quarta-feira, 29 de março de 2017

''We are not SO pretentious''

''É preciso cuidado com o orgulho. Às vezes, pode cegar. Não é um bom conselheiro.''

Eunice Munoz

"Sou uma mulher igual a milhões. Tive a sorte de Deus me vocacionar"

Eunice Muñoz
"escreve-se ao contrário dos dias
contra o friso comovedor das gerações
ignorado das cabriolas doutrinais
não se escreve e há também nisso
um aluimento qualquer
corpo afim precipitado para o penhasco
sombrio do mesmo esquecer"

-"Persianas"
- Miguel-Manso
"Se vi mais longe foi por estar de pé sobre ombros de gigantes"

 Isaac Newton

Na sensação de estar polindo as minhas unhas
sei que morrerei no dia do aniversário da minha morte
ainda há coisas certas na vida
o dia do aniversário da minha morte apresenta tamanha discrição
que nem dou por ele
portanto não mudarei de roupa
talvez passe o dia deitada
no displicente descanso
de não atender telefones
nem me levantarei para ir ver o correio
e se alguém se lembrar de me acender
as inconsequentes velinhas
deixarei que derretam e estraguem o bolo
no dia do aniversário da minha morte
nem me penteio

Rosalina Marshall
(...)
«ninguém sabe
a que me sabe
a minha boca»
Rosalina Marshall


''A realidade está para cada um de nós como o sabor a que sabe a cada um de nós a sua própria boca está para os outros.''
Adília Lopes

 (“sinto um desconforto qualquer/ por usar soutien/ mas se não usasse/ era muito ordinária/ e os homens não gostariam de mim/ por ser demasiado fácil verem-me as mamas”) 
Wittgenstein, no início do seu Tractatus Lógico-Philosophicus: “O mundo é tudo o que acontece.” 

''A realidade é uma máquina de criar decepções. ''

estás-me a falhar como as notas de mil

expressão antiga, de quando ainda a moeda era o escudo e não o euro, que dizia: estás-me a falhar como as notas de mil, querendo com isso dizer que alguém nos decepcionava.

“a hermenêutica fechou a porta” (p. 18)

Rosalina Marshall

Manucure

Primeiro livro de Rosalina Marshall – Manucure, Companhia das Ilhas, 2013 
"Acendo a luz. A luz vive de um
disfarce de uma antiguidade
atómica.
E cada brilho tem um vento atento
o sopro um vento especial a morte:
desmancha-se a luz toda
(o feto dela) de um só corte."

-"Poesia"
- Luíza Neto Jorge

“Na sensação de estar polindo as minhas unhas”

Sá-Carneiro
"Ninguém se conhece, na medida em que cada um é apenas ele próprio e não é também, ao mesmo tempo, um outro.
As pessoas relativamente às pessoas são sempre só cómicas; o trágico origina-se quando o destino do indivíduo, do solitário, se intromete e esconde por detrás dos antagonistas."

Hugo Von Hofmannsthal. "Livro dos Amigos"

''sou pelas metáforas porque olhar a luz directamente pode cegar.''

Pedro Jordão

domingo, 26 de março de 2017

barbela

«Contigo uma pessoa nunca sabe...Estás sempre calado...Quem sabe no que pensas...»


Václav  Havel. Audiência, Vernissage, e Petição. Relógio D'Água, Lisboa,

Self Portrait of Gisele Freund in a mirror Paris, 1935


O ÓDIO COMO ARGUMENTO E CRÍTICA LITERÁRIA
Andam por aí uns gazeteiros irrequietos aspirantes a intelectuais libertários que,
 mandatários das suas dores primárias e sentimentos gerais— no desenfreamento agudo de caça ao prémio do maior cretino—, prosseguem incansáveis a sua missão de patrulha e delação dos gangs literários  da época. Estes queixinhas de risco calculado, respirando todos para dentro do mesmo saco,  julgando que no arranco de mais um arroto são os verdadeiros agitadores de consciências não fazem mais que, por correlação objectiva, exaltar e representar a homogenia epocal  que criticam refastelados nas suas dietas do ódio. (Agora até memes sancionados pelo risinho e o comentariado boçal se põem a fazer)
Mas! Há esperança:

