quinta-feira, 30 de maio de 2013

domingo, 26 de maio de 2013


O sobrevivente de um campo de concentração disse:

«Os homens normais não sabem que tudo é possível.»


Gonçalo M.Tavares. Jerusalém. Editorial Caminho, 7ª edição, 2005., p. 139

«Não precisavam um do outro, pareciam pois preparados, se necessário, para o ódio.»



Gonçalo M.Tavares. Jerusalém. Editorial Caminho, 7ª edição, 2005., p. 108

curado de

«Estar curado não era apenas deixar de ter determinados comportamentos, era ainda esquecer o trajecto que de novo os poderia recuperar.»




Gonçalo M.Tavares. Jerusalém. Editorial Caminho, 7ª edição, 2005., p. 104

«Wisliz traz uma ligadura na cabeça.
  Fui operado à cabeça, diz Wisliz.
  Tiraram-me a inteligência.
  Dizem que sou estúpido, que não percebo.
  Eu fico cansado, não me consigo concentrar.
  Preciso de dormir muito, diz Wisliz.»


Gonçalo M.Tavares. Jerusalém. Editorial Caminho, 7ª edição, 2005., p. 85/6

quinta-feira, 16 de maio de 2013


«A Noiva»

   «A Noiva», chamavam-lhe, uma argentina com um físico que não era mau de todo embora tivesse, quanto à moral, uma única ideia: casar com o pai. E então dava sumiço às flores dos canteiros, uma a uma, para serem espetadas no grande véu branco que usava dia e noite, onde quer que estivesse. Um caso de que a família, religiosamente fanática, tinha uma horrível vergonha. Escondiam do mundo a filha mais a sua ideia. »
 
 
 
Louis-Ferdinand Céline. Viagem ao Fim da Noite. Tradução, apresentação e notas Aníbal Fernandes, Edição Babel, 2010, Lisboa p. 392

«Enfeitiçava-me de estupidez.»

«Eu nunca mais voltaria a dormir profundamente. Tinha como que perdido o hábito daquela confiança, da que é bastante necessário nós termos, e em grande quantidade, para adormecer profundamente entre os homens. »
 
 
 
Louis-Ferdinand Céline. Viagem ao Fim da Noite. Tradução, apresentação e notas Aníbal Fernandes, Edição Babel, 2010, Lisboa p. 390

Parapine

«(...) Parapine é um rapaz que tenho na conta de inteligente, bem entendido...Mas apesar de tudo um rapaz com uma inteligência inteiramente arbitrária! Não acha, Ferdinand? - entièremeng, como ele dizia. - Antes de mais, é um rapaz que não quer adaptar-se...É coisa que se nota logo...Nem sempre está à vontade na profissão...Não está sequer à vontade neste mundo! ...Confesse!...E neste ponto ele não tem razão! Nenhuma razão!...E então sofre!...A prova é esta. Olhe para mim, veja como eu me adapto, Ferdinand!... - batia no esterno. - Que a terra comece amanhã a girar ao contrário, por exemplo. Muito bem, e eu? Adapto-me, Ferdinand! E logo de seguida! Sabe como, Ferdinand? Dormindo mais umas dozes horas, e acabou-se! E pronto! Para a frente! Não é mais esperteza que isto! E a coisa fica arrumada! Estou adaptado! Enquanto o seu amigo Parapine, esse, sabe o que ele faz numa aventura semelhante? Põe-se a ruminar projectos e azedumes durante mais cem anos!...Tenho a certeza!»
 
 
 
 
Louis-Ferdinand Céline. Viagem ao Fim da Noite. Tradução, apresentação e notas Aníbal Fernandes, Edição Babel, 2010, Lisboa p. 381
«Em suma, a grande fadiga da existência talvez não passe do enorme esforço que fazemos para continuar vinte, quarenta anos ou mais razoáveis, para não sermos simplesmente, profundamente nós próprios, isto é, imundos, atrozes, absurdos. Pesadelo de termos sempre que apresentar como ideal universal, e super-homem de manhã à noite, o infra-homem claudicante que nos deram.»
 
 
 
Louis-Ferdinand Céline. Viagem ao Fim da Noite. Tradução, apresentação e notas Aníbal Fernandes, Edição Babel, 2010, Lisboa p. 380
«Por vezes, os loucos vinham às janelas do refeitório que davam para a rua berrar e alvoraçar a vizinhança, mas principalmente dentro deles próprios é que o horror continuava. Ocupavam-se pessoalmente desse horror e preservavam-no contra os nossos cometimentos terapêuticos. Apaixonava-os, essa resistência.»
 
