quarta-feira, 30 de setembro de 2015

''mulher geniosa''



« JOVEM MULHER - Gostas de mim?

COMPANHEIRO - E tu?

JOVEM MULHER - Estou eu a perguntar-te?

COMPANHEIRO - E  tu?

JOVEM MULHER - Vais ao teu sindicato?

COMPANHEIRO - Preciso de consultar, primeiro, a Lei sobre despedimentos.»


Vasco José. A Mulher Deitada. Collecção de autor, Torres Vedras, 1977., p. 141

« COMPANHEIRO - Seja cão, se desabafo mais contigo.»


Vasco José. A Mulher Deitada. Collecção de autor, Torres Vedras, 1977., p. 138

«JOVEM MULHER - Vai! Se estás farto de mim, vai já, hoje!

COMPANHEIRO - Hoje não. Estou rebentado.

JOVEM MULHER - Vai amanhã, de comboio. Logo de manhãzinha, para veres nascer o sol. (Num lamento): Já não gostas de mim.

COMPANHEIRO - Ó mulher! Seria tão bom que calasses, durante quatro anos, ao menos, essa boca de trapo.

JOVEM MULHER (queixosa) - Já não gostas de mim. Eu sei. Levaste uma vida a ignorar que eu me pintava e, ainda há instantes, cuspiste na minha cara, no rimel, no pó d'arroz e no baton que uso. Julgas que eu me esqueci?

COMPANHEIRO - Deixa-me! Cala-te! Quero lá saber das tuas pinturas.

JOVEM MULHER - Quiseste desfazer-te de mim. Quiseste matar-me, para poderes casar com a tua patroa. Foi isso que sentiste, há bocado, não foi, quando eras governo? Ela é tua amante. É?

COMPANHEIRO - É. Esta mulher põe-me doido. Obriga-me a dizer o que não quero e a ser o que não sou. Agora vem-me com ciúmes. Deixa-me, pá! Necessito de sossego. Estou doente.»


Vasco José. A Mulher Deitada. Collecção de autor, Torres Vedras, 1977., p. 137/8


«COMPANHEIRO - Em democracia, é assim. Quem não tem unhas não toca guitarra.»

Vasco José. A Mulher Deitada. Collecção de autor, Torres Vedras, 1977., p. 129

«Companheiro - Um dos imperativos da democracia é o jogo político.»

Vasco José. A Mulher Deitada. Collecção de autor, Torres Vedras, 1977., p. 129


«JOVEM MULHER (armando-se da vassoura) - Tenho uma tremenda vontade de te matar. Tenho cá uma enorme vontade de disparar, de amandar-te um tiro ao focinho. Vai lá pregar sermões capitalistas aos teus lacaios.»


Vasco José. A Mulher Deitada. Collecção de autor, Torres Vedras, 1977., p. 113

''portuguesmente falando''



«JOVEM MULHER - Tenho de ir ver esse filme. De quem é a produção? A democracia cinematográfica faz milagres. Até educa os macacos.»


Vasco José. A Mulher Deitada. Collecção de autor, Torres Vedras, 1977., p. 102

« Mim, Tarzan! Tu, Jane!»


Vasco José. A Mulher Deitada. Collecção de autor, Torres Vedras, 1977., p. 100

«JOVEM MULHER - Ora... A vossa diarreia verbal é muito superior, mais asquerosa e violenta que uma boa arrochada na espinha. São muito amigos da Pátria, mas que fizeram dela e por ela, durante estes 48 anos? Uma Pátria esquecida e escarnecida. Num mundo de nações, onde estava a Nação portuguesa? Em casa. Em família. No vosso bolso. Eis o que vocês fizeram da vossa querida pátria.»



Vasco José. A Mulher Deitada. Collecção de autor, Torres Vedras, 1977., p. 93

«Através de eleições, pensarão voltar a encurralar-me novamente? Mostrem-me lá a vossa propaganda. Cheira-me a pomada jibóia.»

Vasco José. A Mulher Deitada. Collecção de autor, Torres Vedras, 1977., p. 92



«PRAZER - Chiu...jovem, não faças tanto barulho! Neste tipo de negócio, é indispensável a maior descrição. A mercadoria é rara, não chega para metade. Aqui a tens, linda como os amores: liamba, marijuana, coca, mescalina, beladona, ópio, haxixe ...enfim, uma beleza de sonhos ternos para a juventude. Experimenta lá esta, jovem!...»



