domingo, 30 de abril de 2017

''feras solitárias''


«um adeus que cintila de póstuma ternura.»


Antologia de Vicente Aleixandre. Selecção, tradução e prólogo de José Bento. Editorial Inova/Porto., p. 55

«o perdão das culpas que não se pronunciaram»


Antologia de Vicente Aleixandre. Selecção, tradução e prólogo de José Bento. Editorial Inova/Porto., p. 44

''bordava perguntas''

Harry Shunk and János Kender, outtake from the shoot for Yves Klein’s Leap into the Void.


« Os lenços eram narcóticos (...)»


Antologia de Vicente Aleixandre. Selecção, tradução e prólogo de José Bento. Editorial Inova/Porto., p. 40

« O mar é amargo.»


Antologia de Vicente Aleixandre. Selecção, tradução e prólogo de José Bento. Editorial Inova/Porto., p. 40

«As paredes de níquel não aguentavam o crepúsculo, devolviam-no ferido. Os amantes voavam mastigando a luz. Permite-me que te diga. As velhas contavam mortes, mortes e respiravam pelas suas rendas.»

Antologia de Vicente Aleixandre. Selecção, tradução e prólogo de José Bento. Editorial Inova/Porto.,p. 40

«Eles, os amantes, faltavam ao seu dever e fatigavam-se como pássaros.»



Antologia de Vicente Aleixandre. Selecção, tradução e prólogo de José Bento. Editorial Inova/Porto., p. 40 
«Ecos, sonhos de melodia detinham-se, vacilavam nas gargantas como uma água muito triste. «Tens os olhos tão claros que os teus miolos transparecem.» Uma lágrima. Moscas brancas guitarreavam sem entusiasmo.»

Antologia de Vicente Aleixandre. Selecção, tradução e prólogo de José Bento. Editorial Inova/Porto.,

The Purple Rose of Cairo de Woody Allen



«Porque é que não me diz ao menos a verdade? Você não se dá conta de que com essa falta de sinceridade me ofende mais do que se mo dissesse directamente? Ou será que, simplesmente 
, já não mereço qualquer comentário da sua parte?

VANEK

Já lhe disse que respeito as suas deduções...




Václav  Havel. Audiência, Vernissage, e Petição. Relógio D'Água, Lisboa, p. 225/6

«Que fazer? Que fazer? Teoricamente está claro. Cada um deveria começar a examinar a sua consciência.»


Václav  Havel. Audiência, Vernissage, e Petição. Relógio D'Água, Lisboa, p. 214

Praticamente todos leram o seu livro «O Fracasso»...



Václav  Havel. Audiência, Vernissage, e Petição. Relógio D'Água, Lisboa, p. 210

STANEK

A sua mulher gosta de gladíolos?


VANEK

Não sei...Talvez sim...



Václav  Havel. Audiência, Vernissage, e Petição. Relógio D'Água, Lisboa, p. 193

alperceiros


«Você atirou-me à cara as minhas ilusões e o meu excesso de optimismo...»



Václav  Havel. Audiência, Vernissage, e Petição. Relógio D'Água, Lisboa, p. 175

«Não pensamos que seja fácil sair desse círculo vicioso, mas é a tua única possibilidade e ninguém o fará por ti! Nisso cada um só pode contar consigo... Mas tu és suficientemente forte para aguentar essa solidão!»


Václav  Havel. Audiência, Vernissage, e Petição. Relógio D'Água, Lisboa, p. 159

«Estás simplesmente desmoralizado, resignaste-te, incomoda-te esforçares-te por qualquer coisa, lutar, enfrentar as dificuldades...»


Václav  Havel. Audiência, Vernissage, e Petição. Relógio D'Água, Lisboa, p. 154

François Truffaut, l'homme qui était aimé des femmes

El silencio del río




no quiero cansarte pero
fuiste niño alguna vez
con las piernas débiles saltando y las rodillas
rotas o más bien
rasgadas y tenías
el perfume de la niñez que perdiste
las manos pequeñas y suaves y la voz
aguda
hubo un desprendimiento y estas
son las fotos donde habita todo eso
miralas. ¿te ves?
                                                                                            Nicolás Alberte, Escritos a la luz de las cosas que no se ven




Compártelo: https://literariedad.co/2016/05/01/el-silencio-del-rio/


TRADICIÓN ORAL


Me gusta amarte hincada de rodillas.
Aquí, tan desde abajo, tan cerca de la tierra
relamo el palpitar de tu cuidado
y centro mi delicia en el transcurso.


