terça-feira, 30 de julho de 2013


Mesmo este coração que é o meu ficar-me-á para sempre incompreensível.

«Porque, se tento alcançar este «eu» de que me apodero, se tento defini-lo e resumi-lo, ele não é mais do que a água a escorrer-me por entre os dedos. Posso desenhar um a um todos os rostos que ele sabe tomar, e também todos aqueles que lhes foram dados, a educação, a origem, o ardor ou os silêncios, a grandeza ou a baixeza. Mas não se podem adicionar rostos. Mesmo este coração que é o meu ficar-me-á para sempre incompreensível. O fosso entre a certeza que tenho da minha existência e o conteúdo que tento dar a essa certeza, nunca estará cheio. Serei para sempre estranho a mim mesmo.»



Albert Camus. O Mito de Sísifo. Ensaio sobre o absurdo. Tradução de Urbano Tavares Rodrigues. Livros do Brasil, Lisboa., p. 29
   «Acontece que os cenários desabam. Os gestos de levantar-se, o carro-eléctrico, quatro horas de escritório ou de fábrica, refeição, carro-eléctrico, quatro horas de trabalho, refeição, sono e segunda-feira, terça, quarta, quinta, sexta e sábado no mesmo ritmo, esta estrada segue-se com facilidade a maior parte do tempo. Só um dia o «porquê» se levanta e tudo recomeça nessa lassidão tingida de espanto. «Começa», isto é importante. A lassidão está no fim dos actos de uma vida maquinal, mas inaugura, ao mesmo tempo, o movimento da consciência.»



Albert Camus. O Mito de Sísifo. Ensaio sobre o absurdo. Tradução de Urbano Tavares Rodrigues. Livros do Brasil, Lisboa., p. 24

«Ganhamos o hábito de viver, antes de adquirirmos o pensar.»

Albert Camus. O Mito de Sísifo. Ensaio sobre o absurdo. Tradução de Urbano Tavares Rodrigues. Livros do Brasil, Lisboa., p. 20

segunda-feira, 29 de julho de 2013

O suicídio

«O suicídio nunca foi tratado senão como fenómeno social. Aqui, pelo contrário, para começar, importa a relação entre o pensamento individual e o suicídio. Um gesto como este prepara-se, tal como acontece com uma grande obra, no silêncio do coração. O próprio homem o ignora. Uma bela noite, dá um tiro ou atira-se à água. De um gerente de prédios de rendimento que se matara, diziam-me certo dia que ele perdera a filha havia cinco anos, que mudara muito desde então e que essa história « o havia consumido». Não se pode desejar palavra mais exacta. Começar a pensar é começar a ser consumido. A sociedade não tem grande coisa a ver com estes princípios. O veneno está no coração do homem.»



Albert Camus. O Mito de Sísifo. Ensaio sobre o absurdo. Tradução de Urbano Tavares Rodrigues. Livros do Brasil, Lisboa., p. 18

«Em todos os problemas essenciais (e por tal entendo os que podem fazer morrer e os que decuplicam a paixão de viver) só há provavelmente dois métodos de pensamento, o de La Palisse e o de Don Quixote.»



Albert Camus. O Mito de Sísifo. Ensaio sobre o absurdo. Tradução de Urbano Tavares Rodrigues. Livros do Brasil, Lisboa., p. 17

''Trata-se somente de teimosia''

O absurdo e o suicídio

«Só há um problema filosófico verdadeiramente sério: é o suicídio. Julgar se a vida merece ou não ser vivida, é responder a uma questão fundamental da filosofia. O resto, se o mundo tem três dimensões, se o espírito tem nove ou doze categorias, depois.»
 

Albert Camus. O Mito de Sísifo. Ensaio sobre o absurdo. Tradução de Urbano Tavares Rodrigues. Livros do Brasil, Lisboa., p. 17
Ó minha alma, não aspires à vida imortal,
Mas esgota o campo do possível
 
