domingo, 31 de agosto de 2014

Saul Steinberg (my Love)


«Quer queiramos quer não, somos todos vítimas da militarização da vontade, da exorcização do desejo, da domesticação do amor.»

«Carta a D.» no Antologia do Henrique Bento Fialho

Não ser amado é não ser!

''Existir é ter um relevo no espaço e uma sombra caída aos pés, quando o sol nasce. Mas viver é ser uma alma em outras almas. Sem comunhão não há vida; há só existência. Nós amamos para ser amados, para ser... A indiferença da pessoa querida congela-nos o coração, como se a Morte o apertasse entre os dedos descarnados. Não ser amado é não ser!”


Teixeira de Pascoaes, Os Poetas Lusíadas, 1919

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Tu disseste

Tu disseste "quero saborear o infinito"
Eu disse "a frescura das maçãs matinais revela-nos
segredos insondáveis"
Tu disseste "sentir a aragem que balança os
dependurados"
Eu disse "é o medo o que nos vem acariciar"
Tu disseste "eu também já tive medo. muito medo.
recusava-me a abrir a janela, a transpôr o limiar da
porta"
Eu disse "acabamos a gostar do medo, do arrepio que
nos suspende a fala"
Tu disseste "um dia fiquei sem nada. um mundo inteiro
por descobrir"
Eu disse "..."


Eu disse "o que é que isso interessa?"
Tu disseste "...nada"


Tu disseste "agora procuro o desígnio da vida. às
vezes penso encontrá-lo num bater de asas, num
murmúrio trazido pelo vento, no piscar de um néon.
escrevo páginas e páginas a tentar formalizá-lo.
depois queimo tudo e prossigo a minha busca"
Eu disse "eu não faço nada. fico horas a olhar para
uma mancha na parede"
Tu disseste "e nunca sentiste a mancha a alastrar, as
suas formas num palpitar quase imperceptível?"
Eu disse "não. a mancha continua no mesmo sítio, eu
continuo a olhar para ela e não se passa nada"
Tu disseste "e no entanto a mancha alastra e toma
conta de ti. liberta-te do corpo. tu é que não vês"
Eu disse "o que é que isso interessa?"
Tu disseste "...nada"


Eu disse "o que é que isso interessa?"
Tu disseste "...nada"

Penso que penso

Caminho em silêncio
Distraído por um pensar
Que me turba o andar
Penso que penso
E fico a ouvir-me a pensar
Que penso que penso
Este pensamento
Torna-se um tormento
Penso que penso
Que penso que penso
Sempre o mesmo a dobrar
Como vozes a segredar
Penso que penso
Que penso que penso
Que ainda vou flipar
Flipar

ESTOU FARTO DE MIM ESTOU FARTO DE MIM
ESTOU FARTO DE MIM ESTOU FARTO DE MIM


Já não posso mais andar
Com tanta voz a murmurar
Levado pelo vento
Penso que penso
Que penso que penso
Que penso que penso
E se penso em parar
É mais um pensamento
Que me fica a ecoar
Outra voz a segredar
Outra voz a murmurar


 Murmurar...
Murmurar murmurar murmurar murmurar murmurar murmurar
murmurar
Murmurar murmurar murmurar murmurar murmurar murmurar
murmurar


ESTOU FARTO DE MIM ESTOU FARTO DE MIM
ESTOU FARTO DE MIM ESTOU FARTO DE MIM
«é preciso não detestar demasiadamente os vícios, sob pena de detestar também os homens»

Latour Saint-Ybars. Nero. Edição Amigos do Livro, Lisboa., p. 162

«Nero pode fazer-me morrer, mas não saberia fazer-me mal.»


Latour Saint-Ybars. Nero. Edição Amigos do Livro, Lisboa., p. 162
«Nero deu a imortalidade à frágil criatura, à qual não tinha podido sequer assegurar a vida. Estes arrebatamentos, os únicos que se podem desculpar e compreender, servem pelo menos para fazer-vos ver Nero em toda a extensão do seu carácter, excessivo de desordenado em todas as suas paixões.»


Latour Saint-Ybars. Nero. Edição Amigos do Livro, Lisboa., p. 160