Vasco José. A Mulher Deitada. Collecção de autor, Torres Vedras, 1977., p. 85

«COMPANHEIRO - Morres pelo povo, como o peixe pela água. Ainda não perguntaste o que ele quer, no entanto matas-te a falar nele e por ele.»

Vasco José. A Mulher Deitada. Collecção de autor, Torres Vedras, 1977., p. 82

« JOVEM MULHER - Nas democracias ocidentais existe a exploração. A exploração é uma forma de escravatura. Viva o comunismo!»


Vasco José. A Mulher Deitada. Collecção de autor, Torres Vedras, 1977., p. 81


«PRATICANTE - Chefe! Está a ver?


INQUISIDOR - Perfeito. Sempre é o que eu te digo. O mundo está cada vez mais debochado. Quem diria! Um livro na cabeceira duma cama. E no lado da mulher! Uma sonsa destas, já viram? Tu, guarda-me as costas! Nada de descuidos. Já não querem servir só para o gozo. Qualquer dia, nem na cama querem deitar-se. Com que então, a sua patroa já não lhe serve só para a cama, hem! »

Vasco José. A Mulher Deitada. Collecção de autor, Torres Vedras, 1977., p. 70

MADONNA CYGAŃSKA


« MÃE - Ainda bem que tu não me julgas parva, filha. Porque eu não o sou. Deixo comer as papas em cima da cabeça, porque deixo. Também a leoa deixa, mansa, o domador pôr-lhe a cabeça nas goelas. Compreendes, filha? Se eu não tiver paciência...quem é que a tem?»


Vasco José. A Mulher Deitada. Collecção de autor, Torres Vedras, 1977., p. 63

«MÃE - Fui uma vez ao cinema, quando me casei. Levou-me o meu marido. Gostei muito da fita, apesar de meter muita pancadaria. Ao teatro, nunca cheguei a ir. Gosto muito de ver teatro, mas nunca vi nenhum.»


Vasco José. A Mulher Deitada. Collecção de autor, Torres Vedras, 1977., p. 62
« JOVEM MULHER - Já abortou, alguma vez?

MÃE - Diz bem, filha. Eu própria até se me gela o sangue só de pensar nisso. Prefiro ter mil filhos. Se a parir, ainda posso ter uma vizinha à cabeceira, os abortos tenho-os eu de fazer na bruxa. E não é só a dor, a incerteza de morrer ou de viver para outro. Levo as noites a pensar que, quando fechar os olhos, irei cair nas penas do purgatório ou nas chamas do inferno. Vivo atormentada. Mas que hei-de eu fazer? Não posso ter um filho aos quatro meses e meio.»

Vasco José. A Mulher Deitada. Collecção de autor, Torres Vedras, 1977., p. 61

«camisas de vénus»

«MATAMUNDOS: Compreendo coisíssima nenhuma. Que quer o senhor que eu compreenda? Deitam-no às balsas, roubam-lhe documentos do Estado, mijam-lhe em cima, e ainda quer que eu compreenda alguma coisa? Ou acha assim tão difícil reconhecer uma velha no meio de uma dúzia de galdérias?»

José Cardoso Pires. O render dos heróis. Publicações Dom Quixote, Lisboa., 2001., p. 35

terça-feira, 29 de setembro de 2015

I Origins





perfunctório

1. que se pratica em cumprimento de uma obrigação ou sem qualquer fim útil
2. superficial
3. passageiro
4. leve

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

DE TANTO SE VEREM[A FORCE DE LES VOIR]
De tanto se verem
Há palavras que vos poriam doentes
Palavras conhecidas mas muito perigosas de manejar
A não ser que sejam rodeadas de música
Também há quem meta açúcar nas amêndoas amargas
Palavras como areia, erva
Como sol, como deitados lado a lado
Como pele dourada, como cabelos louros
Como dentes brilhantes e lábios salgados
E depois outras palavras, ainda mais perigosas
«Ninguém à vista, podemos seguir»
E as mais perigosas de todas:
«É ainda melhor à quinta vez.»
Felizmente, que há carradas de aeronaves
A fabricarem fenomenologia a granel
E a meterem-vos bombas atómicas de atravesso pela goela...
Peço desculpa… o sopro da inspiração...
Não é todos os dias que a musa nos visita.

BORIS VIAN
(...)