PÍNDARO

domingo, 28 de julho de 2013


«-Há casais que têm quartos separados - dizia Stefan. - Eu preciso de um lugar onde possa fechar-me  de quando em quando sem que ninguém saiba onde estou.
   -...Imaginas que lá, no teu quarto secreto, eu não posso acompanhar-te em espírito...Como se eu não tivesse adivinhado...Como se eu não soubesse que te fechas lá para fazer outra coisa que não seja ler romances!...
   Stefan evitava falar de literatura quando estavam sós. Ao entrar em casa, a meio da noite, encontrava-a muitas vezes a ler. Ioana notava às vezes que ele lançava um olhar ao título, mas nunca lhe perguntava o que lia. Em casa, junto dela, Stefan nunca lia romances. E no entanto a sua cultura espantava Ioana. Ela não podia avaliá-la senão por acaso, quando paravam em frente de uma montra ou então quando ela folheava uma revista e lia o título de um livro.
    «Não presta», dizia ela, ou então: «Já li. É bastante interessante. Empresto-te, se quiseres.»
    «Ele pensa que gosto de romances porque estive noiva de Partenie», pensava ela.
     -...Claro! - continuara Ioana - adivinhei há muito tempo o que tu fazes lá no teu quarto secreto...Não devia dizer-to. Mas tu julgas-me mesmo assim muito ingénua. Há muito tempo que adivinhei! Adivinhei, na noite em que tu entraste com um cheiro de terebintina nas nãos. Tens lá um laboratório. Até é possível que não seja um quarto de hotel. Tu trabalhas num laboratório...»
    



Mircea Eliade. Bosque Proibido. Tradução de Maria Leonor Buescu. Editora Ulisseia, Lisboa, 1963., p. 18-19
«Uma vez li um livro», prosseguira ele, como se não tivesse ouvido, « um livro em que falava de um rapaz que chamava as serpentes pelo nome e conversava com elas. Tenho a certeza de que essas coisas são possíveis». Mas é preciso que alguém as ensine...O meu ouriço, por exemplo, rebolava-se na minha presença, encolhia os espinhos e deixava-me fazer-lhe festas. Tenho a certeza de que eu podia ter aprendido muitas coisas com ele, mas não sabia falar-lhe...»



Mircea Eliade. Bosque Proibido. Tradução de Maria Leonor Buescu. Editora Ulisseia, Lisboa, 1963., p. 15

imperecível


1. que não perece ou deixa de existir; eterno; imortal
2. que dura muito tempo; imorredoiro

(De in-+perecível)

pulsão de Romeu e Julieta


''locais de excessos extraordinários''

«Fechava os olhos quando sorria, por coquetterie. Sempre que Stefan a tinha encontrado na escada, tinha-a surpreendido a puxar a blusa, tentando dar algum relevo ao peito ressequido.
      -Que gostaria eu de ser? Eu? - respondeu Vadastra levantando a voz. - Deputado? Qualquer pode sê-lo. Até um tipo como Voinea pode vir a ser deputado...
      -Então, ministro?
      -Talvez - respondeu Vadastra depois de curta hesitação. - Mas para que serve ser ministro? Hoje é-se ministro, amanhã já não. Depois passa-se para a opisição, à espera que torne a vir a nossa vez!...Sim, ministro não é mau...talvez eu lá chegue. Mas, de qualquer maneira, que é isso? Há tantas coisas a fazer! ...


Mircea Eliade. Bosque Proibido. Tradução de Maria Leonor Buescu. Editora Ulisseia, Lisboa, 1963., p. 9-10

tragédia elizabetiana


 
Foram pétalas
Ou olhos de deusas
O que calquei?
 
Não
Não digam
 
Eu sei
Que foram sonhos
 
 
 
Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 427

FOSSES TU

 
Fosses tu uma ave ou uma folha
E o Outono te viria desprender
 
 
 
Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 423

PÓRTICO

Com os meus amigos aprendi que o que dói às aves
Não é o serem atingidas, mas que,
Uma vez atingidas,
O caçador não repare na sua queda.
 
 
 
Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 389

(PART)IDA

eremitério

masculino

1. lugar ou casa onde vive um eremita
2. figurado lugar afastado do povoado; ermo

(De eremita+-tério, por influência de cemitério)

náiade



nome feminino

NA MITOLOGIA                                                                                                                             

Divindade secundária que presidia às fontes e aos rios, na mitologia greco-romana; ninfa dos rios e das fontes

''suave rodopiar das folhas''

Ítaca

 
O que dói
É não poder apagar a tua existência
e repetir dia após dia os mesmos gestos
 
O que dói
é o teu nome que ficou como mendigo
Descoberto em cada esquina dos meus versos
 
O que dói
é tudo e mais aquilo que desteço
Ao tecer para ti novos regressos
 
 
 
 
 
Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 369

«Olhar o ontem e ver o amanhã»

Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 359
Para a minha alma eu queria uma torre como esta,
assim alta,
assim de névoa acompanhando o rio.


