Lisboa, 1978., p. 226

sábado, 14 de julho de 2012

Father photographer – Henry Frank, [edited by] Robert Frank and Franðcois-Marie Banier.


«É que a memória das crianças é como um relâmpago de Verão: incendeia-se de repente, ilumina tudo por instantes e apaga-se. Era o que acontecia com a sua memória; como um relâmpago, brilhava de vez em quando.»



Mikhaíl Chólokhov. O Destino de um Homem. Contos soviéticos. Tradução de Sampaio Marinho. Edições Progresso, 1980, p. 400.
«Vivi assim dez anos, sem me dar conta de como passaram. Foram-se como um sonho. Que são dez anos? Pergunta a qualquer homem de idade se reparou em como foi a sua vida e dir-te-á que não se apercebeu de nada. O passado é como essa estepe longínqua, envolta em nevoeiro.»





Mikhaíl Chólokhov. O Destino de um Homem. Contos soviéticos. Tradução de Sampaio Marinho. Edições Progresso, 1980, p. 360

Desde menina que sabia o que era sofrer e, aliás, isso reflectia-se no seu carácter.

« Desde menina sabia o que era sofrer e, aliás, isso reflectia-se no seu carácter. Olhando-a de fora, sob determinado aspecto, digamos que não era muito vistosa, mas eu não a olhava sob um determinado aspecto, mas de frente. E não havia para mim no mundo mulher mais bonita e desejada que ela, nem haverá!
    Vinha um homem do trabalho, cansado, e às vezes com um humor de mil diabos. Mas ela nunca respondia com rudeza às minhas rudes palavras. Carinhosa, serena, não sabia que fazer comigo e só pensava, mesmo quando eu levava pouco dinheiro para casa, em preparar-me um prato saboroso. Um homem olhava para ela e abrandava-se-lhe o coração, e, pouco depois, abraçava-a e dizia-lhe: ''Perdoa, querida Irina, fui muito grosseiro contigo. Mas, compreendes, hoje as coisas não me correram bem no trabalho. E de novo reinava entre nós a paz e a tranquilidade voltava à minha alma.»






Mikhaíl Chólokhov. O Destino de um Homem. Contos soviéticos. Tradução de Sampaio Marinho. Edições Progresso, 1980, p. 358

« Da água vinha um hálito de humidade, juntamente com o azedo sopro dos amieiros putrefactos, e das longínquas estepes de Prikhopérskie, mergulhadas no fumo liláceo da névoa, a suave brisa trazia o aroma, eternamente jovem, da terra recém-libertada da neve.»



Mikhaíl Chólokhov. O Destino de um Homem. Contos soviéticos. Tradução de Sampaio Marinho. Edições Progresso, 1980, p. 353

« - Sabe, parece-me que lhe quero muito.
 O capitão voltou-se de costas. As orelhas tornaram-se-lhe pálidas.
  -Bem, deixe-se de disparates.
  - Não é que o ame, mas, simplesmente, aprecio-o - disse Mikháilova com orgulho.
   O capitão ergueu os olhos e, fitando-a de soslaio, disse com timidez:
   -Pois a mim falta-me a miúdo a coragem para dizer o que penso, e isso é muito mau.»


Vadim Kojévnikov. Março e Abril.Contos soviéticos. Tradução de Sampaio Marinho. Edições Progresso, 1980, p. 347
«E, como é costume dizer-se, os gritos da barriga afogam em si a voz da razão.»



Vadim Kojévnikov. Março e Abril.Contos soviéticos. Tradução de Sampaio Marinho. Edições Progresso, 1980, p. 320
«Como se fosse um filho meu, receava deixá-lo só, indefeso contra a acção das inesperadas forças hostis do nosso mundo formoso e pérfido.»


Andréi Platónov. No Mundo Formoso e Pérfido.Contos soviéticos. Tradução de Sampaio Marinho. Edições Progresso, 1980, p. 305
«(...); via-se que eu o fatigava como um homem estúpido.
 - Você sabe tudo, menos o essencial - proferiu lentamente, pensativo. - Pode retirar-se.»



Andréi Platónov. No Mundo Formoso e Pérfido.Contos soviéticos. Tradução de Sampaio Marinho. Edições Progresso, 1980, p. 253

O que eu te digo talvez te pareça velho.

« Oceano (...) - O que eu te digo talvez te pareça velho. E todavia, Prometeu, é evidente que o teu castigo provém das tuas palavras arrogantes. Contudo, não és nada humilde nem te rendes ao sofrimento, e aos teus males presentes queres acrescentar outros.»


Ésquilo.Prometeu Agrilhoado. Edição da Ediclube., p. 19
«Prometeu - Se me é doloroso falar, calar-me não o é menos; sofro quer o faça quer não.»


Ésquilo.Prometeu Agrilhoado. Edição da Ediclube., p. 16

sexta-feira, 13 de julho de 2012

E eu, ao Mestre:

«As tuas palavras têm para mim tal certeza e merecem tanta fé, que outras para mim seriam como cinzas apagadas.»
 