VOCÊ ESTÁ PASSANDO POR UM NOVO TRÂNSITO ASTROLÓGICO
Substituam a agenda dos esplendores e misérias por um programa ideológico e estético, façam crítica formativa, enunciem e denunciem com a intenção política de um ideário,  ajam dentro dos actos, sonhem para fora, sejam estrategas, homens de ciência,  concretizem-se, realizem-se, comprometam-se com declarações de princípios e famílias de ideias, entreguem-se ao assunto com a finalidade de isolar,  determinar e apresentar o problema que vos arrelia, a doença geracional.  Escrevam folhetins críticos, publiquem suplementos, sejam lucidamente românticos no ódio.

OU SEJA
Não sejam propaganda de ares-condicionados, façam estremecer os ciprestes com ventos de saúde.

ENTRETANTO
E desafiando a ordem dos génios livres e solitários constituam-se como autores para se autorizarem a 
intervir com a faculdade da emoção e a inteligência do método para que o papel social da crítica não perca a sua função e eficácia. Dêem-se ao escândalo a que têm direito mas com a disposição e qualidade superiores de reformadores da arte. Sejam a princesa e a boca do cavaleiro.

Raquel Nobre Guerra, 2017

sexo débil

lúmen

Incrustações fecais

sábado, 25 de março de 2017


«O tempo da brincadeira passara. Começava o das coisas rudes.»

Václav Havel

Pastiche

obra literária ou artística em que se imita abertamente o estilo de outros escritores, pintores, músicos, etc.

''Pseudo-renovações''

Václav Havel

Esquizofrenia existencial.

Václav Havel

''Tempo de desmoronamento das ilusões e das tentativas de reconstrução...''

Václav Havel

Campo de Pubis


“ Foi o tempo que dedicaste à tua rosa que a fez tão importante”

 Antoine de Saint-Exupéry

terça-feira, 21 de março de 2017

carcinomas

''tacteios e desencorajamentos''

Václav Havel
«Não faço parte dessa feliz espécie de autores, de pena fecunda, rápida, fácil  e feliz, de imaginação nunca cansada, isentos de dúvidas e de escrúpulos, naturalmente abertos ao mundo e que em todos os assuntos vão direitos ao fim. Aflijo-me e algumas vezes irrito-me. Ambicioso, impaciento-me ao ver que me custa escrever por falta de ideias, de confiança em mim, vítima de uma ruminação que, por vezes, me paralisa.»


Václav Havel


Believer
Imagine Dragons



First things first
I'ma say all the words inside my head
I'm fired up and tired of the way that things have been
The way that things have been, oh-ooh
Second thing second
Don't you tell me what you think that I can be
I'm the one at the sail, I'm the master of my sea, oh-ooh
The master of my sea, oh-ooh

I was broken from a young age
Taking my soul into the masses
Write down my poems for the few
That looked at me took to me, shook to me, feeling me
Singing from heart ache from the pain
Take up my message from the veins
Speaking my lesson from the brain
Seeing the beauty through the

Pain!
You made me a, you made me a believer, believer
Pain!
You break me down, you build me up, believer, believer
Pain!
I let the bullets fly, oh let them rain
My luck, my love, my God, they came from
Pain!
You made me a, you made me a believer, believer

Third things third
Send a prayer to the ones up above
All the hate that you've heard
Has turned your spirit to a dove, oh-ooh
Your spirit up above, oh-ooh

I was choking in the crowd
Living my brain up in the cloud
Falling like ashes to the ground
Hoping my feelings, they would drown
But they never did, ever lived, ebbing and flowing
Inhibited, limited
Till it broke up and it rained down
It rained down, like