Jorge de Sena

PORTO

- cidade de luz de granito

José Gomes Ferreira

8

 
Prometo-te a palma da minha mão para a escrita.
Cerca-a de magnólias, cerca-me. Podes fechar a escrita
No interior da mão ou na boca dos livros
Podes esquecê-la ou  libertá-la dos mil botões
Que ela sopra no interior dos homens.
Podes mandá-la àqueles que mais amas
Ou como pétalas e mensagens nas anilhas das aves
Aos teus próprios inimigos.
Podes desarmá-la para propagares as chamas.
Dou-te, como desde sempre, o poder
De escreveres na pele da minha mão
As promessas que te fiz. Sabes que existo
E que vou repetir-te todas as coisas outra vez.
 
As estações, por exemplo - não sou o único que o digo -,
Não rodam à maneira dos carrosséis no largo. No Outono
A magnólia é pensativa como o homem
Que te olha por detrás da janela onde te escrevo.
No Inverno os vidros vão embaciando - aproxima
A tua mão da paisagem que resta
Como se fora o lado do verbo que encarnou. Repara
No banco de pedra - ele está
Sobre ti.
Tu és a criança sentada
Que olha para o céu. Há um tesouro
No céu - um coração novo. Reconheces
A magnólia estelar? O interstício solar
Da pupila celeste? Ela está sobre ti
E contempla - é verdade que é pelas lágrimas
Que começam as visões
 
Sim. Agora posso explicar-te o mistério das águas
Debruça-te como ele quando escreveu no chão
Irás entender - elas jorram das palavras.
 
 
 
Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 332/3

sábado, 27 de julho de 2013


cerzir


verbo transitivo

 coser sem deixar sinal da costura; passajar

(Do latim sarcīre, «remendar»)

«Sei que não posso chamá-la das margens»

Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 312
A mulher muitas vezes avança
 
A mulher muitas vezes caminha pela borda
Do vestido. Pudesse tocar
A fímbria ou a franja de toda a casa
Ela a sararia. Ela sairia
Com o cabelo solto
 
Muitas vezes a mulher prende o cabelo com as mãos
Cose muitas vezes com a lâmpada por dentro - a agulha
A cerzir o brilho. A mulher remenda
A lâmpada apagada. Por dentro
O coração ponteia alguma luz
 
A vida roda, o vestido rompe-se
 
A mulher é um barco quando se afunda
A hélice gira - gera como planta
Em redor da luz. A mulher
Anda em redor como corola
Sem pólen
 
A azenha anda à volta na memória e a água corre-lhe
Dos olhos. Põe o coração para a frente como os fuzilados
Enxuga os olhos como se espalhasse. A mulher
Varre infinitamente mais do que o que vemos ou somos capazes de
                                                                                                  imaginar
 
E há imagens na terra
Que nunca lembram o céu
 
 
 
Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 311

«Quero ver-te mesmo quando sangro»

Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 307

Do que sangro

Sem o agasalho das asas
Agrilhoado no lado de fora do fogo, ao frio,
Desatado pela diária lâmina
Na condição da luz encarcerada no astro
Para ser nas viagens sinal. Um aviso, um dedo no céu

Acordado pela sempre quotidiana órbita do lume
Acocorado sempre na cinza para foco
Sem qualquer intermitência
Gume
Invejando o relâmpago
Rápido

De longe descobre a semelhança
Do amor

Com o pássaro

Que não faz ninho
Que não segue a presa
Que não deixa o corpo por um pouco
Desejar

Qualquer coisa diferente de morrer



Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 299
A pedra na terra.
Oiço a pedra badalar nos sinos.
Estou muito mais distante do que aquilo que a pedra atirada pode
                                                                                           alcançar.

Estendes-ma: um punho de trevas.
A hora.
A pedra que bate nos sinos.



Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 297

«Cansa-me muito estar como a pedra entre as mãos»

Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 296

(incluindo eu)

 
«Há gente  que tem sempre à mão a sua reserva de irritação.»
 