 
Dante. A Divina Comédia (Tomo I). Tradução Rui Viana Pereira. Ediclube., p. 73

''virgem bravia''

«Todas as tuas perguntas me dão prazer»

Dante. A Divina Comédia (Tomo I). Tradução Rui Viana Pereira. Ediclube., p. 55
«Assim como fui em vida, assim sou na morte.»
 
 
Dante. A Divina Comédia (Tomo I). Tradução Rui Viana Pereira. Ediclube., p. 54

não meter prego nem estopa

 não tomar parte num acto ou numa discussão, não emitir opinião, não ter nada a ver com o assunto

quinta-feira, 12 de julho de 2012

«quem traiu eternamente é consumido»

Dante. A Divina Comédia (Tomo I). Tradução Rui Viana Pereira. Ediclube., p. 45

a minha cabeça é povoada de tontarias

e, pensando bem o meu desejo é simples: viver num monte, ter gatos, livros, fotografar, andar a cavalo, viver o ócio das horas que passam e não regressam, despir-me da minha utilidade, aumentar o meu dicionário de analfabeta, viajar, sentir excessivamente as sensações, ser a carne e a alma que se dão em ascese, ser contrariada pela vida, perder o orgulho que habita este cárcere, deixar fluir a doçura que existe por detrás de cada palavra amarga, libertar este corpo das suas próprias prisões e cavidades seladas, exprimir aquilo que sou sem recear os julgamentos, não ter cegamente resposta para tudo, ser domada pela simplicidade que é saber pouco, isolar-me das ninharias e tiranias desta espelunca - que alguns, diga-se, conhecem por democracia -, esperar com o trabalho quotidiano pelas bem-querenças do futuro, açoitar a minha própria desconfiança de tudo e todos, dar alento aos meus fantasmas, receber a tempestade de peito aberto, e lentamente descer ao abismo das noites frias e caminhar pelas águas: o solitário chegar ao cume da montanha.



É isto.

quarta-feira, 4 de julho de 2012

'' uma côdea de pão escuro''

«Às vezes uma onda desliza pela areia e desaparece entre murmúrios.»


Vera Inber. Maia Contos soviéticos. Tradução de Sampaio Marinho. Edições Progresso, 1980, p. 253

emaciado


adjectivo
que mostra emaciação; emagrecido ao extremo
(Do latim emaciatus, «fazer magro»)

« - Não fales assim, Antón, que se passa?»

« - Sim, tenho que to dizer! Na verdade, tornei-me insuportável com os meus caprichos, as minhas tolices... Mas se soubesses como é duro para mim, como desejo viver, como estou cansado de pensar na morte, de dizer a mim mesmo que em breve, muito em breve, deixarei de existir, que não ficará nada de mim, que não tive tempo para fazer nada, absolutamente nada que valha a pena...»




Iúri Guérman. Passeios pelo Pátio. Contos soviéticos. Tradução de Sampaio Marinho. Edições Progresso, 1980, p. 236

''Um homem tem sempre medo de uma mulher que o ame muito.'

«Muitas pessoas têm medo do olhar penetrante dos outros. Têm medo de perscrutar as coisas a fundo. Gostam de passar por cima de tudo, de olhos fechados e pensamento vazio.»


Nikolai Gógol. Almas Mortas. Círculo de Leitores, 1ª Edição, 1977, p. 262

tuta-e-meia

«As paixões humanas não têm conta, são tantas como as areias do mar, e todas, as mais vis como as mais nobres, começam por ser escravas do homem para depois o tiranizarem. Bem-aventurado aquele que, entre todas as paixões, escolhe a mais nobre: a sua felicidade aumenta de hora a hora, de minuto a minuto, e cada vez penetra mais no ilimitado paraíso da sua alma. Mas existem paixões cuja escolha não depende do homem: nascem com ele e não há força bastante para as repelir. Uma vontade superior as dirige, têm em si um poder de sedução que dura toda a vida. Desempenham neste mundo um importante papel: quer tragam consigo as trevas, quer as envolva uma auréola luminosa, são destinadas, umas e outras, a contribuir misteriosamente para o bem do homem.»




Nikolai Gógol. Almas Mortas. Círculo de Leitores, 1ª Edição, 1977, p. 258/9
«Porque havemos de ser tão severos com os outros? Hoje em dia já não se vêem por aí miseráveis, há só pessoas bem intencionadas e simpáticas. E se alguns se expõem à vergonha de serem esbofeteados em público, são só uns dois ou três, o máximo, e mesmo esses agora falam de virtude.»




Nikolai Gógol. Almas Mortas. Círculo de Leitores, 1ª Edição, 1977, p. 258

''Não cuspas no poço; pode servir para beber água''

Provérbio russo

« - Um dia sentirás por ela profunda aversão, precisamente por causa do amor que hoje te inspira e dos sofrimentos que padeces.»



Fëdor Mixajlovič Dostoevskij. O Idiota. Tradução de Jorge Sampaio. Círculo de Leitores, Lisboa, 1978., p. 213

jeremíades

''senti o coração apertar-se-me como entre tenazes''

Fëdor Mixajlovič Dostoevskij. O Idiota. Tradução de Jorge Sampaio. Círculo de Leitores, Lisboa, 1978., p. 198