Pain!
You made me a, you made me a believer, believer
Pain!
You break me down, you built me up, believer, believer
Pain!
I let the bullets fly, oh let them rain
My luck, my love, my God, they came from
Pain!
You made me a, you made me a believer, believer

Last things last
By the grace of the fire and the flames
You're the face of the future, the blood in my veins, oh-ooh
The blood in my veins, oh-ooh
But they never did, ever lived, ebbing and flowing
Inhibited, limited
Till it broke up and it rained down
It rained down, like

Pain!
You made me a, you made me a believer, believer
Pain!
You break me down, you built me up, believer, believer
Pain!
I let the bullets fly, oh let them rain
My luck, my love, my God, they came from
Pain!
You made me a, you made me a believer, believer
“Life is like a piano. What you get out of it depends on how you play it.”

Tom Lehrer 

Pólenes

quarta-feira, 15 de março de 2017

|| confissões de uma máscara ||

"Respirar
o menos possível
nestas cidades
de uma tristeza
sem idade
abrindo o espaço
com os gestos lentos de um náufrago
a caminho
do fundo
A noite sobe-me
na voz
como um lugar
capaz de imaginar
sozinho
o seu cenário
onde o azul
dorme
numa cave
com os cães"

Ernesto Sampaio. "Feriados Nacionais" 

domingo, 12 de março de 2017


Não fazes favor nenhum em gostar de alguém
Nem eu, nem eu, nem eu
Quem inventou o amor não fui eu
Não fui eu, não fui eu, não fui eu... nem ninguém
O amor acontece na vida
Estavas desprevenida e, por acaso eu também
E como o acaso é importante, querida
De nossas vidas a vida fez um acaso também
Não fazes favor nenhum em gostar de alguém
Nem eu, nem eu, nem eu
Quem inventou o amor não fui eu, não fui eu
Não fui eu, não fui eu... nem ninguém
"Acender suavemente
para fora do corpo.
Só vem com uma instrução,
a alma,
e cumpre-a em cada passo.
deixando a cal para as palavras.
A inocência e a alegria são nomes
de ruas percorríveis, casas telhadas,
searas altas escondendo pássaros
e vento, estilhaços de voz.
Às vezes passa por ela
a luva perdida de um poema;
ou um nome sem âncora
atravessa-a, ainda morno,
obriga-a a embarcar
de um calafrio ao outro.
Mas aqui as almas regressam sempre.
Chamam-se Lázaro, têm margens
de açafrão, mel e mosto, trazem a beleza asfixiada,
inofensiva: prata sobre o convès,
flores dentro de saco plástico.
Antes de continuar a sonhar,
a alma esvazia os bolsos
da respiração sustida entre ondas,
dos silêncios guardados entre frases.
Deixa no cinzeiro
os restos das ideias consumidas,
um espinho mais teimoso.
Certifica-se, por último, da névoa
firme à sua volta,
de modo a não chocar com o mundo."

-"Esta Casa"
- Emanuel Jorge Botelho/ Inês Dias/ Manuel de Freitas/ Renata Correia Botelho

segunda-feira, 6 de março de 2017

«                                     TÓ MARIA

(Idem.) Tal o testo, tal a panela...»


Bernardo SantarenoO Lugre. Edições Ática. Lisboa., p. 133

MIGUEL

(Alheado, seguindo, sempre a sua voz interior.)
Eu sonho sempre com ...Ela.

ALBINO

(Espreguiçando-se.) Com ela?!...

MIGUEL

(Gelado.) Com a Morte, ti' Albino.






Bernardo SantarenoO Lugre. Edições Ática. Lisboa., p. 127

«Sonhos são mentiras, »

Bernardo SantarenoO Lugre. Edições Ática. Lisboa., p. 125

«Queria chorar e só podia rir-me!...»

