terça-feira, 30 de setembro de 2014

Paul Outerbridge, Jr. Advertisement, 1938


passeios higiénicos

inábil

«Do ponto de vista psiquiátrico, todos os extremismos políticos derivam de uma única categoria definida por um sistema banal: o desejo de violência e de poder. E também desejo de submissão» (Le fou, p. 93). «O gosto pelo vermelho, cor de sangue, comum ao nazismo e ao bolchevismo, remete sempre, inconscientemente, para a pulsão de morte da máquina. A própria palavra comunismo contém excepcional carga afectiva» (Le fou. p. 244)


Le fou et le prolétaire, Robert Laffont, 1979. L'invention de la France, em colaboração com Hervé Le Bras, Le Livre de Poche, 1981.
«A liberdade não tem preço, nós não achamos que deva pagar-se com sofrimento.»


Claude Guillon, Yves Le Bonniec. Suicídio Modo de Usar. História, Técnica, Notícia. Traduzido do francês por Júlio Henriques e Paulo da Costa Domingos. Edições Antígona, Lisboa, 1990., p.

Homessa!

«Tentem suicidar-se e tenham o azar de falhar, logo essas bestas dos vivos hão-de desunhar-se para vos forçar a viver, obrigando-vos a partilhar a merda deles.
   Sei que em certos momentos na vida parecem de felicidade; questão de humores, como o desespero, e nem um nem outro assentam sobre algo sólido. Tudo isso é asquerosamente provisório. O instinto de conservação é uma nojeira.»

«Vive la Mort», Chaval (reproduzido in Carton, Les Cahiers du dessin d'humour, nº2, 1975)

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

«paranóia deambulatória »


Henry MillerUm diabo no paraíso. Tradução de Estevão Sasportes. Livros do Brasil, livros Unibolso,11/12

monologador

«Interiormente, era um ser perturbado, um homem nervoso, caprichoso e obstinado. Habituado a uma determinada rotina, levava a vida disciplinada de um eremita ou de um asceta. Era difícil dizer-se se tinha adoptado livremente este modo de vida ou o tinha aceite pela força das circunstâncias. Nunca se referiu à vida que gostava de ter. Comportava-se como uma pessoa que, escorraçada e humilhada, se conforma com a sua sorte. Como uma pessoa que assimila melhor o castigo que a felicidade. Havia nele qualquer coisa de feminino, que não deixava de ter os seus encantos, mas que explorava contra si mesmo. Era um dandy incurável, que vivia como um mendigo. E vivia completamente no passado.
   Talvez que a mais precisa definição que eu possa dar da sua pessoa no começo das nossas relações, seja a de um estóico que arrasta atrás de si o seu caixão.
   Contudo, era um homem com múltiplas feições, conforme vim a descobrir gradualmente. Era muito permeável, extremamente susceptível, em particular às emanações perniciosas, e podia mostrar-se tão volúvel e emotivo como uma rapariguinha de dezasseis anos. Embora não fosse um espírito estruturalmente bem formado, fazia o possível por ser correcto, imparcial e justo. E tentava ser leal, embora sentisse que, por natureza, era essencialmente falso. Aliás, foi essa indefinível perfídia a primeira coisa que percebi a seu respeito, embora não tivesse qualquer motivo para justificar este juízo. Lembro-me de ter deliberadamente afastado este pensamento, substituindo-o pela vaga noção que estava em presença de uma inteligência suspeita.»


Henry Miller. Um diabo no paraíso. Tradução de Estevão Sasportes. Livros do Brasil, livros Unibolso,11/12

estolidez


nome feminino
qualidade de estólidoparvoíceestupidez

raízes com sangue


A Love story


domingo, 28 de setembro de 2014

«Partimos à luz pálida do sol que caía lentamente sobre o mar, e a última coisa que vi foram aquelas colinas despidas e agrestes, que fazem lembrar a cinza.»


Cesare Pavese. A guitarra quebrada. Traduzida pelo italiano por José da Fonseca Costa. Editorial Minerva, Lisboa, p. 80
«- Linda faz-te crescer água na boca, bem sei - respondeu-lhe Carletto - o que te trama é que ela tem a cabeça no lugar.»