 
 
Louis-Ferdinand Céline. Viagem ao Fim da Noite. Tradução, apresentação e notas Aníbal Fernandes, Edição Babel, 2010, Lisboa p. 379

O manicómio de Vigny-sur-Seine

 
          O manicómio de Vigny-sur-Seine nunca desenchia lá muito. Nos jornais intitulavam-no «Casa de Saúde» por causa de um grande jardim que o rodeava e onde os nossos loucos passeavam quando fazia bom tempo. Passeavam, os loucos, com um estranho ar de quem achava difícil equilibrar a cabeça sobre os ombros, como se tivessem constantemente medo de tropeçar e espalhar o seu conteúdo no chão. Lá dentro tinham fechada toda a espécie de coisas saltitantes e patuscas a que estavam horrivelmente agarrados.
          Só nos falavam dos seus tesouros mentais, os alienados, com uma porção de contorções horrorizadas ou ares condescendentes e protectores, como se fossem muito poderosos e meticulosos administradores. Nem um império faria aquela gente abdicar das suas cabeças. Um louco não passa de vulgares ideias de homem, embora bem fechadas numa cabeça. O mundo não lhe atravessa a cabeça, e isso basta. Uma cabeça fechada transforma-se numa espécie de lago sem rio, numa infecção.
          Baryton abastecia-se de massas e legumes em Paris, a grosso. Por isso os comerciantes de Vigny-sur-Seine não gostavam lá muito de nós. Nem sequer nos podiam ver, pode mesmo dizer-se. Mas esta animosidade não nos tirava o apetite. À mesa, quando o meu estágio começou, Baryton extraía regularmente conclusões e filosofia das nossas desconchavadas conversas. Mas como tinha passado a vida entre alienados, a ganhar o pão com o seu tráfico, a partilhar a sua sopa, a neutralizar-lhes como podia a insânia, nada lhe parecia mais entendiante do que às vezes ter de falar das manias deles durante as refeições. «Não devem estar presentes na conversa de pessoas normais!», afirmava defensivo e peremptório. Pela parte que lhe tocava, agarrava-se a esta higiene mental.
       Gostava de conversa, ele, e de uma forma quase inquieta, gostava dela divertida, sobretudo tranquilizadora e bastante sensata. No que respeitava a tolinhos não queria insistências.»
 
 
 
 
Louis-Ferdinand Céline. Viagem ao Fim da Noite. Tradução, apresentação e notas Aníbal Fernandes, Edição Babel, 2010, Lisboa p. 378

quarta-feira, 15 de maio de 2013


cabra montês


»(...): sabia que perceber os hábitos de pensamento do louco é normalizá-lo, é prever o seu comportamento, é, enfim, controlá-lo enquanto indivíduo.»


Gonçalo M.Tavares. Jerusalém. Editorial Caminho, 7ª edição, 2005., p. 59
 
 
«Dois tipos de educação recebera Mylia: a educação para ver e a educação para ouvir. Por ela, ou talvez pela sua doença,havia aprendido a tocar. Não se toca assim nas pessoas - escutava uma e outra vez. E assustava-se. Não se toca assim nas pessoas? Ela não o repetiria.»



Gonçalo M.Tavares. Jerusalém. Editorial Caminho, 7ª edição, 2005., p. 44


«A nossa filha não tem saúde - esta foi a primeira frase que ouviu sobre Mylia, aquela que viria a ser a sua única mulher.»



Gonçalo M.Tavares. Jerusalém. Editorial Caminho, 7ª edição, 2005., p. 31

domingo, 12 de maio de 2013

Todas as terras enraízaram seus grandes
medos debaixo dos meus pés
e eles pendem poços-de-corda pesados e velhíssimos
enchendo sempre a transbordar a noite
a palavra mortífera -

Assim não posso eu viver
só na queda -



Nelly Sachs. Poesias. Tradução de Paulo Quintela. Editora Opera Mundi, Rio de Janeiro, 1975,. p. 228

II

Visões de crepúsculo
Coisas perdidas dos mortos
também nós deixamos
o mais solitário de nós aos recém-nascidos -


Um volta-se
e olha pra o deserto -
a alucinação abre
a parede do ermo solar
onde um par de avós
fala a língua do pó descoberto
longe como voz de búzio sob o selo -

Trememos de frio
e lutamos com o passo próximo
pra o futuro -



Nelly Sachs. Poesias. Tradução de Paulo Quintela. Editora Opera Mundi, Rio de Janeiro, 1975,. p. 225

Sempre de novo dilúvio novo
com as letras arrancadas a tormentos
os peixes falando presos ao anzol
para no esqueleto do sal
fazerem legível a ferida -

Sempre de novo aprender a morrer
pela vida velha
Fuga pela porta de ar
pra buscar pecado novo de planetas dormentes
Exercício extremo no velho elemento do respirar
assustado com a nova morte
Pra onde vai a lágrima
Se a Terra desapareceu?