«O amor não é para sempre.
Mas a morte é.
A morte é para sempre.»

OS NOSSOS GOVERNOS

Numa coisa os nossos governos têm sido escrupulosamente
cristãos: mantêm a agricultura pobre para cumprir a profecia de
Cristo que diz: pobres sempre os tereis convosco.


António Cabral 

Josef Koldelka, Exils, Portugal, 1976


VISITA À CASA MATERNA

Neste dia de maio, vim ver-te, Mãe,
Vim a esta tua casa
Construída de pedras cinzentas,
Enfeitada por uma cruz e um coração de mármore.
Vim repousar a cabeça sobre o teto do teu lar.
Não te trago muitas aflições, neste dia de festa,
Não estou em desespero.
Sou um homem maduro, mais velho
Vinte anos do que tu, quando me deixaste nesta terra,
Adolescente entre os homens.
Já vi mais coisas do que viste e tive mais esperanças do que tu,
Que eras lúcida e triste desde a juventude.
Recolhi muitos desenganos; e seguirei até a morte assim
Como sou, incerto, cego, orgulhoso,
Com as desesperanças se acumulando sempre.

Aqui estou, Mãe, diante de ti, homem completo,
De cabelos grisalhos, machucado e exaltado pela vida.
Um homem ferido e estranhamente compensado pela vida,
Um homem já meio do outro lado, vergado,
Curvado ao peso de pecados e erros,
De responsabilidades, de contradições e de amarguras.
Aqui estou diante de ti, Mãe,
Aqui vim
Pedir-te que me perdoes e me justifiques.


Sou quase um velho; durante mais de meio século
Andei pelas estradas da terra, atravessei desertos,
Contemplei paisagens geladas, toquei no fundo
Da minha própria miséria e das misérias alheias.

Durante muitos anos, enquanto dormias aqui,
Fui levado para exílios e encontros de toda a espécie.
Este teu filho é um homem vivido,
É um navio provado por muitos mares,
Um navio batido, curtido por ventos e tempestades.

É um navio perdido na névoa, este homem que aqui está,
Este ser usado que procura sua mãe.
É um velho navio, é um velho homem.
Não se parece, em quase nada,
Com aquele a quem disseste adeus, para sempre,
Na hora da partida, em junho de 1922.

É um ser cansado, um pássaro exausto
Que procura o seu ninho remoto
Nesta casa de pedra em que te escondes,
Em que repousas de uma breve existência.
É um homem este que aqui está,
Em quem mal reconhecerias o filho teu,

O sensível e verde aventureiro, pronto
para os nobres impulsos,
Mas tão incerto e tão fantasioso,
Tão incapaz de perseverar e de crer longamente,
O ser matinal que tremias, Mãe, ao deixá-la, perdido
No mundo, o ser cujo destino te preocupava
Diante da revelação de tantas inconstâncias.


É um homem experimentado este que aqui está, Mãe,
mas é um poeta.
E, porque é um poeta, muito lhe será perdoado.
E, porque é um poeta, não perdeu o dom
De olhar a face da Infância
E de te ver, Mãe,
Como te está vendo nesta hora,
Com os mesmos olhos com que te contemplava
Outrora, quando eras a sua Estrela,
E o seu abrigo, o centro do seu mundo,
A força e a lei que o conduziam,
Quando eras tudo, toda a sua alegria e proteção.

Deus permitiu que em teu filho
Não se perdesse o dom de olhar
O mundo em certos instantes
Com a poesia dos que não foram poluídos,
Dos que não foram enganados pela vida.
Aqui estou, debruçado sobre o teu tÚmulo, Mãe,
E eis que te ergues diante de mim,
E eu te vejo não como adormeceste em Deus,
Pálida, vestida com o burel do Carmo,
Mas matinal e alegre, coroada de flores,
Viva e serena, na primeira e gloriosa maternidade,
Com as tranças repartidas, e no olhar
A luz da beleza intocada.
Assim te pode ver teu filho, de olhos fechados.
Assim te pode ver este homem de gestos cansados,
Este segador no fim da sega,
Este quase velho, debruçado sobre o teu túmulo.
Assim apareces, Mãe, ao filho que deixaste tão cedo,
Entre as perdições do mundo.

Mãe, aqui estou no dia de hoje,
Batendo à tua porta, procurando a tua companhia.
Não me desconheças nem perguntes quem sou.