Cesare Pavese. A guitarra quebrada. Traduzida pelo italiano por José da Fonseca Costa. Editorial Minerva, Lisboa, p. 77

''bordejámos o mar''

«(...), atentos a um prato de fotografias.»


Cesare Pavese. A guitarra quebrada. Traduzida pelo italiano por José da Fonseca Costa. Editorial Minerva, Lisboa, p. 76

Autocrome- Bathers, 1926


estar/ver-se à brocha

popular


estar ou ver-se em grandes dificuldades


prostíbulo

VISIONS & OMENS

"Comecemos então pelos habitantes humanos, ou talvez melhor, sobre-humanos, dessas regiões distantes. Blake chamava-lhes querubins. E, de facto, não há dúvida de que é isso mesmo que eles são: a matriz psicológica daqueles seres que nas teologias das mais variadas religiões servem de intermediários entre o homem e a Luz Clara. As personagens sobrehumanas da experiência visionária nunca estão a fazer isto ou aquilo (do mesmo modo que os bem aventurados, no Céu, também não estão em actividade). Contentam-se com o facto de existir. Estas figuras heróicas da experiência visionária dos homens,sob vários nomes e com uma infinidade de diferentes roupagens, surgiram na arte religiosa de todas as culturas. Por vezes são apresentados em repouso, outras vezes em cenas de acção mitológica. Mas a acção, como já dissemos, não é um atributo natural dos habitantes dos antípodas da mente. Estar ocupado é a lei da nossa existência. A lei da existência deles é não fazer nada."


Aldous Huxley. 
"O Céu e o Inferno"

sábado, 27 de setembro de 2014

sangrar a frio por entre fios de lágrimas

Catadura


nome feminino

1. disposição, estado de ânimo
2. aspecto; aparência
3. cariz


flancos opulentos

catecismo

«(...) gritei para dentro de mim como se falasse.»

Cesare Pavese. A guitarra quebrada. Traduzida pelo italiano por José da Fonseca Costa. Editorial Minerva, Lisboa, p. 53

«Venho a este sítio sempre que posso.
-Costumavas vir sozinha?
-Nunca se está só num lugar.»


Cesare Pavese. A guitarra quebrada. Traduzida pelo italiano por José da Fonseca Costa. Editorial Minerva, Lisboa, p. 34


Fazia frio no meio das árvores.


Cesare Pavese. A guitarra quebrada. Traduzida pelo italiano por José da Fonseca Costa. Editorial Minerva, Lisboa, p. 34

E fui-me embora.


«-Não queres que eu fique aqui mais tempo? - perguntou-me Linda, de cenho carregado.
  - Não quero coisa nenhuma - disse eu, brusco. - Tenho que me ir embora.
  -Isso é comigo? - perguntou Linda.
  Encolhi os ombros e pus a guitarra no saco. Tê-la-ia partido em dois pedaços.
  -Dá-me ao menos um cigarro - disse Linda.
  -Estão em cima da cama. - E fui-me embora.»


Cesare Pavese. A guitarra quebrada. Traduzida pelo italiano por José da Fonseca Costa. Editorial Minerva, Lisboa, p. 30/1
« Quando falava assim é que eu compreendia quem ela era. Contávamos um ror de coisas um ao outro nessa noite, gracejando volta e meia, mas bastava um momento para me encher de medo.»

Cesare Pavese. A guitarra quebrada. Traduzida pelo italiano por José da Fonseca Costa. Editorial Minerva, Lisboa, p. 25
« - Quem tem saúde não pensa nos doentes - disse ainda a velha.»


Cesare Pavese. A guitarra quebrada. Traduzida pelo italiano por José da Fonseca Costa. Editorial Minerva, Lisboa, p. 25

LUTA PELO FULGOR QUOTIDIANO

"Sem observar, possuí o plano do teu corpo...
e assim se extinguiu uma cidade
se estrangularam as pombas a distância.