Nelly Sachs. Poesias. Tradução de Paulo Quintela. Editora Opera Mundi, Rio de Janeiro, 1975,. p. 223

Chant Sacrè


''Vide que dá seu vinho à chama''

''Deserdaddos nós choramos o pó -''

«Não fazer nada
visível murchar
As minhas mãos pertencem a um bater de asas roubado
Com elas vou cosendo um buraco
mas elas suspiram junto a este abismo aberto - »



Nelly Sachs. Poesias. Tradução de Paulo Quintela. Editora Opera Mundi, Rio de Janeiro, 1975,. p. 197
«No Norte azul da rosa-dos-ventos
vigilante à noite
já um botão de Morte sobre as pálpebras

caminhando para a fonte -»




Nelly Sachs. Poesias. Tradução de Paulo Quintela. Editora Opera Mundi, Rio de Janeiro, 1975,. p. 192


Ela dança -
mas com um grande peso -
Porque dança ela com um grande peso?
Ela quer ser inconsolável -

Gemendo vai puxando o seu amado
pelos cabelos da fundura do Oceano
Hábito de inquietação sopra
sobre as traves salvadoras dos seus braços
Um peixe sofredor estrebucha sem fala
com o seu amor -

Mas de repente
pela nuca
o sono dobra-a para diante -

Libertos
são Vida -
são Morte -



Nelly Sachs. Poesias. Tradução de Paulo Quintela. Editora Opera Mundi, Rio de Janeiro, 1975,. p. 184

''as idades da noite''


«Fundo-escuro é a cor da nostalgia sempre
assim a noite toma
de novo de mim posse.»



Nelly Sachs. Poesias. Tradução de Paulo Quintela. Editora Opera Mundi, Rio de Janeiro, 1975,. p. 164

''unicórnio-dor''

Morte
Cântico do mar
banhando-me o corpo em volta
uva salgada
a atrair sede na minha boca -

Feres as cordas das minhas veias
até que elas cantando rebentam
desabrochando das chagas
pra tocar a música do meu amor -

Os teus horizontes em leque desdobrados
com a coroa dentada do morrer
já posta em volta do teu pescoço
o ritual de partida
com o som regougado da respiração
começado
abandonaste como um sedutor
antes do casamento a vítima enfeitiçada
despida quase já até à areia
expulsa
de dois reinos
já só suspiros
entre noite e noite -


Nelly Sachs. Poesias. Tradução de Paulo Quintela. Editora Opera Mundi, Rio de Janeiro, 1975,. p. 160

quarta-feira, 1 de maio de 2013




«Um estranho tem sempre
a pátria nos braços
como uma órfã
para a qual talvez nada mais
busque do que uma sepultura.» 




Nelly Sachs. Poesias. Tradução de Paulo Quintela. Editora Opera Mundi, Rio de Janeiro, 1975,. p. 155

Caçador
a minha constelação
aponta
a ponto secreto do sangue: desassossego...
e o passo voa sem asilo -

Mas o vento não é uma casa
lambe apenas como os bichos
as feridas do corpo -

Como se há de puxar o tempo
dos fios de ouro do Sol?
Enrolá-lo
pra o casulo da borboleta-da-seda
Noite?

Ó escuridão
estende a tua mensagem
só por um bater de pestanas:

Repouso na fuga.




Nelly Sachs. Poesias. Tradução de Paulo Quintela. Editora Opera Mundi, Rio de Janeiro, 1975,. p. 147
Isto é o hálito escuro
de Sodoma
e a carga
de Nínive
pousada
junto à ferida aberta
da nossa porta.

Isto é a Escrita sagrada
em fuga pela terra
trepando ao céu
com todas as letras,
escondendo a emplumada
ventura num favo de mel.

Isto é o negro Laocoonte
lançando à nossa pálpebra
perfurando milénios
a retorcida árvore da dor
rebentando na nossa pupila.

Isto são dedos inteiriçados em sal
gotejando lágrimas na oração.

Isto é a Sua causa marinha
recolhida
para a cápsula marulhante dos mistérios.

Isto é o nosso refluxo
Constelação da dor
da nossa areia a desfazer-se





Nelly Sachs. Poesias. Tradução de Paulo Quintela. Editora Opera Mundi, Rio de Janeiro, 1975,. p. 145/6

''flores infecundas''


«Numa curva do rio ouvimos um acordeão.»

Louis-Ferdinand Céline. Viagem ao Fim da Noite. Tradução, apresentação e notas Aníbal Fernandes, Edição Babel, 2010, Lisboa p. 364

''cortina de choupos''

Chegou mesmo a fazer-me uma espécie de cena...