No fundo de mim mesmo, apesar de tudo o que houve,
Das incompreensões, do pó e da amargura,
Das misérias que pratiquei e que praticaram
Contra mim; apesar da experiência do ódio e do amor,
amargos ambos,

Sou o mesmo filho que deixaste
Na orfandade
Quando partiste,
Estrela materna, flor de beleza,
Que o vento gelado crestou na juventude.

A ALMA

Tu sabes que não nos é permitido usar o teu nome.
Nós sabemos que tu és inexprimível,
anémica, frágil e suspeita
por misteriosas ofensas quando eras criança.
Nós sabemos que não te é permitido viver agora
na música ou nas árvores no crepúsculo.
Nós sabemos—ou pelo menos disseram-nos—
que tu não existes seja em que lado for.
E no entanto continuamos escutando a tua voz fatigada
--num eco, numa queixa, nas cartas que recebemos
de Antígona no deserto Grego.
AUTORETRATO

Entre o computador, um lápis e uma máquina de escrever
passo metade do meu dia. Daqui a pouco farei meio século.
Vivo em cidades estranhas e por vezes falo
com estranhos acerca de assuntos estranhos para mim.
Ouço bastante música: Bach, Mahler, Chopin, Shostakovich.
Vejo três elementos na música: fraqueza, poder e dor.
O quarto não tem nome.
Leio poetas, vivos e mortos, que me ensinam
tenacidade, fé e orgulho. Tento compreender
os grandes filósofos – mas habitualmente apanho
apenas fragmentos dos seus preciosos pensamentos.
Gosto de dar longos passeios pelas ruas de Paris
e olhar os meus próximos, agitados pela inveja,
ira e desejo; observar a moeda de prata
que passa de mão em mão e lentamente perde
a sua forma redonda (o perfil do imperador está apagado).
A meu lado crescem árvores que não exprimem nada,
a não ser a sua verde e indiferente perfeição.
Aves negras caminham pelos campos,
sempre à espera de algo, pacientes como viúvas espanholas.
Já não sou jovem, mas há gente mais velha do que eu.
Gosto de dormir profundamente, como se deixasse de existir,
de corridas de bicicleta por caminhos rurais quando álamos e casas
se dissolvem como cúmulos em dias de sol.
Às vezes nos museus os quadros falam para mim
e a ironia esfuma-se de repente.
Encanta-me contemplar o rosto da minha mulher.
Todos os domingos telefono ao meu pai.
De duas em duas semanas reúno-me com os amigos,
para provar a minha fidelidade.
O meu país libertou-se do mal. Desejo
que outra libertação se siga.
Posso eu fazer alguma coisa por isso? Não sei.
Não sou um filho do mar,
como António Machado escreveu sobre si mesmo,
mas um filho do ar, da menta e do violoncelo,
e nem todos os caminhos do alto mundo
Se cruzam com os caminhos da vida que – até ver–
me pertencem.
AUTO-RETRATO NUM AVIÃO
em classe económica

Dobrado como um embrião,
esmagado num assento estreito,
tento recordar
o aroma do feno recém-cortado
quando em Agosto as carroças de madeira
descem dos prados de montanha,
baloiçando pelas estradas de terra
e o condutor grita
como os homens sempre gritam quando entram em pânico
- gritaram dessa forma na Ilíada
e nunca mais se silenciaram desde então,
nem durante as Cruzadas,
nem mais tarde, muito mais tarde, próximo de nós,
quando ninguém os escutou.

Estou cansado, penso naquilo o que
não pode ser pensado - no silêncio que reina
nas florestas quando as aves dormem,
sobre o final próximo do verão.
Mantenho a cabeça entre as mãos
como se a protegesse da aniquilação.
Visto de fora, sem dúvida que
pareço imóvel, quase morto,
resignado, merecendo simpatia.
Mas não é assim - sou livre,
talvez mesmo feliz.
Sim, seguro a pesada cabeça
em minhas mãos,
mas dentro nasce um poema.

sábado, 26 de setembro de 2015

«Preciso ser um outro
para ser eu mesmo»


Mia Couto. Raiz de Orvalho e Outros Poemas. Editorial Caminho, 2001
«Nunca esquecendo que, assim como noutros tempos, mais obscuros, a educação tinha por propósito habilitar o juvenil para o mundo e a vida, agora, todos sabemos, compete-lhe pré-lavá-lo e desossá-lo para a televisão. Ou vice-versa.»

ver aqui