Adolfo Bioy Casares. dormir ao sol. Tradução de António Sabler. Editorial Estampa, Lisboa, 1980., p. 111
«O amor e a amizade não se fizeram um para o outro - sentenciou a velha -. Quando um está no auge, o outro desfalece.»
 
 
Adolfo Bioy Casares. dormir ao sol. Tradução de António Sabler. Editorial Estampa, Lisboa, 1980., p. 110

mutismos

«Acto contínuo, Zeferina fechou-se  num desses mutismos que lhe são tão próprios.»
 
 
Adolfo Bioy Casares. dormir ao sol. Tradução de António Sabler. Editorial Estampa, Lisboa, 1980., p. 102
 
 
« - Não confundas tristeza com loucura.
   - Estás triste porque estás louco.
    Sinceramente confessei:
     - Não te entendo.»
 
 
 
Adolfo Bioy Casares. dormir ao sol. Tradução de António Sabler. Editorial Estampa, Lisboa, 1980., p. 86

«No homem ciumento pouco dura a bondade.»

Adolfo Bioy Casares. dormir ao sol. Tradução de António Sabler. Editorial Estampa, Lisboa, 1980., p. 74

«Por alguma razão se diz que da boca dos loucos se ouve a verdade.»

 
Adolfo Bioy Casares. dormir ao sol. Tradução de António Sabler. Editorial Estampa, Lisboa, 1980., p. 48

superstições

 
«Não entendo as mulheres. Sem causa aparente, Adriana Maria passou da animação ao cansaço.»
 
 
 
Adolfo Bioy Casares. dormir ao sol. Tradução de António Sabler. Editorial Estampa, Lisboa, 1980., p. 44

''My Week with Marilyn"

ETRA (reflectindo) - Talvez haja momentos em que as coisas se soltam da mentira,  como os frutos se desprendem do ramos que os sustinha.  E vão rolando até ao sol, no meio da estrada, sob os olhares de todos. E não há nisso acção  de deuses nem de humanos, mas tão-só a passagem da própria natureza. E uma vez caído o fruto, nunca mais ninguém conseguirá uni-lo à árvore. (Para Helena) A partir do instante em que eu to diga, tudo será diferente. Queres saber?



Hélia Correia. O Rancor. Exercício sobre Helena. Relógio D'Água Editores, Lisboa, 2000., p. 80/1

ETRA - A vingança não quer o sofrimento. Quer a humilhação. Eu humilhei-me.



Hélia Correia. O Rancor. Exercício sobre Helena. Relógio D'Água Editores, Lisboa, 2000., p. 78
«(...) Nunca um filho amou tanto a sua mãe como Orestes naquele momento em que a matou.»


Hélia Correia. O Rancor. Exercício sobre Helena. Relógio D'Água Editores, Lisboa, 2000., p. 71

Schiu!

segunda-feira, 22 de julho de 2013


deusa-mulher

''escorregando na maciez do sangue''

«HELENA - Chega! Mas como tu és cansativo! Que cansativos se tornaram todos os homens desta terra, desde os reis ao mais enlouquecido vagabundo! A falta que lhes faz a guerra! O mais parecido que agora acharam para se entreterem é insultarem as mulheres!»



Hélia Correia. O Rancor. Exercício sobre Helena. Relógio D'Água Editores, Lisboa, 2000., p. 64/5
«ORESTES - É um grito que o tempo, por si só, nunca terá poder para apagar. É o grito do homem que morre atraiçoado pela própria mulher. O que se houve em Micenas não é a dor da carne que a faca dilacera. É a do coração. E essa perdura. Como se o ar em volta da cidade fosse de bronze e o grito não achasse saída. Embate às cegas, fere-se, recua, e atravessa os ouvidos de cada cidadão.»




Hélia Correia. O Rancor. Exercício sobre Helena. Relógio D'Água Editores, Lisboa, 2000., p. 63

engodo

 
«Dentro da solidão os espantalhos (não lhes fora dada
A companhia dos pássaros)
 
 
 
Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 289

«As pessoas que nos querem bem têm direito a odiar-nos de vez em quando.»

 
 
Adolfo Bioy Casares. dormir ao sol. Tradução de António Sabler. Editorial Estampa, Lisboa, 1980., p. 40
 
«Repare como é a minha senhora. Até na sua loucura se mostrava vivaça e tem resposta para tudo.»
 