Nunca mais direi a cor das veias
como era tecida a teia de membros que propus
- apenas esta rota sem final mas certa,
casualmente um ramo de flores sem sorriso
um fluir de cravos na penumbra
através da tua face triste, sortílega e cigana

a isto se chama saudade
a isto está morto o tacto
sem que a órbita da terra se transtorne
antes que seja tarde muito tarde

Ocorrem-me palavras: lua flutuar sereno.
Deixaram porém a sua direcção exacta
nas folhas que o Outono carboniza
como estar só é a força flexível
de tudo que se toque, e abandone.

As torres destinaram-se ruínas
-tudo se consumou sem assistência.

Onde a vida me vá eu a prossiga
com um indício irracional perfeito,
pois com o tempo os remos submergem
sempre ao mesmo nível fatigado
transeunte e rítmico
musical, nem triste, e concludente."


Manuel de Castro. Bonsoir, Madame

domingo, 21 de setembro de 2014


«Queria compreender porque é que estava farto e porque é que, justamente na altura em que me sentia só somo um cão, deixava de querer saber dos outros.»


Cesare Pavese. A guitarra quebrada. Traduzida pelo italiano por José da Fonseca Costa. Editorial Minerva, Lisboa, p. 11

inquebrantável paciência

«temperamento artístico»


«Lembro-me dele naquele último encontro - dado que não voltaríamos a falar-nos - como um homem que sabia salvaguardar muito bem as suas defesas.»


Henry James. O Desenho no Tapete. Tradução de Luzia Maria Martins. Relógio D'Água, Lisboa, p. 30
«Na minha obra, o segredo é uma coisa concreta, como um pássaro numa gaiola, uma isca num anzol, um pedaço de queijo numa ratoeira.»


Henry James. O Desenho no Tapete. Tradução de Luzia Maria Martins. Relógio D'Água, Lisboa, p. 21
«O senhor incendeia a minha imaginação de uma maneira que nunca me tinha acontecido - declarei -, obriga-me a tentar descobrir o segredo, aconteça o que acontecer!»


Henry James. O Desenho no Tapete. Tradução de Luzia Maria Martins. Relógio D'Água, Lisboa, p. 21

"O tango é um pensamento triste que se pode dançar", era o que costumava dizer o famoso compositor Enrique Santos Discépolo.

«Não nos deu ideias mas um outro mundo de pensar e de sentir.»

T.S. Eliot sobre o conjunto da obra de Henry James

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

  «Em dias de alma como hoje, eu sinto bem, em toda a consciência do meu corpo, que sou a criança triste em quem a vida bateu. Puseram-me a um canto de onde se ouve brincar. Sinto nas mãos o brinquedo partido que me deram por uma ironia lata. Hoje, dia catorze de Março, às nove horas e dez da noite, a minha vida sabe valer isto.»


Obra em prosa de Fernando Pessoa. Livro do Desassossego por Bernardo Soares 1ª parte. Introdução e nova organização de textos de António Quadros. Publicações Europa-América p. 20
«Deixo ao cego e ao surdo
 A alma com fronteiras,
 Que eu quero sentir tudo
  De todas as maneiras.»

...

«E como são estilhaços
Do ser, as coisas dispersas
Quebro a alma em pedaços
E em pessoas diversas.»

....


«Se as coisas são estilhaços
Do saber do universo,
Seja eu os meus pedaços,
Impreciso e diverso.»



Obra em prosa de Fernando Pessoa. Livro do Desassossego por Bernardo Soares 1ª parte. Introdução e nova organização de textos de António Quadros. Publicações Europa-América P. 17

[A self-portrait by Vivian Maier, 1954, from the Maloof Collection]



 «A despersonalização imaginativa, onírica e intelectual, é nele permanente: Depois, ao passar diante de casa, chalés, vou vivendo em mim todas as vidas ao mesmo tempo. Sou o pai, a mãe, as filhas, as primas, a criada e o primo da criada...»



Obra em prosa de Fernando Pessoa. Livro do Desassossego por Bernardo Soares 1ª parte. Introdução e nova organização de textos de António Quadros. Publicações Europa-América., p. 17
« Uma tal proliferação de máscaras, de disfarces, de duplos, de outros eus, que são simultaneamente o mesmo e o outro, numa prodigiosa demiurgia, não pode deixar de sugerir que estamos muito para lá de uma simples mistificação literária, que todo este mundo fictício de pseudónimos, sub-heterónimos, semiheterónimos não releva de uma contingência, mas de uma necessidade.»