No es de extrañar que el mundo sea redondo.
¿Qué forma iba a adoptar, sino la de mi boca?





Tradição oral


Gosto de te amar em genuflexão
Aqui, tão de baixo, tão rente à terra
saboreio o palpitar do teu cuidado
e centro a minha delícia no durante.


Não é de admirar que o mundo seja redondo.
Que forma adoptaria que não fosse a da minha boca?




Raquel Lanseros

CONTIGO
Porque no vive el alma entre las cosas
sino en la acción audaz de descifrarlas,
yo amo la luz hermana que alienta mis sentidos.
Mil veces he deseado averiguar quién soy.
Después de tantos nombres,
de tanta travesía hacia mi propia brújula,
podría abrazar la arena durante varios siglos.
Ver pasar el silencio y seguir abrazándola.
No está en mí la verdad, cada segundo
es un fugaz intento de atrapar lo inasible.
La verdad no está en nadie, y aún más lejos
yace de un rey que de cualquier mendigo.
Si alguien está pensando en perseguirla
no debe olvidar esto:
el fuego ha sido siempre presagio de declive
como la intensidad antesala de olvido.
Cuando mis ojos vuelvan al origen,
pido un último don.
Nada más os reclamo.
Poned en mi sepulcro las palabras.
Las que dije mil veces
y las que habría deseado decir al menos una.
Guardad en mi costado las palabras.
Las que usé para amar,
las que aprendí a lo largo del camino,
las primeras que oí de labios de mi madre.
Envolvedme entre ellas sin reparo,
no temáis por su peso.
Pero cuidad con mimo la palabra contigo.
Tratadla con respeto.
Colocadla
sobre mi corazón.
La verdad no está en nadie, pero acaso
las palabras pudieran engendrarla.
Quizá entonces aquel a quien dije contigo
y para quien contigo fue toda su costumbre,
se acostará a mi lado con ternura,
juntos en el vacío más sagrado,
cuando la eternidad toma nuestra medida,
cuando la eternidad se pronuncia contigo.


INVOCACIÓN
Que no crezca jamás en mis entrañas
esa calma aparente llamada escepticismo.
Huya yo del resabio,
del cinismo,
de la imparcialidad de hombros encogidos.
Crea yo siempre en la vida
crea yo siempre
en las mil infinitas posibilidades.
Engáñenme los cantos de sirenas,
tenga mi alma siempre un pellizco de ingenua.
Que nunca se parezca mi epidermis
a la piel de un paquidermo inconmovible,
helado.
Llore yo todavía
por sueños imposibles
por amores prohibidos
por fantasías de niña hechas añicos.
Huya yo del realismo encorsetado.
Consérvense en mis labios las canciones,
muchas y muy ruidosas y con muchos acordes.
Por si vinieran tiempos de silencio.


 BEATRIZ ORIETA
 Maestra nacional
       (1919-1945)
Los niños corren y saltan a la comba.
Beatriz Orieta pasea junto a Dante
sorteando los pupitres
en medio del camino de la vida…
Tiene litros de frío mojándole la espalda.
Apenas pueden nada contra él
los míseros tizones del brasero oxidado.
Entran al aula los gritos infantiles,
huelen a tos y a hambre.
Algunas veces,
Beatriz Orieta casi no contiene
las ganas de llorar
y mira las caritas sucias afanándose
en recordar las tildes de las palabras llanas.
Prosigue Dante todo el día musitando
en el oído de Beatriz Orieta
…amor que mueve el sol y las estrellas.
Ella siente de veras
que otro mundo la mira
al lado de este mundo gris y parco.
Contra el lejano sol
del lejano crepúsculo
dos amantes se miran a los ojos.
Beatriz Orieta está
apoyada en su hombro.
Los álamos susurran las palabras de Dante.
Los amantes son túneles de luz
a través de la niebla.
Los besos, amapolas
de un cuadro de Van Gogh.
Pasa el invierno lento como pasa un poema.
Pasan el frío andrajoso, la fiebre y el esputo
y toman posesión del blanco cuerpo
igual que las hormigas invadiendo
esas migas de pan abandonadas.
Sesenta años después, entre las ruinas verdes
leo un  descanse en paz  envejecido
sobre la tumba de Beatriz Orieta.
El silencio es de mármol.
El silencio
es la respuesta de todas las preguntas.
Unos metros más lejos, hace sólo dos años
yace también el hombre
que, apoyado en el hombro de Beatriz Orieta,
dibujó un corazón sobre un tiempo de hiel.
¿Qué más puedo decir?
Que la vida separa a los amantes
ya lo dijo Prévert.
Pero a veces la muerte
vuelve a acercar los labios
de los que un día se amaron.