 
 
Adolfo Bioy Casares. dormir ao sol. Tradução de António Sabler. Editorial Estampa, Lisboa, 1980., p. 24
«Diana falava com tal velocidade que se eu não mostrava discordar, as afirmações dela iam por ali fora e eu tinha de fazê-la tornar atrás para as discutirmos. E depois, estava tão nervosa (e eu tinha-lhe tanto amor) que, para não a contrariar, muitas vezes não a desenganei. Se a tivesse contrariado, pobre de mim. É muito severa quando se irrita e garanto-lhe que não faz as pazes enquanto a gente se não tiver arrastado de remorso e pedido perdão até ao esgotamento.»
 
 
 
 
Adolfo Bioy Casares. dormir ao sol. Tradução de António Sabler. Editorial Estampa, Lisboa, 1980., p. 24

''vantagens e inconvenientes da coleira de adestramento''

Adolfo Bioy Casares. dormir ao sol. Tradução de António Sabler. Editorial Estampa, Lisboa, 1980., p. 20

 «Esclareço que, até ultimamente, as piores  coisas tinham sido disputas com Diana e acessos de ciúmes por deslizes que apenas existiram na minha imaginação.»



Adolfo Bioy Casares. dormir ao sol. Tradução de António Sabler. Editorial Estampa, Lisboa, 1980., p. 20

«Também não nego que várias vezes eu e a minha senhora nos zangámos e que uma noite - receio que toda a viela tenha ouvido o alvoroço -,  pensando a sério ir-me embora, desarvorei até Los Incas, à espera do autocarro, que por sorte tardou e me deu tempo para reconsiderar. Provavelmente muitos casais conhecem semelhantes aflições. É a vida moderna, a velocidade. Posso é dizer-lhe que a nós os azedumes e as diferenças não chegaram para separar-nos.»



Adolfo Bioy Casares. dormir ao sol. Tradução de António Sabler. Editorial Estampa, Lisboa, 1980., p.12

domingo, 21 de julho de 2013


«ETRA (com malícia) - Vê como falas. Mesmo que isso seja verdade, é uma das verdades que nunca se declaram. Não podia viver-se num mundo em que as palavras não passassem primeiro pelo crivo do bom senso.»


Hélia Correia. O Rancor. Exercício sobre Helena. Relógio D'Água Editores, Lisboa, 2000., p. 55

Somente as inocentes enlouquecem.

« HELENA (insistindo) - Veio agarrado a mim todo este sangue, escorreu-me pelas pernas à medida que eu ia caminhando. Olha ali, olha, a marca de uma sandália minha. Está o meu rasto a sangue em toda a parte.

ETRA - Estás a ver tanto sangue como eu. Helena, pára.  Só estou eu aqui. Já não caio nessa história há muito tempo.

HELENA  (parando, olha para Etra como uma criança) - O sangue está em toda a parte. Em toda a parte. Nunca mais deixa de escorrer por mim abaixo.

ETRA - Ela e as suas grandes atitudes! Imitas muito bem as loucas, querida. Mas não conseguirás enlouquecer. Somente as inocentes enlouquecem. (Tira-lhe o balde com violência)



Hélia Correia. O Rancor. Exercício sobre Helena. Relógio D'Água Editores, Lisboa, 2000., p. 48
(...) Pirro agride e domina Helena, numa ambiguidade de intenções

PIRRO - O meu pai! O meu pai não é para aqui chamado. Julgas que não se sabe que também ele te desejou que nem um doido?  Tu porque não o aceitaste, tu, que dormiste com todo o cão vadio?

HELENA - Deixa-me. Que queres tu? Fazer-me medo? Se é o medo que tu amas, nunca, mas nunca, ouviste? o verás  nos meus olhos.»



Hélia Correia. O Rancor. Exercício sobre Helena. Relógio D'Água Editores, Lisboa, 2000., p. 46

pau-mandado

« HELENA (rindo) - Que bebedeira, que exagero, ó deuses! A falta que lhe fez a mão da mãe assente a tempo próprio no focinho.»


Hélia Correia. O Rancor. Exercício sobre Helena. Relógio D'Água Editores, Lisboa, 2000., p. 38

displicência


nome feminino

1. estado de quem se acha triste ou aborrecido
2. desprazer; desgosto
3. tédio; sensaboria
4. indiferença
5. indolência

(Do latim displicentĭa-, «desprazer; desgosto»)

pasmaceira

por dá cá aquela palha


«MENELAU - (...) O meu genro tem lá o seu feitio, já o pai era assim. Só estava bem, zangado.»