Obra em prosa de Fernando Pessoa. Livro do Desassossego por Bernardo Soares 1ª parte. Introdução e nova organização de textos de António Quadros. Publicações Europa-América

a simulação, a despersonalização

heteronímico

«Na floresta do Alheamento», 1913 (prosa poética Fernando Pessoa)

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

AQUILO



 "Aquilo de que gosto no teu corpo é o sexo.
Aquilo de que eu gosto no teu sexo é a boca.
Aquilo de que eu gosto na tua boca é a língua.
Aquilo de que eu gosto na tua língua é a palavra."...


 Julio Cortázar.  "Papéis Inesperados"

sábado, 6 de setembro de 2014

Annex - Bacall, Lauren (Designing Woman)


calhamaços

«Não ouvia nada, não via nada, estava inerte; levavam-me, e eu ia; interrogavam-me e respondiam por mim.»


Diderot. A religiosa. Tradução de João Gaspar Simões. Círculo de Leitores, p. 9

açucaradas falsidades

«(...) com a tristeza mais estudada que eu já vira em rosto humano.»

Diderot. A religiosa. Tradução de João Gaspar Simões. Círculo de Leitores, p. 8
«Quantas vezes chorei por não ter vindo ao mundo feia, estúpida, orgulhosa, sem graça; em suma, com todos os senões que tanto as prendavam aos olhos de nossos pais!»



Diderot. A religiosa. Tradução de João Gaspar Simões. Círculo de Leitores, p.

sexta-feira, 5 de setembro de 2014


«O que não deixa dúvidas a ninguém é a cólera e o amargo despeito que experimentou Nero por se ver desaparecer dos corações que lhe pertenciam.»


Latour Saint-Ybars. Nero. Edição Amigos do Livro, Lisboa., p. 232
«Que poderia colher de tais excessos o homem que perseguia o prazer com tamanha violência? O desgosto pela vida, o profundo desprezo por si próprio. Arquejante, esgotado, nada tendo diante de si, Nero evocou as recordações e voltou-se para o alvo das suas primeiras afeições: Acteia voltou-lhe, sem dúvida, à memória, assim como o entusiasmo ingénuo e o enlevo sincero desse primeiro amor.»
 
Latour Saint-Ybars. Nero. Edição Amigos do Livro, Lisboa., p. 231
«Depois de ter experimentado tudo e de tudo abusado, sentia a sede dos prazeres aumentar com a importância dos sentidos e do coração. Assim, fatigado pelos excessos de toda a espécie, que embotam as faculdades sem acalmar os apetites, Nero agitava-se numa saciedade voraz, que só podia alimentar-se de sombras e arrastava-se da falta de apetite incurável à insaciável avidez. Até mesmo onde a tudo podia atrever-se como um deus, tinha tudo a temer como um homem.»


Latour Saint-Ybars. Nero. Edição Amigos do Livro, Lisboa., p. 230

«(...) despojada dos floreados da eloquência, e dos artifícios da linguagem»

Latour Saint-Ybars. Nero. Edição Amigos do Livro, Lisboa., p. 221

resfriamento


«Fosse qual fosse  o sentimento que o possuía, Nero levava-o ao extremo e o extremo era muitas vezes o crime ou, pelo menos, a loucura.»


Latour Saint-Ybars. Nero. Edição Amigos do Livro, Lisboa., p. 207
«Essa mulher queria que a amassem até à adoração e que a servissem até ao crime. Não podia suportar a solidão austera do lar, onde não via mais do que deveres a cumprir.»
Latour Saint-Ybars. Nero. Edição Amigos do Livro, Lisboa., p. 209
«(...), o orgulho de Nero delirava até à demência. Parece ter-se persuadido de que se elevara acima da condição humana e que o destino lhe dispensara favores especiais.»


Latour Saint-Ybars. Nero. Edição Amigos do Livro, Lisboa., p. 207

''A felicidade é um problema individual. Aqui, nenhum conselho é válido. Cada um deve procurar, por si, tornar-se feliz. ''

"Se não sabe, não imite, pergunte pouco e não acredite muito; observe, pense e investigue."