A LAS ÓRDENES DEL VIENTO
Para todos los que sienten que no están al mando
Me habría gustado ser discípula de Ícaro.
Hubiera sido hermoso festejar
las bodas de Calixto y Melibea.
Me habría gustado ser
un hitita ante la reina Nefertari
el joven Werther en Río de Janeiro
la deslumbrante dama sevillana
por la que Don José rechazó a Carmen.
Yo quisiera haber sido el huerto del poeta
con su verde árbol y su pozo blanco
el inspector fiscal
con el que conversara Maiakovski.
Me habría gustado amarte. Te lo juro.
Sólo que muchas veces la voluntad no basta.

EL BESO
Por celebrar el cuerpo, tan hecho de presente
por estirar sus márgenes y unirlos
al círculo infinito de la savia
nos buscamos a tientas los contornos
para fundir la piel deshabitada
con el rumor sagrado de la vida.
Tú me miras colmado de cuanto forja el goce,
volcándome la sangre hacia el origen
y las ganas tomadas hasta el fondo.
No existe conjunción más verdadera
ni mayor claridad en la sustancia
de que estamos creados.
Esta fusión bendita hecha de entrañas,
la arteria permanente de la estirpe.
Sólo quien ha besado sabe que es inmortal.

 A PROPÓSITO DE EROS
De todas las terrenas servidumbres
que aprisionan mi afán en esta cárcel
me confieso deudora de la carne
y de todos sus íntimos vaivenes
que me hacen más feliz
y menos libre.
A veces, sin embargo,
la esclavitud se muestra soberana
y me siento señora del destino.
Porque sé amar, porque probé la fruta
y no maldije nunca su sabor agridulce,
porque puedo ofrecer mi corazón intacto
si el camino se digna requerirlo,
porque resisto en pie, con humilde firmeza,
el rigor de este fuego que enloquece.
En este fragor mudo en el que todos somos
rufianes, vagabundos, desposeídos y presos
no existen vencedores ni vencidos
y mañana no arrienda la ganancia de ayer.
Que no entre en la batalla quien sucumba
ante el rencor pequeño de las humillaciones.
Sabed, son necesarias descomunales dosis
de grandeza de espíritu y coraje
en las lides calladas de la pasión humana.
La recompensa, en cambio, es sustanciosa.
Ser súbdito tan sólo de la naturaleza,
no temer a la muerte ni al olvido,
no aceptarle a la vida una limosna,
no conformarse con menos que todo.

 LA CADENA
Me pregunto por qué desde la tierra
la masa de las aguas parece un solo bloque.
Un único sustento incontrastado
una roca que es toda la roqueda
un avenir de lejos uniforme
un alarido llano de membranas
sin desgaste ni lámina ni grieta.
Me pregunto por qué, cuando me acerco,
las aguas se dividen, se complacen
en enseñar sus rostros diferentes
en cada espuma cresta de rocío
en las calzadas líquidas que rugen.
Bajo este mismo efecto,
en la distancia la muerte es toda una
un símbolo cohesivo
un monolito.
Sin embargo de cerca, qué deprisa
se aprende a distinguir sus dimensiones
sus fúnebres volúmenes
su rutina
su querencia en lo ajeno y lo propio
hasta ver nuestra imagen en sus aguas.
Raquel Lanseros 