«Que era séria...Que era uma vergonha da minha parte...Que eu tinha uma pavorosa opinião a seu respeito...Que isso não, porque só era comigo e mais ninguém!...Que eu a desprezava...Que os homens eram todos uns sujos...»
   Enfim, o que elas, as mulheres, dizem todas em casos destes. Era de esperar. Poeira nos olhos. Para mim, o mais importante é que tivesse escutado bem os meus conselhos e retido o essencial. O resto não tinha importância nenhuma.»
 
 
Louis-Ferdinand Céline. Viagem ao Fim da Noite. Tradução, apresentação e notas Aníbal Fernandes, Edição Babel, 2010, Lisboa p. 362

desmancha-prazeres

«(...) Uma vez por outra, Madelon e eu arranjávamos os nossos momentos antes do jantar, no seu quarto. Mas não eram fáceis de combinar, as entrevistas. Não falávamos delas. Éramos o que havia de mais discreto.
     Com isto não deve imaginar-se que não amava o seu Robinson. Não tinha nada a ver uma coisa com a outra. O caso é que ele brincava aos noivados enquanto ela, naturalmente, ia brincando às fidelidades. Era este o sentimento que entre eles existia. Nestes casos, tudo vai de se entenderem. Ele estava à espera de casar para lhe tocar, e a mim  o para-já. Falara-me aliás de um projecto que também tinha, estabelecer-se com um restaurante mais ela, e largar a velha Henrouille. Tudo muito a sério, claro. «É graciosa, há-de agradar à clientela», previa nos seus melhores momentos. «E de resto provaste-lhe a cozinha, hem? Não teme seja quem for quanto à paparoca!»
 
 
 
Louis-Ferdinand Céline. Viagem ao Fim da Noite. Tradução, apresentação e notas Aníbal Fernandes, Edição Babel, 2010, Lisboa p. 360

ensosso

femeeiro

 

«(...)Nascera durante a guerra, tempo de morte fácil. Sabia bem, eu, como se morre. Tinha aprendido. Faz sofrer enormemente. »
 
 
Louis-Ferdinand Céline. Viagem ao Fim da Noite. Tradução, apresentação e notas Aníbal Fernandes, Edição Babel, 2010, Lisboa p. 355
«A vida é muitíssimo curta. Não desejaríamos ser injustos para ninguém. Sentimos escrúpulos, hesitamos em julgar tudo isto de repente, e sobretudo tememos que seja preciso morrer enquanto hesitamos, porque então teríamos vindo ao mundo para absolutamente nada. O pior dos piores.»
 
 
Louis-Ferdinand Céline. Viagem ao Fim da Noite. Tradução, apresentação e notas Aníbal Fernandes, Edição Babel, 2010, Lisboa p. 349
«Se vivêssemos muito tempo, deixaríamos de poder respirar. Os verdadeiros abortos, os que estão nos museus, conseguem pôr as pessoas doentes e prestes a vomitar só de os verem. As nossas tentativas para sermos felizes, bem nossas mas muito ascorosas, são capazes de nos deixar doentes por serem assim tão falhadas, e isto muito antes de morrermos de vez.»
 
 
 
 
Louis-Ferdinand Céline. Viagem ao Fim da Noite. Tradução, apresentação e notas Aníbal Fernandes, Edição Babel, 2010, Lisboa p. 348

sem tugir nem mugir



Gerard Philippe and Maria Casares in ''Les Epiphanies''
by Henri Pichette, directed by Georges Vitaly, Paris 1974

ganha-pão

***

 
«Os jovens, que pressa têm de fazer amor, como são rápidos a deitar a mão a tudo aquilo que lhes fazemos crer que os diverte, quando se trata de sensações nem olham para trás. Fazem lembrar aqueles viajantes que devoram tudo quanto lhes oferecem no bufete da estação, entre dois apitos. Desde que se forneçam aos jovens as duas ou três canções que servem para puxar as conversas da foda, isso basta e é vê-los todos contentes. São de alegria fácil, os jovens, é bem verdade que gozam quanto querem!»
 
 
Louis-Ferdinand Céline. Viagem ao Fim da Noite. Tradução, apresentação e notas Aníbal Fernandes, Edição Babel, 2010, Lisboa p. 345

Tomamos tudo por desgostos de amor, quando somos jovens

«Tomamos tudo por desgostos de amor, quando somos jovens e ainda não sabemos...
 
                      Where I go...where I look...
                       It's only for you... u....
                       Only for you...  u...»
 
 
Louis-Ferdinand Céline. Viagem ao Fim da Noite. Tradução, apresentação e notas Aníbal Fernandes, Edição Babel, 2010, Lisboa p. 333

matagais

Olarila!