Hélia Correia. O Rancor. Exercício sobre Helena. Relógio D'Água Editores, Lisboa, 2000., p. 24
(...)

«HELENA - Eu tinha de fazer qualquer coisa...

HERMÍONE - Estraçalhar maridos é um bom passatempo.

PIRRO - Minha mulher Hermíone tem carácter. Sai à mãe.

ETRA - Se é carácter andar de uma cama para a outra...

HELENA - Que dizes?

ETRA - Nada, Helena. Orava aos deuses. Para que entre nós a paz não seja breve e esta doméstica alegria se prolongue pelos restantes dias da nossa vida.»



Hélia Correia. O Rancor. Exercício sobre Helena. Relógio D'Água Editores, Lisboa, 2000., p. 23

A fisherman at home, 1887


apascentar


verbo transitivo

1. dar pasto a (gado)
2. levar ao pasto; pastorear
3. figurado doutrinar


verbo pronominal

 1. deleitar-se
2. instruir-se

(Do latim *appascentāre, «apascentar»)

''Escrevo do lado mais invisível das imagens''

Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 271

''Vejo o pedreiro à chuva a abrir aquedutos para o coração''

Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 267

paveia

nome feminino
 
 1. feixe pequeno de palha ou de feno
2. monte de mato roçado
 
 
 

domingo, 14 de julho de 2013

''coração enfraquecido''


esquecê-lo-ás

«Deixarás aqui o que te atormenta e pode provocar a tua destruição e esquecê-lo-ás só pelo facto de o não veres. O remédio é infalível: é suficiente deixar de ver, porque não existe nenhum caso em que se não possa esquecer.»



Thomas Mann. O Cisne Negro. Tradução de Domingos Monteiro. Estúdios Cor, Lisboa., p. 93
«Já então meu coração se contraiu de dor. Mas não compreendi, nem pensei que era ciúme, nem me supunha capaz de o experimentar. Mas eu estou com ciúmes. Agora compreendo e deixei de o negar.»


Thomas Mann. O Cisne Negro. Tradução de Domingos Monteiro. Estúdios Cor, Lisboa., p. 63

domingo, 7 de julho de 2013

Solidão


«Deus seja louvado por nos ter dado a solidão...Agora estou só.»



Virgínia Woolf. As ondas. Tradução de Francisco Vale. Relógio D'Água., p. 236

«É estranho que nós, que somos capazes de sofrer tanto, possamos infligir aos outros tanto sofrimento.»


Virgínia Woolf. As ondas. Tradução de Francisco Vale. Relógio D'Água., p. 236

26


«Mas como descrever um mundo de que o eu está ausente?»

Virgínia Woolf. As ondas. Tradução de Francisco Vale. Relógio D'Água., p. 231

sem peso e sem ilusões

«Fui uma sombra ocupada a registar sombras. Mas como prosseguir agora, sem um eu, sem peso e sem ilusões, num mundo sem ilusões e sem peso?»


Virgínia Woolf. As ondas. Tradução de Francisco Vale. Relógio D'Água., p. 229

«Separamo-nos, perdemo-nos na escuridão das árvores, (...)»

Virgínia Woolf. As ondas. Tradução de Francisco Vale. Relógio D'Água., p. 223

Os nossos amigos

 
«Os nossos amigos, como os visitamos pouco, como os conhecemos pouco - é verdade.»
 
 
Virgínia Woolf. As ondas. Tradução de Francisco Vale. Relógio D'Água., p. 221

Colourful Rock Formations in the Zhangye Danxia Landform Geological Park, China



daqui

continuo sentado na solidão

«Visitei cada um dos meus amigos, tentando com dedos inseguros abrir os seus pequenos cofres fechados. Expus-lhes a minha dor - não, não a dor, mas o sentimento do incompreensível mistério da vida - e pedi-lhes que a examinassem comigo. Alguns procuram os sacerdotes; outros a poesia. Eu refugio-me junto dos meus amigos, vou procurar o meu próprio coração, busco qualquer coisa intacta entre frases e fragmentos, eu a quem o contacto de uma pessoa com outra é tudo, mas que nem sequer isso consigo estabelecer, permanentemente imperfeito, frágil e indizivelmente solitário. E por isso, continuo sentado na solidão.»
 