“En las historias de amor las mujeres son mucho más precisas que los hombres; éstos son muy confusos, no saben demasiado lo que quieren. Por el contrario, cuando la mujer encuentra a un hombre sabe, normalmente, lo que quiere de él; sabe lo que quiere dar y recibir mientras que, en general, para un hombre el amor es una emoción fuerte pero vaga, y no sabe exactamente lo que quiere dar o recibir ya que está demasiado preocupado por los problemas sociales”


François Truffaut

“El cine es el arte de la mujer, o sea, de la actriz. El cometido del director consiste en conseguir que las mujeres hagan cosas hermosas. Es mi opinión: los grandes momentos del cine se dan cuando hay coincidencia entre las dotes de un director y las de una actriz dirigida por él”.
Film lovers are sick people. 

Francois Truffaut

«(...) há hábitos que custam a morrer.»



«O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»

Por António Vieira

“Why Are You Always Tired?”

sábado, 29 de abril de 2017




Sobre a educação — Paulatinamente esclareceu-se, para mim, a mais comum deficiência de nosso tipo de formação e educação: ninguém aprende, ninguém aspira, ninguém ensina — a suportar a solidão” –


Nietzsche,
Aurora, 443
''Para um homem devoto não existe solidão – esta invenção foi feita somente por nós, os sem-Deus” – 
Nietzsche, Gaia Ciência, §367

''What you seek is seeking you.'' Rumi

sexta-feira, 28 de abril de 2017

“Give the ones you love wings to fly, roots to come back and reasons to stay.” - Dalai Lama

''Who, What, Were, Why, When?''

Joseph Beuys ''We Won’t Do It without the Rose, Because We Can No Longer Think'', 1972


''boca suturada, emudecida, ''


Helena Almeidaintus. Civilização Editora, Lisboa, 2006., p. 79

«Para ela, ''ver-me'' significa  ''ouve-me com os teus olhos''. Sob o título Ouve-me, a artista apresenta uma fotografia da sua boca cosida.»



Helena Almeidaintus. Civilização Editora, Lisboa, 2006., p. 79

«No teatro-dança, a coreografia, a própria dança, apenas se materializava no acto de ser dançada - a questão colocada por Yeats, ''como distinguir a dançarina da dança?'' vem assim antecipar algumas das mais importantes obras feministas e de body art da década de 1970...»


Helena Almeidaintus. Civilização Editora, Lisboa, 2006., p. 72

''desenho habitado''

'Não me toquéis''

Harry Shunk and János Kender, outtake from the shoot for Yves Klein’s Leap into the Void.


«É preciso não nos levarmos muito a sério.»


Helena Almeidaintus. Civilização Editora, Lisboa, 2006., p. 59

«Voltando ao vídeo, foi um registo que a Helena trabalhou nos finais dos anos 70 mas nunca tinha inserido música e neste último, A experiência do Lugar II, introduz no final uma parte da ária do Orfeu e Eurídice de Gluck, numa versão do Hector Berlioz. Porquê?

Inseri, porque pensei que o Orfeu fez a verdadeira experiência do lugar, tinha ido ao Inferno, tinha ido aos mortos buscar a sua Eurídice na condição de nunca olhar para trás. Portanto eu sou uma mistura dos dois, nunca olhar para trás e simultaneamente sentir a descida aos infernos. Penso muito na descida aos infernos, talvez por todas estas coisas horríveis que acontecem no mundo.»



Helena Almeidaintus. Civilização Editora, Lisboa, 2006., p. 56


«Há coisas que me transcendem, há coisas que eu não suspeitava e que me espantam quando as vejo nos trabalhos. Por outro lado, tenho também que me isolar. Eu era uma pessoa muito mais sociável , passava muito mais tempo com os meus amigos e o ser artista para mim implica isolamento e concentração, que não é compatível com a uma vida social intensa e isso também é pesado. Os trabalhos resultam de uma mistura de muita concentração e, simultaneamente, do estar muito descontraída e de deixar entrar o que vier. É algo que eu sei fazer, mas que não sei explicar como se deve fazer, é agarrar as coisas como um cão de caça.»