Bernardo SantarenoO Lugre. Edições Ática. Lisboa., p. 125

sábado, 4 de março de 2017

“OVO/POVO”

 António Aragão na XIV Bienal de São Paulo, onde representou Portugal com a exposição de poesia espacial “OVO/POVO” (1977).
“poesia-contra, poesia-recusa-que-acusa, poesia contra o instituído, o legal, o ordenado e convencional.”


 (Aragão, 1981b [1965]: 39)

(des)gostos mais ou menos audíveis

“repúdio do lirismo e duma semântica convencionada à escala dos pessoais (des)gostos mais ou menos audíveis” (Aragão, 1981b [1965]: 39
«O artsta, poderoso iconoclasta destrói as formas defnitvas, e destrói devido ao esgotamento das forças misteriosas que as animavam e constrói, com outra morfologia, o mistério. E só ele se apercebe desse esgotamento e da necessidade de destruição – destruição sem sentenças ou elaborados racionalismos, sem prévios padrões polítcos, sociais, económicos ou religiosos; destruição assistemátca, inviolável, fnalizada em si própria, egocêntrica e espontânea.»


 (Aragão, 1956: 24)
“Sabe melhor apedrejar rindo
 do que mendigar choramingando
o direito que nos cabe”

 António Aragão em “Movimento e intervenção” (1965)

Um buraco na boca

Felicidade erótica

Anaïs Nin

"Me niego a vivir en un mundo ordinario como una mujer ordinaria.
A establecer relaciones ordinarias. Necesito el éxtasis.
Soy una neurótica, en el sentido de que vivo mi mundo.
No me adaptaré al mundo, me adapto a mí misma.”

Sonny Boy Williamson e uma ode à gaita


sexta-feira, 3 de março de 2017

“Começa por fazer o que é necessário, depois o que é possível, e de repente estarás a
fazer o impossível.”

S. Francisco de Assis

quinta-feira, 2 de março de 2017

''I restore myself when I’m alone.''
 Marilyn Monroe

quarta-feira, 1 de março de 2017

o Mata-Sete


O regresso do "velho senhor" (notícia TSF)

O vulcão Etna acordou.

fotograma de Deux fois, de Jackie Raynal


«Pela minha dor entendo que imensos outros sofrem,»

Luis Cernuda. Antologia Poética. Edição bilingue. Selecção, tradução, prólogo e notas de José Bento. Edições Cotovia, Lisboa, 1990., p. 77

«Mas fundamente preso fica o desalento,
Como hóspede sombrio dos meus sonhos.
Poderei esperar? Tudo foi dado ao homem
Como distracção efémera da existência;
A nada pode unir esta sua ânsia que reclama
Uma pausa de amor entre a fuga das coisas.
Seria vão lamentar o trabalho, a casa, os amigos perdidos
Nesse grande negócio demoníaco da guerra.»


Luis Cernuda. Antologia Poética. Edição bilingue. Selecção, tradução, prólogo e notas de José Bento. Edições Cotovia, Lisboa, 1990., p. 75

«Metade da minha vida está hoje passada,»



Luis Cernuda. Antologia Poética. Edição bilingue. Selecção, tradução, prólogo e notas de José Bento. Edições Cotovia, Lisboa, 1990., p. 73

''ócio solitário''


«Pálido rosto de paixão e tédio.»


Luis Cernuda. Antologia Poética. Edição bilingue. Selecção, tradução, prólogo e notas de José Bento. Edições Cotovia, Lisboa, 1990., p. 69
«Ainda se queixa vagamente sua alma,
O escuro vazio da sua vida.»


Luis Cernuda. Antologia Poética. Edição bilingue. Selecção, tradução, prólogo e notas de José Bento. Edições Cotovia, Lisboa, 1990., p. 67

'' Ligeiras paixonetas''


«Não sou como os mais: sou fraco. (A bater com as mãos no peito:) Fraco por dentro, mais fraco que a vidraça!...) »

Bernardo SantarenoO Lugre. Edições Ática. Lisboa., p. 117/8

O « Marreco»