 
Virgínia Woolf. As ondas. Tradução de Francisco Vale. Relógio D'Água., p. 214

''a erva queimada pela geada''

Virgínia Woolf. As ondas. Tradução de Francisco Vale. Relógio D'Água., p. 214

O que era ardente e furtivo...

«Crescemos pela acumulação de sucessivas camadas até nos tornarmos robustos. O que era ardente e furtivo como um punhado de grãos lançados no ar e dispersos em todas as direcções pelos desordenados ventos da vida, é agora metódico e ordenado, semeado com um objectivo. Ou pelo menos assim parece.»
 
 
Virgínia Woolf. As ondas. Tradução de Francisco Vale. Relógio D'Água., p. 210

quarta-feira, 3 de julho de 2013

''tranças cor de linho''

Home

bacia de cobre

«Tinha uma bacia de cobre onde punha a flutuar pétalas brancas.»

''dossel formado pelas folhas da groselheira''

Peter Emerson


As ondas de escuridão

   O sol descera finalmente no horizonte, e era agora impossível distinguir o céu do mar. Ao desfazerem-se, as ondas espalhavam na praia os seus grandes leques, enviavam sombras brancas para as profundezas das cavernas e refluíam suspirando sobre os seixos.
   A árvore sacudiu os ramos espargindo folhas pelo chão. As folhas pousaram com perfeito rigor no local onde vão esperar a sua decomposição. O vaso quebrado, que antes contivera a luz vermelha, derramava agora no jardim tons cinzentos e negros. Escuras sombras enegreciam ainda mais os túneis abertos entre os caules das plantas. O tordo estava agora silencioso e o verme encolhido no seu pequeno buraco. Às vezes, uma palha esbranquiçada, arrancada a algum ninho abandonado, caía na erva escura onde as maçãs apodreciam. A luz desaparecera da casa das ferramentas e a pele de víbora pendia de um prego. Todas as cores do quarto tinham transbordado os seus limites. As pinceladas do artista tinham-se tornado demasiado cheias e oblíquas: os armários e as cadeiras misturavam as massas castanhas numa vasta obscuridade. Do soalho ao tecto, pendiam grandes cortinados de trémula escuridão. O espelho estava pálido como a entrada de uma caverna sombreada por trepadeiras.
    As sólidas colinas pareciam ter perdido substância. Luzes errantes arrastavam os seus penachos por invisíveis estradas submersas. Mas nem uma só luz surgia por entre as asas dobradas das colinas e nenhum som se ouvia além do grito do pássaro procurando uma árvore solitária. Na borda da falésia, o murmúrio do vento que atravessara as florestas encontrava-se com o da água arrefecida nas inumeráveis e vítreas profundidades do oceano.
     Como se existissem ondas de escuridão, a noite avançava cobrindo as casas, as colinas e as árvores, como as ondas do mar varrem os flancos de um navio naufragado. A escuridão cobria as ruas, rodeava os seres isolados e submergia-os. Envolvia também os amantes abraçados à sombra da folhagem densa dos olmos de Verão. As ondas de escuridão avançavam pelos caminhos cobertos de erva e pela terra ressequida, envolvendo o espinheiro solitário e as casas vazias dos caracóis. Depois a escuridão subiu, soprando pelos flancos nus das colinas e atingindo os eruditos cumes das montanhas onde a neve se aloja na dura rocha, mesmo quando os vales estão repletos de arroios e de folhas amarelas das videiras e as raparigas sentadas nas varandas olham a neve protegendo o rosto com leques. Depois a escuridão cobriu também as raparigas.



Virginia Woolf. As ondas. Tradução de Francisco Vale. Relógio D'Água., p.189/190

segunda-feira, 1 de julho de 2013

segador

Edward Sharpe & Jade Castrinos


Ele tem a giesta onde faz nascer a neblina

Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 260

1

 
 
Consomes-te, não podes apagar-te
Com o bater da mão sobre o teu peito
 
 
 
Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 253

Transforma o coração na coisa desamada


Transforma o coração na coisa desamada
No vaso a transbordar que quebras com a boca
E asperge
                        a tua pulsão no meu sangue
 
 
 
Daniel Faria. Poesia. Edição de Vera Vouga. Editora Quasi., p. 251