Helena Almeidaintus. Civilização Editora, Lisboa, 2006., p. 55/6

«(...), porque há coisas que são arrancadas, que a pessoa não fica a mesma depois de as fazer, deixam marcas.»


Helena Almeidaintus. Civilização Editora, Lisboa, 2006., p. 55
''amor com humor''

The Purple Rose of Cairo (1985)

«O cinema é o céu.»

Personagem Cecília in The Purple Rose of Cairo de Woody Allen
''a sétima arte tem sete vidas''

«Ando em círculo; os ciclos voltam.»


Helena Almeidaintus. Civilização Editora, Lisboa, 2006., p. 53

«(...) porque é que tenho esta solidão e a solidão de outros corpos?»

Helena Almeidaintus. Civilização Editora, Lisboa, 2006., p. 53

Yves Klein and the birth of the blue

Yves Klein with his signature International Klein Blue. Photograph: . Charles Wilp/BPK Berlin
"The imagination is the vehicle of sensibility. Transported by the imagination, we attain life, life itself, which is absolute art."

''azul-cobalto; azul-ultramarino''

''subtileza corrosiva''

«Se a fotografia é o registo do que aconteceu (e, nesse sentido, é morte), o vídeo é o registo do que está acontecendo (e, nesse sentido, é o acto de morrer).


Helena Almeidaintus. Civilização Editora, Lisboa, 2006., p. 15

quinta-feira, 27 de abril de 2017

"Sobre a Liberdade" (Khalil Gibran)

E um orador disse: Fala-nos da Liberdade.
E ele respondeu:
Às portas da cidade e junto à lareira já vos vi prostrados a venerarem a vossa própria liberdade.
Tal como os escravos se curvam perante um tirano e o louvam enquanto ele os açoita.
Ah, no bosque do templo e à sombra da cidadela já vi os mais livres de entre vós usarem a liberdade como grilhetas.
E o meu coração sangrou por dentro; pois só se pode ser livre quando o desejo de encontrar a liberdade se tornar a vossa torta e quando deixardes de falar de liberdade como objetivo e plenitude.
Sereis verdadeiramente livres não quando os vossos dias não tiverem uma preocupação nem as vossas noites necessidades ou mágoas.
Mas quando estas coisas rodearem a vossa vida e vós vos ergais acima delas, despidos e libertos.
E como vos podereis erguer para lá dos dias e das noites a menos que quebreis as cadeias que, na aurora do vosso conhecimento, apertastes à volta do entardecer?
Na verdade, aquilo a que chamais liberdade é a mais forte dessas cadeias, embora os seus aros brilhem à luz do sol e vos ofusquem a vista.
E o que é isso senão fragmentos do vosso próprio ser de que vos libertareis para vos tornardes livres?
Se se trata apenas de uma lei injusta que ireis abolir, essa lei foi escrita com a vossa mão apoiada na vossa fronte.
Não podereis apagá-la queimando os livros das leis, ou lavando as frontes dos vossos juízes, embora despejeis o mar sobre eles.
E se é um déspota que ireis destronar, certificai-vos primeiro de que o trono erigido dentro de vós também é destruído.
Pois como pode um tirano mandar sobre os livres e os orgulhosos, senão exercendo a tirania sobre a liberdade deles e sufocando-lhes o orgulho?
E se se trata de uma preocupação que quereis fazer desaparecer, essa preocupação foi escolhida por vós e não imposta.
E se é um receio que quereis afastar, a origem desse receio reside no vosso coração e não na mão daquele que receais.
Na verdade, todas as coisas se movem dentro do vosso próprio ser em constante meia união, o desejado e o receado, o repugnante e o atraente, o perseguido e o de quem quereis escapar.
Estas coisas movem-se dentro de vós como luzes e sombras, aos pares, agarradas.
E quando a sombra se desvanece e deixa de ser, a luz que resta torna-se sombra para uma nova luz.
Por isso, a vossa liberdade quando perde as cadeias torna-se ela própria uma cadeia de maior liberdade.
Do livro “O Profeta”
"Não exijas que aconteça como tu desejas que aconteça. Antes queiras que aconteçam as coisas como acontecem - e quão feliz, então, não serás tu."

-"Da Vida Feliz"/"Manual"/"Pensamentos"
 Séneca/ Epicteto/ Marco Aurélio

quarta-feira, 26 de abril de 2017


desintegração
do universo de angústia.


Alberto Estima de Oliveira. INFRAESTRUTURAS. Colecção Poetas de Macau, 1999., p. 111


...

vivo
no minuto
o infinito

Alberto Estima de Oliveira. INFRAESTRUTURAS. Colecção Poetas de Macau, 1999., p. 65

''o som dos joelhos''


Helena Almeidaintus. Civilização Editora, Lisboa, 2006., p. 15

« Mas se não são personagens, muito menos serão auto-retratos porque nada nos dizem sobre o corpo concreto ou a natureza psicológica de Helena Almeida. Olhando para as suas fotografias nada ficamos a saber sobre a sua personalidade, gostos, pensamentos, concepção do mundo ou sobre como ela é, hipoteticamente, quando de manhã atravessa a rua para ir tomar um café. Aliás, é comum, nas inaugurações das exposições de Helena Almeida, os espectadores que não a conhecem perguntarem: ''Quem é a Helena Almeida? Onde é que ela está?'' Apesar de estarem rodeados de obras cuja matéria-prima é a imagem da própria artista, são, no entanto, incapazes de a reconhecer ''ao vivo''. Este facto não se deve a qualquer cegueira momentânea ou a uma distância entre o sujeito e o objecto representado, tanto mais que a artista não recorre a máscaras ou acessórios, nem a cenários artificiosos que mudam constantemente, mas apenas a ela própria, o mais neutra possível - com um vestido preto e largo - , e ao seu atelier, também, quase sempre despido de qualquer objecto ou peça de mobiliário.
  Trata-se de um corpo ficcional, na medida em que a sua representação (ou imagem) não possui nem o carácter da personagem, nem a natureza do auto-retrato.»


Helena Almeida. intus. Civilização Editora, Lisboa, 2006., p. 13

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Cegueira Moral



Leonidas Donski

Zygmunt Bauman

sociólogo Zygmunt Bauman

fenómenos que marcam os novos tempos, na passagem do século XX para o século XXI: por exemplo, o triunfo das relações laborais precárias, à medida que o trabalho intelectual se impõe sobre o trabalho material; e também o grande fenómeno das migrações e do terrorismo.

Modernity and the Holocaust, 1989

A ideia de uma sociedade líquida ganhou assim o poder de dar uma configuração à nossa época, tal como Bauman a vê: uma época caracterizada pelo triunfo da fluidez, do precário, do transitório, do permeável e do que não se deixa apreender com segurança. Para ele, esta é a condição da sociedade em que vivemos, em todas as suas dimensões, tanto estruturais como super-estruturais, tanto no plano material e económico, como no plano da vida afectiva e intelectual. De certo modo, Bauman, fazendo da noção de liquidez um instrumento de diagnóstico do nosso tempo (e retomando assim a tradição dos diagnósticos sociológicos, à maneira de Simmel), transpôs para a nossa época um princípio semelhante àquele que tinha sido enunciado por Marx e Engels, no Manifesto do Partido Comunista: “tudo o que é sólido dissolve-se no ar”

Liquid Love, 2003

Zygmunt Bauman

Liquid Modernity, 2000

Zygmunt Bauman

sociólogo que nasceu em 1925 em Poznan, na Polónia

terça-feira, 18 de abril de 2017

mátria


"Cada mulher é uma cascata de trevos.
Nessa risada arredondando o tempo
colhe um som Por um trevo serás salvo."
"minha respiração procura
a pátria do relâmpago
onde as mulheres ordenham
os sonhos que nos vivem"

Natália Correia. "Mátria''. Edição do autor, 1968 (1a Edição)

segunda-feira, 17 de abril de 2017



“...considero tudo como perda…

...por amor do qual perdi todas as coisas...."

Filipenses 3:8

agelasta
ɐʒẽˈlaʃtɐ
adjectivo, nome de 2 géneros
que ou pessoa que nunca ri, que não tem sentido de humor